Consultor Jurídico

Notícias

Interpretação temerária

Criminalizar não pagamento de tributos gera insegurança, diz advogado

Em agosto, a 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça definiu, ao julgar um Habeas Corpus, que não pagar valores declarados de ICMS que foram repassados aos clientes caracteriza apropriação indébita tributária.

Apesar de não ter efeito vinculante, o entendimento tem sido aplicado em outras decisões, inclusive monocraticamente. Foi o que aconteceu no dia 14 de setembro, quando o ministro Rogério Schietti Cruz negou pedido para trancar denúncia por crime fiscal.

Para o advogado Marcelo Knopfelmacher, essas decisões geram uma insegurança jurídica, e o entendimento deve causar uma enxurrada de denúncia. Em sua opinião, é temerário que tipos penais sejam criados por interpretação da lei.

"Se se pretende alterar o arcabouço legislativo para criminalizar o não pagamento de tributos, é necessária deliberação do Poder Legislativo em tal sentido", afirmou em entrevista à ConJur.

Leia a entrevista:

ConJur — O STJ definiu que o crime de apropriação indébita tributária "não pressupõe a clandestinidade" e que o mero ato de deixar de pagar o imposto de maneira dolosa já configura o crime. Qual será o efeito disso?
Marcelo Knopfelmacher — A decisão do STJ, proferida em sede do HC 399.109-SC, por sua 3ª Seção, que congrega a 5ª e a 6ª Turmas de Direito Penal, definiu que o não pagamento do ICMS em operações próprias (ou seja, fora do ambiente de substituição tributária) configura o crime previsto pelo artigo 2º, inciso II, da Lei 8.137/1990. O efeito será uma enxurrada de denúncias criminais pelo simples inadimplemento de tributos, o que contraria toda a lógica da legislação penal tributária brasileira.

ConJur — Essa interpretação também não leva à inversão do ônus da prova?
Marcelo Knopfelmacher — Essa interpretação foi dada em um HC. Não se tratou do reconhecimento do dolo no caso concreto, o qual deverá ser aferido com base no substrato das provas obtido após a instrução criminal. Mas ficou consignado, nesse precedente, que o mero inadimplemento de tributo dito indireto (no caso, o ICMS) se enquadra no tipo previsto pelo aludido artigo 2º, inciso II, da Lei 8.137/1990.

ConJur — É uma tendência de "criminalização" do Direito Tributário?
Marcelo Knopfelmacher — A legislação penal brasileira (tanto a Lei 8.137/1990, como os artigos 168-A e 337-A do Código Penal) pressupõe, necessariamente, a fraude, a omissão, a prestação de informações falsas às autoridades fazendárias e outros ardis. Essa é, inclusive, a leitura do Supremo Tribunal Federal sobre o tema, conforme decidido no ARE 999.425/SC, com repercussão geral, para reconhecer que, justamente por não se tratar de legislação que prevê prisão por dívida, não estaria em desconformidade com o disposto no inciso LXVII do artigo 5º da Constituição.

Não vejo uma tendência de criminalização. Vejo uma tentativa, por parte de alguns Fiscos, de intimidação para que se promova o pagamento. Tanto é verdade que, com o pagamento do tributo e de seus acessórios, opera-se a extinção da punibilidade, nos termos do artigo 9º, parágrafo 2º da Lei 10.684/2003.

ConJur — O entendimento não é contraditório com a jurisprudência de que conceder benefício fiscal não é crime nem improbidade? Se a empresa deixa de pagar o imposto por vários anos e depois entra num programa de parcelamento, isso agora será crime de lavagem?
Marcelo Knopfelmacher — O entendimento é contraditório em relação a todo o sistema, justamente porque não há crime no mero inadimplemento de tributos. As hipóteses previstas na legislação penal tributária sempre pressupõem uma fraude, um ardil, uma omissão, a prestação de informações falsas às autoridades fiscais, conforme já mencionado. Sendo assim, entendo que não há crime antecedente nessa hipótese para que seja caracterizado o crime de lavagem de dinheiro previsto pelo artigo 1º da Lei 9.613/1998, em sua atual redação.

ConJur — Do ponto de vista da política fiscal, faz sentido punir o inadimplente com um processo penal?
Marcelo Knopfelmacher — Entendo que não. Conforme manifestação anterior, essa é uma linha de conduta inadequada de alguns Fiscos que pretendem intimidar os contribuintes com o aparato criminal. E, nesse sentido, a decisão do STJ acaba por trazer enorme insegurança jurídica, uma vez que nossa legislação não admite a criminalização do simples inadimplemento de tributos.

Se se pretende alterar o arcabouço legislativo para criminalizar o não pagamento de tributos, é necessária deliberação do Poder Legislativo em tal sentido, sempre atentando para o disposto no inciso LXVII do artigo 5º da Constituição, que, sendo cláusula pétrea (imodificável sequer por emenda constitucional), impede que haja encarceramento por dívida, salvo nos casos de pensão alimentícia. Nesse sentido, aliás, é robusta a jurisprudência do STF, conforme o decidido no RE 466.343, que analisou a prisão na hipótese de depositário infiel em alienação fiduciária.

ConJur — O precedente do STJ não vai transformar as varas criminais em balcão de cobrança de impostos? Processos criminais costumam correr mais rápido que os fiscais, natural que o Fisco corra ao MP antes que o Judiciário diga que não há crédito tributário, não?
Marcelo Knopfelmacher — O cenário é de fato assustador. A questão precisa ser levada ao Supremo Tribunal Federal sob essa perspectiva. A Defensoria Pública, que está atuando no leading case, está fazendo um ótimo trabalho, mas o STJ, logo após a publicação em 31 de agosto desse acórdão proferido pela 3ª Seção, já está aplicando o precedente em decisões monocráticas, como é o caso, por exemplo, do julgamento do recentíssimo REsp 598.005-SC, publicado no último dia 19.

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2018, 12h05

Comentários de leitores

4 comentários

Capitalismo brasileiro

O IDEÓLOGO (Outros)

A tendência de criminalizar a falta de pagamento de tributos decorre de sua explosão em escala geométrica, com perturbação das próprias funções do Estado. Muitos milionários brasileiros, ou melhor, integrantes da elite, se exibem no "jet set tupiniquim" enquanto a massa se refugia em hospitais com médicos com elevados "stress" e sem condições de propiciar atendimento digno. Os culpados não precisam ser apontados, é de conhecimento público.
Várias empresas devem bilhões, e se fossem quebradas por uma lenta, porém eficiente execução fiscal, arguiriam o surrado argumento de que "dão empregos", "movimentam a Economia", "vão aderir ao REFIS". Se fosse nos USA, muitos "Bernards Madoffs brasilianos" estariam cumprindo perpétua ou então, tomariam cianureto.

O posicionamento do STJ não nos parece razoável

Romeunt (Advogado Associado a Escritório - Tributária)

Respeitando as opiniões em sentido contrário, especialmente a apresentada pelo colega Osvaldo Beija acima, entendemos que o problema do dolo a que se fez (e faz) referência se encontra em sua caracterização. Nesse sentido, se porventura o contribuinte possuir em caixa recursos bastantes ao pagamento do tributo, mas, por outro lado, souber que se considerar toda a competência (mês) tais recursos não são suficientes ao pagamento de despesas tais qual, por exemplo, a folha de salários, não poderá "optar" por preterir o fisco em favor dos empregados, opção essa que é corriqueira no Brasil (pelo menos segundo nossa experiência como advogado). Se assim for, quer nos parecer, à toda evidência, que o contribuinte, com receio de vir a ser preso (!) preterirá os empregados em favor do fisco, o que resolve o problema fiscal, mas não o social (trabalhadores), os quais, perceba-se, não contam com a prisão como meio indireto para a cobrança de seus direitos. Há, a nosso ver, portanto, uma espécie de contrassenso, uma inversão de valores (talvez tipicamente brasileira).
Enfim: pensamos que o posicionamento do STJ carece de razoabilidade e análise econômica do direito, especialmente porque em última análise encarna mais uma surpresa para o empreendedorismo se preocupar; mais um desestímulo à assunção dos riscos inerentes à iniciativa privada.
Pensamos que o Brasil não precisa disso, muito pelo contrário: deveria simplificar e conferir segurança jurídica às "galinhas dos ovos de ouro"...

Criminalizar não pagamento de tributos gera insegurança

Osvaldo Beija (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Boa Tarde!
Parabéns ao articulista pela excelente entrevista e, por amor ao debate, seguem meus pitacos.
Quer me parecer, SMJ, que na prática referido Acórdão (nº 399.109/SC) não muda muito a atual Jurisprudência, pois para se ter o Crime Contra a Ordem Tributária, impõe-se, no caso (Imposto Declarado e não recolhido) que o Contribuinte de Direito tenha agido com dolo, conforme pode-se deduzir em sua parte final :
"O fato é típico e, em princípio, não há causa excludentes da ilicitude, impondo-se ressaltar que o dolo de se apropriar há de ser reconhecido com base no substrato probatório obtido após a instrução criminal."
Ou seja, a conduta tipificada na Lei há de ser DIRECIONADA pelo DOLO de o Contribuinte de Direito se apropriar do imposto quando deveria recolher ao Estado.
Nesse particular, podemos dizer que somente haverá DOLO caracterizado e passível de Crime quando, por exemplo, determinado Contribuinte tem dinheiro em Caixa/Banco suficiente a recolher ao Estado e não o faz a fim de ser dar outro destino ao montante assim cobrado do contribuinte de fato : devo, não nego e pagarei quando eu "quiser" (embora possuindo recursos financeiros para tanto!). Fato que somente pelo "substrato probatório" se poderá concluir pelo DOLO ou não.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/10/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.