Consultor Jurídico

Notícias

Janela de oportunidade

Analistas veem crescer possibilidade de não haver segundo turno nas eleições

As chances de não haver segundo turno nas eleições para presidente deste ano vêm aumentando. Se o padrão das eleições passadas, em que a proporção de votos inválidos ficou maior do que o previsto nas pesquisas, a probabilidade de o candidato Jair Bolsonaro (PSL) ganhar o pleito no primeiro turno é bastante alta, já que ele apresenta mais de 30% das intenções de voto nas pesquisas mais recentes do Ibope e do Datafolha. 

De forma reservada, a conta feita por analistas políticos é que a alienação este ano ficará em torno de 30%, e não 13% como vêm mostrando os levantamentos. Nas eleições de 2014, os votos brancos, nulos e as abstenções representaram cerca de 27% do total, e não 9%, como mostravam as pesquisas.

Caso a expectativa se confirme, o número de votos válidos será cerca de 70% do eleitorado. Portanto, o candidato que chegar a 35% do total de votos nas pesquisas tem grandes chances de ser eleito ainda no primeiro turno.

Bolsonaro é o único candidato cujas intenções de voto vêm demonstrando tendências de crescimento parecidas. Mas a probabilidade de esse cenário se confirmar ainda depende de ele levar os votos de outros candidatos — e as pesquisas vêm mostrando que Fernando Haddad, do PT, também tem conseguido herdar votos de concorrentes.

Outro ponto importante é que essa subida, rumo aos 35%, seja tão rápida como a onda que o fez crescer quatro pontos depois do último final de semana. Caso contrário, mesmo com o crescente aumento da alienação no eleitorado brasileiro, a disputa ainda poderá ser levada para o 2º turno. 

Revista Consultor Jurídico, 3 de outubro de 2018, 21h20

Comentários de leitores

1 comentário

Pesquisa eleitoral

CGSanromã (Advogado Autônomo - Civil)

Não creio nas pesquisas.
Fala-se em inquirição de mil, dois, três mil eleitores mas não especificam de onde, nem a região (norte, sul, leste, oeste ou centro). Fala-se quanto à confiabilidade do responsável pelos pesquisadores. Quantos são os pesquisadores? Qual o grau de instrução? Até mesmo os questionadores da rua foram colocados em suspeita por não permitirem que o informante veja o que estão escrevendo. Não creio que os números sejam válidos e não me surpreenderei com resultado diverso. O que é fato é que muitos eleitores para aproveitarem seus votos, por causa das pesquisas votam em candidatos que não os de sua efetiva escolha. E ainda o TSE recebendo esses resultados validam pelo silêncio a sua publicação.
Votarei no MEU candidato por entendê-lo ser o melhor e mais adequado para representar o Brasil internamente e internacionalmente, e só o deixarei se, em segundo turno, ele não estiver presente.
Votarei visando o que seja melhor para o Brasil. Existem vários candidatos capazes e competentes. Escolhamos os melhores. Pelo Brasil.

Comentários encerrados em 11/10/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.