Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Responsabilidade em pauta

Recuperação judicial da Abril pode fazer com que jornalistas paguem indenizações

Por 

Como a editora Abril está em recuperação judicial, todas as dívidas contraídas por ela antes de o pedido ser autorizado pela Justiça ficam congeladas. Isso inclui as derrotas judiciais que envolvam pagamento de indenização. Esse quadro pode levar jornalistas a arcar pessoalmente com as indenizações e multas a que a empresa é condenada a pagar.

Congelamento de dívidas da editora Abril pode fazer com que jornalistas sejam obrigados a pagar indenizações
Reprodução

Em muitos casos, quando alguém se sente ofendido ou incomodado com uma reportagem, ajuíza a ação contra a publicação e a editora e contra o jornalista que assina o texto. No caso da Abril, como as dívidas estão congeladas, pode ser que a conta sobre para os repórteres que tenham assinado sua produção.

O advogado Alexandre Fidalgo, que representa a empresa em causas de imprensa, levou recentemente o problema à Justiça. A petição, assinada junto com a advogada Juliana Akel, trata do caso do jornalista André Rizek, hoje apresentador do canal SporTV, mas que foi condenado, junto com a Abril, por uma reportagem publicada em 2001 na revista Placar. Hoje, a dívida está em R$ 700 mil, e Rizek já foi intimado como executado no processo.

Na petição, os advogados explicam que a obrigação financeira das derrotas judiciais é da Abril, jamais dos profissionais pessoalmente. É a regra do mercado e é o que está definido em convenção coletiva com o sindicato — "norma jurídica que produz efeitos de lei", afirma Fidalgo.

O argumento não foi acolhido em primeira instância e a defesa interpôs agravo, que foi distribuído ao desembargador Fábio Quadros, da 4ª Câmara do TJ-SP. Na quarta-feira (14/11), ele concedeu efeito suspensivo ao agravo.

"Trata-se de um case e repercutirá para todos os grupos de mídia. Há inúmeros jornalistas que figuram no polo passivo das ações com os veículos de comunicação e que podem responder sozinhos pelo pagamento da dívida. Essa situação, se confirmada, traz implicações na garantia da atividade jornalística e na sua realização de forma plena. Não haverá mais matérias assinadas", comenta Fidalgo à ConJur.

Clique aqui para ler a petição entregue ao TJ-SP
Agravo de Instrumento 2246631-57.2018.8.26.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2018, 7h33

Comentários de leitores

1 comentário

Ações

O IDEÓLOGO (Outros)

Ações contra jornalistas e editoras em litisconsórcio passivo constituem meio de intimidação contra os profissionais da imprensa.
Hoje isso é comum.
Também nos processos de família, o filho, representado ou assistido pela mãe, processa o seu pai, mas inclui o avô, a avô e o tio, também como intimidação, para receber pensão.

Comentários encerrados em 24/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.