Consultor Jurídico

Súmula Vinculante

Marco Aurélio anula júri por réu ter sido algemado indevidamente no julgamento

Por 

Réus só podem ser algemados se houver risco concreto de fuga ou dano a si ou terceiros. Caso contrário, o uso da algema é ilegal e contraria a Súmula Vinculante 11 do Supremo Tribunal Federal. Com base nesse argumento, o ministro Marco Aurélio anulou júri que condenou um réu a dez anos e dez meses de prisão por homicídio.

Réu só pode ser algemado se houver risco concreto de fuga ou de dano em si ou terceiros, afirma Marco Aurélio
Nelson Jr./SCO/STF

Na decisão, o ministro afirma que o juiz, ao justificar o uso de algemas, não se baseou em circunstâncias concretas. "A menção ao número de réus e a suposição de evasão ou, até mesmo, de prejuízo à higidez física dos presentes na audiência são argumentos insuficientes a justificarem o uso do artefato", escreveu o ministro.

O homem acusado de integrar uma quadrilha e de homicídio qualificado foi julgado em dezembro de 2017. Antes de começar a sessão do Tribunal do Júri, a defesa pediu que fossem retiradas as algemas do réu e que ele pudesse usar as roupas que os familiares levaram. A defesa foi feita pela advogada Sandra Fonseca.

No entanto, o pedido foi negado pela Vara Criminal da Comarca de Cruzeiro (SP), que alegou ser justificado o uso das algemas para manter a segurança das pessoas participantes do julgamento e evitar fugas, que já teriam acontecido em outras ocasiões no fórum. A defesa ajuizou reclamação no Supremo alegando violação à Súmula Vinculante 11. A Procuradoria-Geral da República deu parecer contra o pedido, a favor da condenação, mas o ministro Marco Aurélio concordou com a defesa.

"O emprego das algemas pressupõe haja resistência ou fundado receio, devidamente motivados pelas circunstâncias concretas, a evidenciar risco de fuga ou perigo à integridade física do envolvido ou de outras pessoas, não verificados na espécie", decidiu o ministro, anulando a sessão, em relação ao réu, e determinando um novo julgamento.

Clique aqui para ler a decisão.
Rcl 31.410




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2018, 17h03

Comentários de leitores

6 comentários

Decisão Ruim

acsgomes (Outros)

Mais uma decisão estúpida do Min Marco Aurélio, notório defensor ingênuo de bandidos em detrimento da sociedade. Estúpida pelo seguinte:
1) Quem tem condições de avaliar a necessidade ou não de uso das algemas é o juiz presente no momento. É ele que vive a tensão e o perigo do momento. Não é um juiz de tribunal superior, no ar condicionado do seu gabinete, que consegue medir adequadamente a situação.
2) Caso, mesmo assim, o Min considerasse que o uso da algema foi indevido, cabia uma representação contra o juiz e não a anulação do julgamento. Anular o julgamento é pressupor que júri é composto de um bando de idiotas que se deixam influenciar pela visão do réu algemado. Além do mais, nos casos em que é claríssimo que o réu tem que ser algemado, também não existiria tal influência? Seus "direitos" não estariam sendo suprimidos também? Cadê a coerência?
3) Por último, faz o Estado gastar mais dinheiro com a execução de mais um julgamento.

Obs: Tomara que nesse novo julgamento o réu seja novamente condenado e a pena seja maior.

Bem lembrado, analucia!

Palpiteiro da web (Investigador)

Alguns ali nunca fizeram um júri na vida profissional e nem tampouco um concurso público, aliás, tem um que reprovou por duas vezes para a judicatura.

STF Só Te Ferrando em +16,38%

rcanella (Funcionário público)

Não é à toa que o Brasil é o destino preferido de todos os bandidos do mundo. É o paraíso da bandidagem armada, seja aquela com pistolas e fuzis, seja a de canetas e carimbos... O cidadão normal que cumpre seus deveres se sente um Otário ao ver a Justiça brasileira estendendo tapete vermelho pra todo tipo de ladrão, assassino, estuprador, político corrupto, etc...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.