Consultor Jurídico

Crime imprescritível

TRF-1 foi omisso em declarar prescrito sequestro da ditadura, decide STJ

Por 

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça pediu explicações do Tribunal Regional Federal da 1ª Região sobre a prescrição do crime de sequestro de Divino Ferreira de Souza, conhecido como Nunes, por militares durante a ditadura.

O TRF-1 declarou o crime como prescrito e, por ter sido cometido pelo governo durante a ditadura, estaria alcançado pela Lei da Anistia. De acordo com o relator, ministro Jorge Mussi, como o crime de sequestro é imprescritível, o TRF-1 foi omisso em não julgar o caso, "restando malferido o artigo 619 do Código de Processo Penal".

A decisão se refere a ação penal contra o tenente-coronel reformado Lício Augusto Maciel, um dos comandantes das tropas que atuaram contra a Guerrilha do Araguaia, nos anos 1970.

Seguindo o voto do relator, ministro Jorge Mussi, a turma acatou pedido do Ministério Público Federal e mandou intimar o TRF-1. O MPF levou ao STJ decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos que determinou ao Brasil investigar os crimes cometidos pelo governo no combate à Guerrilha do Araguaia.

Em dezembro de 2014, o TRF-1 concedeu liminar em habeas corpus e determinou o trancamento da ação penal contra o coronel Lício com base da Lei de Anistia. Hoje com 88 anos, o coronel foi um dos comandantes das tropas que atuaram em operações militares contra a Guerrilha do Araguaia. 

RE 1.557.916




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 14 de novembro de 2018, 11h32

Comentários de leitores

2 comentários

A omissão do MPF

Eududu (Advogado Autônomo)

Já que seqüestro é imprescritível e a anistia simplesmente não valeu, o MP deveria denunciar os envolvidos nos seqüestros de diplomatas ocorridos durante a ditadura.

Foram 4 (quatro), o do embaixador americano (4 de setembro de 69), o do Cônsul japonês (11 de março/70), o do embaixador da Alemanha (11 de junho de 70) e o do embaixador suíço (7 de dezembro de 70). Além disso, consta que foram sequestrados, por "razões políticas" cerca de 10 (dez) aviões.

Por que só se investiga e só se quer punir apenas os agentes do Estado? Se a anistia não foi ampla, geral e irrestrita, como se dizia, que se investiguem todos os crimes. É questão de isonomia.

Fica revirando

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Agora que temos um Presidente, militar da reserva, não é bom ficar revisando fatos passados.

Comentários encerrados em 22/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.