Consultor Jurídico

Disputa por independência

Fux suspende exigência de parecer do CNMP sobre proposta orçamentária do MPU

No exercício da presidência do Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux concedeu liminar para suspendendo a regra que o Ministério Público da União a apresentar sua proposta orçamentária para análise do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

A exigência do parecer do CNMP está prevista na Lei 13.707/2018 (Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019). Na ação, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, alegou que o artigo 127, parágrafo 3º, da Constituição Federal dispõe sobre a prerrogativa de o MP elaborar sua própria proposta orçamentária, observando os limites da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Assentado que a elaboração de proposta orçamentária é atributo essencial para a independência do Ministério Público, cabe enfatizar que o chefe do Ministério Público da União é a autoridade legalmente incumbida desse exercício no que diz respeito a todos os ramos desse Ministério Público, sendo inconstitucional cogitar qualquer espécie de subordinação de seus atos a qualquer juízo de autorização, fiscalização, anuência ou crítica do Conselho Nacional do Ministério Público”, afirma.

A procuradora-geral da República destaca que a Lei Orgânica do Ministério Público da União (Lei Complementar 75/1993) também prevê ser do procurador-geral da República, como chefe do MPU, a atribuição de apresentar a proposta de orçamento do órgão, compatibilizando os anteprojetos dos diferentes ramos da instituição.

Raquel Dodge acrescenta que a Constituição, ao tratar das atribuições do CNMP, não lhe defere controle na atuação orçamentária do Ministério Público. O órgão, explica, exerce apenas controle administrativo e financeiro. “Admitir intervenção do CNMP na proposta orçamentária do MPU implicaria, portanto, exercício de competência não prevista na Constituição e afronta à própria autonomia orçamentária da instituição”, ressalta. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 6.028




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2018, 17h01

Comentários de leitores

1 comentário

Só o outro deve ser fiscalizado ? Alguém está acima da Lei ?

Dennes Oliveira (Servidor)

É inerente, implícito, da natureza mesmo, a qualquer Estado que se diz e se quer Democrático de Direito, ter todos os seus atos, independentemente de quem ou de qual órgão emanem, submetidos à uma instância fiscalizadora. Pois, se assim não for, com se garantirá que o ato seja hígido, legal, constitucional, não arbitrário. No caso em tela, se o conceito de orçamento do MPU não se enquadra dentro da fattispecie controle financeiro e administrativo a ser exercido pelo CNMP, então que função de controle restou a este órgão de "envergadura" Constitucional ?! Seja como for, talvez não faça muita diferença mesmo, pois lembremos que o presidente do CNMP é o mesmo do MPU, e que aquela órgão de controle externo é composto, em sua grande maioria, por membros do MPU, de modo que, talvez, esta discussão seja realmente inócua !

Comentários encerrados em 07/10/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.