Consultor Jurídico

Lançamento da candidatura

Sergei Cobra quer fim do ostracismo na OAB-SP; vice fala em auditoria das contas

Por 

Se eleito presidente da OAB de São Paulo, o advogado Sergei Cobra quer acabar com o que chama de "ostracismo" na seccional. Seu vice, João Biazzo Filho, fala em auditoria das contas. As propostas foram expostas durante o lançamento de sua chapa, no Club Homs, em São Paulo, na segunda-feira (12/11).

Lançamento da chapa "OAB pra Você" reuniu cerca de 700 pessoas, segundo organização da festa
Robson Foiadelli Françozo

"Ninguém aqui aguenta mais discurso, vamos para a prática. Eu não vou compactuar com esse ostracismo que a OAB tem hoje", afirmou o candidato ao cargo para o triênio 2019-2021. Esta é a segunda eleição de Sergei para o comando da OAB-SP.

No discurso, ele criticou seu oponente Marcos da Costa, atual presidente da seccional paulista. Na visão do candidato, a OAB não está acostumada a lidar "com os problemas reais da advocacia".

Já o candidato a vice-presidência, João Biazzo Filho, afirmou aos 700 presentes que há necessidade de auditoria das contas e que "a OAB voltará a defender os interesses da classe".

A OAB, segundo Biazzo, é uma "caixa preta". "A Ordem não tem que prestar contas para o governo ou para o Tribunal de Contas, mas sim para a advocacia. A OAB tem que ser livre para defender o Estado Democrático de Direito, os Direitos Humanos e a nossa Constituição", disse o advogado.

Na semana passada, o Tribunal de Contas da União decidiu que o Conselho Federal da OAB deve começar a prestar contas de suas atividades a partir de 2021.

A advogada Zulaiê Cobra Ribeiro, mãe de Sergei Cobra, também criticou a atual gestão. "Se a gente não ganhar essa eleição, eu não volto nunca mais. Eu conheço a OAB desde 1974 e não aguento mais!", declarou. 

Também discursaram rapidamente as candidatas ao Conselho Federal, Rosana Chiavassa, e à presidência e vice a Caasp, Maria Odete Duque Bertasi e Solange de Amorim Coelho, respectivamente.

* Texto alterado às 16h24, do dia 13/11/2018, para correção de informações.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 13 de novembro de 2018, 14h57

Comentários de leitores

4 comentários

Partido dos trabalhadores

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Pelo que me falaram, o Sergei é candidato, implícito, do Partido dos Trabalhadores - PT.
O objetivo do PT que perdeu as eleições para presidente da república, é conquistar o poder nos órgãos intermediários entre o povo e o Estado. OAB, sindicatos, associações, municípios, estatais e outras entidades.

essa é a melhor proposta do candidato?

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

Se essa é a melhor proposta do candidato cobra, chegou atrasado:

https://www.conjur.com.br/2018-nov-13/contas-vista-decisao-tcu-manda-oab-prestar-contas-corrige-erro-historico

TCU determina abrir caixa preta da OAB.

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista.
Se Karl Marx fosse nosso contemporâneo, a sua célebre frase seria:” Sem sombra de dúvida, a vontade da OAB, consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites. Ufa! Com alegria tomei conhecimento do ACÓRDÃO Nº 2573/2018 que o Egrégio TCU, determinou OAB, prestar contas junto ao Egrégio TCU. Tudo isso a exemplo dos demais Conselhos de Fiscalização da Profissão. Qual a razão do “jus isperniandi” (esperneio ) da OAB? Qual o medo da OAB prestar contas ao TCU? Como jurista, estou convencido que OAB a exemplo dos demais conselhos de fiscalização de profissões tem a obrigação sob o pálio da Constituição, prestar contas ao TCU, os quais também arrecadam anuidades e taxas de seus filiados. Tudo isso em sintonia ao parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal, “ in-verbis” “Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária". Estima que nos últimos vinte e dois nos só OAB, abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovação em massa, cerca de quase R$ 1,0 bilhão de reais, sem nenhuma transparência, sem nenhum retorno social e sem prestar contas ao TCU. Não existe no nosso ordenamento jurídico nenhuma lei aprovada pelo Congresso Nacional dispondo que OAB é entidade sui-generis? “Data-Vênia “ o Egrégio STF não tem poder de legislar. É notório que OAB gosta de meter o bedelho em tudo. Respeite o art. 37, 70 (...) da CF

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.