Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luto no Judiciário

Morre o desembargador aposentado Celso Limongi, ex-presidente do TJ-SP

Morreu neste domingo (23/9), aos 77 anos, o advogado e ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Celso Limongi. O corpo será velado no Velório do Cemitério de Congonhas, sala C (rua Ministro Álvaro de Sousa Lima 101, Jardim Marajoara, São Paulo), das 7h às 13h desta segunda-feira (24/9), de onde seguirá para sepultamento no mesmo cemitério.

Limongi integrou a magistratura paulista durante 42 e atuou no Superior Tribunal de Justiça nos últimos dois anos e meio de sua carreira, entre 2009 e 2011, na função de desembargador convocado, para assumir gabinete de ministro e integrar a 6ª turma da corte. Foi ainda presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis)

Celso Limongi era reconhecido como jurista especializado em diversos ramos do Direito.
Reprodução

Em maio de 2011, fundou com suas sócias, Viviane Limongi e Cíntia Limongi, a Limongi Sociedade de Advogados, escritório de atuação diversificada, com vocação multidisciplinar, em todo o Brasil, incluindo tribunais superiores.

Em razão das funções ocupadas e por ser reconhecido no país como jurista especializado em diversos ramos do Direito, em especial no Direito Penal, Limongi passou a atuar, direta e pessoalmente, no delineamento das melhores estratégias em defesa de seus clientes.

Modernização
Quando ocupou a Presidência do tribunal paulista, no biênio de 2006-2007, um dos seus principais esforços foi a informatização. "Hoje, basta teclar no computador e o julgador já tem o nome dos advogados, das partes, do relator e outras informações. Isso evita vários equívocos que ocorriam antigamente quando se fazia manualmente na datilografia", observou na época. 

Em 2006, em entrevista à ConJur, Limongi mostrou que tinha plena consciência do maior desafio de sua gestão à frente do tribunal: tornar o julgamento de um recurso algo mais simples do que a construção de um edifício.

"Em três anos, nós não terminamos um processo, mas levantar um prédio nós conseguimos. O trabalho será árduo. O Judiciário do maior polo econômico do país é um dos mais atrasados. São Paulo tem 550 mil recursos pendentes de julgamento em segunda instância e o aparelho de fax ainda é o mais moderno meio de comunicação utilizado entre juízes", disse. A entrevista foi escolhida como uma das mais importantes dos 20 anos da ConJur.

História
No STJ, várias decisões do magistrado causaram polêmica e reflexões importantes. Um dos votos mais discutidos foi o proferido em HC relativos à operação castelos de areia. Ele considerou, juntamente com a maioria da 6ª Turma, que os grampos usados na operação forma irregulares, já que motivados por denúncia anônima.

Em outra ocasião, foi o desembargador que, ao analisar individualmente um HC, negou liminar ao ex-policial e advogado Mizael Bispo de Souza, denunciado pelo homicídio da advogada Mércia Nakashima, sua ex-namorada. 

O caso Eliza Samudio, no STJ, também foi distribuído a Limongi. Como relator, foi ele quem propôs que o processo contra o goleiro Bruno fosse mantido em Contagem (MG). Segundo o magistrado, cujo voto foi acompanhado de forma unânime pela 6ª Turma, não há certeza sobre o local do crime. Assim, prevaleceu a regra do CPP segundo a qual a competência para o julgamento é determinada por prevenção. 

*Texto atualizado às 8h30 do dia 24/9 para acréscimos de informações.

Revista Consultor Jurídico, 23 de setembro de 2018, 18h20

Comentários de leitores

4 comentários

Perda irreparável

JuizVillaron (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Grande amigo que perdemos, além de Magistrado cujo nome ficara para sempre na memória do Judiciário Nacional. Vai embora também uma pessoa humilde e muito sensível com os dramas dos servidores e juízes.

foi um exemplo na Terra, mas...

LAFP (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Mateus 7:1-23

O Julgamento ao Próximo
“Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês.

RIP

N. Abreu (Advogado Sócio de Escritório)

Tive a honra de conhecê-lo profissionalmente.
Condolências à família e amigos enlutados.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/10/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.