Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Súmula Vinculante

Marco Aurélio anula júri por réu ter sido algemado indevidamente no julgamento

Por 

Réus só podem ser algemados se houver risco concreto de fuga ou dano a si ou terceiros. Caso contrário, o uso da algema é ilegal e contraria a Súmula Vinculante 11 do Supremo Tribunal Federal. Com base nesse argumento, o ministro Marco Aurélio anulou júri que condenou um réu a dez anos e dez meses de prisão por homicídio.

Réu só pode ser algemado se houver risco concreto de fuga ou de dano em si ou terceiros, afirma Marco Aurélio
Nelson Jr./SCO/STF

Na decisão, o ministro afirma que o juiz, ao justificar o uso de algemas, não se baseou em circunstâncias concretas. "A menção ao número de réus e a suposição de evasão ou, até mesmo, de prejuízo à higidez física dos presentes na audiência são argumentos insuficientes a justificarem o uso do artefato", escreveu o ministro.

O homem acusado de integrar uma quadrilha e de homicídio qualificado foi julgado em dezembro de 2017. Antes de começar a sessão do Tribunal do Júri, a defesa pediu que fossem retiradas as algemas do réu e que ele pudesse usar as roupas que os familiares levaram. A defesa foi feita pela advogada Sandra Fonseca.

No entanto, o pedido foi negado pela Vara Criminal da Comarca de Cruzeiro (SP), que alegou ser justificado o uso das algemas para manter a segurança das pessoas participantes do julgamento e evitar fugas, que já teriam acontecido em outras ocasiões no fórum. A defesa ajuizou reclamação no Supremo alegando violação à Súmula Vinculante 11. A Procuradoria-Geral da República deu parecer contra o pedido, a favor da condenação, mas o ministro Marco Aurélio concordou com a defesa.

"O emprego das algemas pressupõe haja resistência ou fundado receio, devidamente motivados pelas circunstâncias concretas, a evidenciar risco de fuga ou perigo à integridade física do envolvido ou de outras pessoas, não verificados na espécie", decidiu o ministro, anulando a sessão, em relação ao réu, e determinando um novo julgamento.

Clique aqui para ler a decisão.
Rcl 31.410

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2018, 17h03

Comentários de leitores

6 comentários

Decisão Ruim

acsgomes (Outros)

Mais uma decisão estúpida do Min Marco Aurélio, notório defensor ingênuo de bandidos em detrimento da sociedade. Estúpida pelo seguinte:
1) Quem tem condições de avaliar a necessidade ou não de uso das algemas é o juiz presente no momento. É ele que vive a tensão e o perigo do momento. Não é um juiz de tribunal superior, no ar condicionado do seu gabinete, que consegue medir adequadamente a situação.
2) Caso, mesmo assim, o Min considerasse que o uso da algema foi indevido, cabia uma representação contra o juiz e não a anulação do julgamento. Anular o julgamento é pressupor que júri é composto de um bando de idiotas que se deixam influenciar pela visão do réu algemado. Além do mais, nos casos em que é claríssimo que o réu tem que ser algemado, também não existiria tal influência? Seus "direitos" não estariam sendo suprimidos também? Cadê a coerência?
3) Por último, faz o Estado gastar mais dinheiro com a execução de mais um julgamento.

Obs: Tomara que nesse novo julgamento o réu seja novamente condenado e a pena seja maior.

Bem lembrado, analucia!

Palpiteiro da web (Investigador)

Alguns ali nunca fizeram um júri na vida profissional e nem tampouco um concurso público, aliás, tem um que reprovou por duas vezes para a judicatura.

STF Só Te Ferrando em +16,38%

rcanella (Funcionário público)

Não é à toa que o Brasil é o destino preferido de todos os bandidos do mundo. É o paraíso da bandidagem armada, seja aquela com pistolas e fuzis, seja a de canetas e carimbos... O cidadão normal que cumpre seus deveres se sente um Otário ao ver a Justiça brasileira estendendo tapete vermelho pra todo tipo de ladrão, assassino, estuprador, político corrupto, etc...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.