Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Segredo de justiça

Corregedoria do Rio investigará vazamento de processo de Bolsonaro à Veja

Por 

A Corregedoria-Geral de Justiça do Rio de Janeiro instaurou sindicância administrativa para investigar o envolvimento de magistrados ou servidores na divulgação de processo sigiloso envolvendo o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) à revista Veja.

Ex-mulher acusou Bolsonaro de ocultar patrimônio e furtar cofre.
Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Na edição desta semana, a Veja publicou reportagem na qual conta que Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Bolsonaro, moveu ação na 1ª Vara de Família do Rio para manter a guarda do filho e promover uma partilha justa dos bens. No processo, que corre em segredo de justiça, ela acusou o presidenciável de furtar um cofre do Banco do Brasil, ocultar patrimônio, receber pagamentos não declarados e agir com “desmedida agressividade”.

Em portaria, o corregedor-geral de Justiça do Rio, desembargador Claudio de Mello Tavares, aponta que processos de família são sigilosos e só as partes e seus advogados podem ter acesso a eles.

Segundo Tavares, a Editora Abril, que publica a Veja, fez vários pedidos de desarquivamento de processos envolvendo Bolsonaro nas varas de família do Rio. Esses requerimentos, conforme o corregedor-geral, são feitos pelo site do TJ-RJ, sem serem previamente avaliados pelos magistrados que cuidam das ações.

De acordo com o desembargador, a 5ª Vara de Família do Rio consultou a Corregedoria sobre a possibilidade de a Editora Abril pedir o desarquivamento de processos de família sob segredo de justiça.

Como a reportagem publicada pela Veja não esclarece a que processo ela se refere, o corregedor-geral determinou a instauração de sindicância administrativa para apurar eventual envolvimento de magistrados ou servidores na disponibilização do processo de Bolsonaro aos jornalistas.

Clique aqui para ler a íntegra da portaria.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 28 de setembro de 2018, 17h00

Comentários de leitores

6 comentários

Procurador!

Karlos Lima (Oficial de Justiça)

Existe algumas autoridades colocadas em ponto chaves da administração publica, que não deveriam estar ali. Estão pelo fato de serem petistas declaradas ou não. E dever favor aos mesmo. Acorda Brasil!

Informação.

Neli (Procurador do Município)

É dever da imprensa informar.
Sem ética foi quem , se houve, deu o processo para a revista. Uma reportagem excelente.
O Brasil , aqui e agora, anda tão estapafúrdio que me fez recordar um velho aforismo:ne nuntium necare!
Invés de parar e pensar, atira-se pedradas no informante.
Imprensa livre é supedâneo democrático.

Complô

Eduscorio (Outros)

Existe uma nuvem de gafanhotos predadores do Estado de Direito infiltrados na máquina pública, Justiça inclusive, visando desconstruir a imagem do líder nas pesquisas. Isto é fato. Outro fato é o interesse comum da mídia (Veja, Globo, Folha de SP, etc) associada aos demais candidatos à Presidente (que tem em comum ligações perigosas com o lulo-petismo) em derrubar quem prega a honestidade. Dá o que pensar...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/10/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.