Consultor Jurídico

Orçamento do Judiciário

Marco Aurélio determina que banco repasse duodécimos ao TJ-RR

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, determinou que o Banco do Brasil disponibilize ao Tribunal de Justiça de Roraima a quantia relativa à cota duodecimal de agosto e à sétima parcela da cota de janeiro da dotação orçamentária do Judiciário estadual.

A determinação decorre do descumprimento, pelo estado de Roraima, de liminar deferida em agosto pelo ministro para que a governadora repassasse os recursos, no montante de R$ 22,9 milhões.

No mandado de segurança, o TJ-RR informou que a governadora, “sem apresentar justificativa”, não fez qualquer repasse em agosto. Segundo o tribunal local, não há crise financeira no estado e a arrecadação de tributos vem ocorrendo satisfatoriamente, não havendo motivo para a retenção dos recursos. A medida, sustenta a corte, causa prejuízo ao próprio funcionamento do TJ, pois afeta os pagamentos devidos a magistrados, servidores e fornecedores.

No dia 31 de agosto, o ministro deferiu liminar na qual assentou que a controvérsia está relacionada à manutenção da autonomia administrativa e financeira do Poder Judiciário. Segundo o ministro, o artigo 168 da Constituição da República determina que os recursos correspondentes às dotações orçamentárias destinados aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública devem ser entregues até o dia 20 de cada mês, em duodécimos.

No dia 4 de setembro, a determinação foi reiterada. Porém, segundo o TJ-RR, a liminar não foi cumprida. De acordo com a corte, o Executivo estadual teria utilizado os recursos para pagar fornecedores e pessoal e só poderia satisfazer a parcela após período eleitoral. Entre outros argumentos, o tribunal sustentou que o impacto financeiro da crise migratória vivida em Roraima, um dos motivos da dificuldade financeira alegada pelo governo, recai sobre a União, e não sobre o estado.

Ao reexaminar o caso, o ministro observou que se passaram mais de 15 dias da concessão da medida cautelar. “Mostra-se injustificável o descumprimento da ordem judicial”, afirmou. “A quadra é estranha, sinalizando, nos mais diversos setores da República, a perda de parâmetros, a inversão de valores. Há de buscar-se a correção de rumos, observado princípio basilar alusivo à independência e harmonia entre os Poderes — artigo 2º da Constituição Federal.”

Uma vez que não houve o cumprimento voluntário da ordem, o ministro determinou que o Banco do Brasil seja oficiado para que repasse ao TJ-RR a quantia devida, depositada em conta do estado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 35.947




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de setembro de 2018, 9h17

Comentários de leitores

1 comentário

Perda de parâmetros e inversão de valores

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

O mesmo tribunal e a maioria de seus ministros votou aumento de 16% nos próprios salários. Como se os recursos públicos fossem inesgotáveis, sabendo que não são, mas tem que tirar de qualquer outra categoria de cidadãos para manter o "padrão" de vida de certas categorias "notáveis".

Comentários encerrados em 29/09/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.