Consultor Jurídico

Colunas

Senso Incomum

Escola Sem Partido significa: "é possível dizer que a terra é plana"

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

59 comentários

Escola sem partido

O IDEÓLOGO (Outros)

Uma escola que ensinasse o respeito ao indivíduo, como a "História do Holocausto Judeu" e do "Holodomor", seria, sem dúvida reprimida pelos pensadores da "Escola sem partido", que não passa um delírio dos adeptos de Olavo de Carvalho.

Dr. Lenio Streck, discordo e concordo

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Depois de analisar muitos vídeos no youtube, Twitter e Facebook
Depois de debater o assunto com jovens nas referidas redes sociais
Depois de ouvir pessoas da minha geração e lembrar dos ensinamentos de meus saudosos mestres
Discordo do senhor no que concerne à necessidade de uma lei para coibir eventuais abusos "ditatoriais" de certos professores dentro da sala de aula. Uma lei sempre se faz necessária quando determinado comportamento socialmente desejável ou conveniente não é seguido espontaneamente. Os abusos são frequentes e bem documentados graças às câmeras de celulares dos alunos. Conquanto o que se convencionou chamar de "ideologia de esquerda" seja mais agressiva nesse aspecto, assim como também em números mais altos de ocorrências, o mesmo também acontece com professores "de direita" e presto aqui meu testemunho pessoal, sendo eu mesma vítima desse tipo de abuso numa "autodenominada" "sala de aula virtual", numa determinada rede social, ousando discordar do "mestre"em questão (tudo dentro da ideologia "de direita") fui "bloqueada". Ainda "bloqueada", enviei um outro comentário, que não seria lido pelos outros "alunos", mas seria lido pelo "mestre", e comparei a sua sala de aula "virtual" a uma sala de aula do início do século XX, quando os professores podiam usar a "palmatória". Hoje, "bloqueiam". Então, a mim parece que garantir os direitos do aluno à pluralidade, à diversidade de ideias é necessário e presta bons serviços tanto aos alunos quanto aos mestres. CONCORDO com o senhor em relação ao mencionado art.7º, totalmente descabido e incoerente com a índole do projeto.
Sou intransigente no que se refere ao que se convencionou chamar "ideologia de gênero" para menores de doze anos. Esse assunto não é para crianças.

Monty Phyton

André Pinheiro (Advogado Autônomo - Tributária)

Em tempo, acredito que Monty Phyton não é uma realidade paralela é a própria realidade. Gastar energia para explicar que ESP é uma fraude conspiratória, um mero exercício patético de formação de inimigos fantasmas. Nada que não tenhamos visto em todas as ideologias não só as ocidentais. Mas colocar a culpa nas criações monoparentais e nos pobres, dependentes de transporte públicos, inaudíveis, invisíveis, empoeirados professores de história ou sei lá de que para justificar uma doutrinação perniciosa que foi capaz de eleger o PT. Cara, isso não pode ser normal, é cansativo e enfadonho.
Na última explicação olaviana, Deus do céu, o mais patético e energúmeno dos charlatães, eu ouvi que os professores de história faziam parte de um plano de governo criado para tomar de assalto este país.
E assim como quem conta a história de traz para frente, estes professores de história, sim, os mesmos que passavam fome, maltrapilhos nas décadas de 80 e 90 já conspiravam para este projeto de poder que deu na eleição do Lula no começo dos anos 2000.
Não que eu seja à favor de uma escola com partido, isso seria de uma ignomía bestial, uma escola alemã nazista ou uma escola da autocrática Coreia do Norte ou mesmo Cuba e demais regimes autocráticos.
A questão é que a Lei do Pateta Sem Partido é qualquer coisa, menos uma lei para escola sem partido, é uma lei inquisdora para uma época inquisitiva.
Talvez o ensinamento mais palerma para um estudante de direito é saber que toda vez que almejamos algo devemos além de avaliar os pontos positivos mas qual os pontos negativos desta conclusão.
Ora, se escola sem partido é para disciplinar os professores "esquerdistas" por outro lado, não há dúvidas fulminará todo o ensino pós iluminista que desenvolvemos a muito custo.

Dr. Paulo H. (Advogado Assalariado - Administrativa)

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Há mais coisa entre o céu e a terra, ou quem nasceu primeiro : o ovo ou a galinha ? Os professores da rede pública, em qualquer esfera de governo, em qualquer série do Fundamental ao Médio, sempre foram maltratados por todos os governos a ponto de seus salários, antes indignos, chegarem a ser PARCELADOS como ocorreu recentemente em Minas Gerais. Curiosamente, tal parcelamento foi determinado pelo Min. Toffoli. A questão que se coloca é : a quem interessa manter os professores do ensino fundamental e médio em situação análoga à de escravo durante tantos anos ? A resposta é óbvia. Professores têm cultura, têm informação. Lembro-me de um adesivo colocado em certos carros há anos atrás com os dizeres "HEI DE VENCER, MESMO SENDO PROFESSOR". Em tais condições de miserabilidade consciente, inconscientemente, os professores tendem a apresentar o conteúdo didático numa ótica marxista e, dependendo do dia, do grau de tensão, podem mesmo desenvolver uma agressividade gramsciana. Elevar os salários, propiciar condições de existência na classe média, a mim parece a solução. Salvo melhor juízo.

Ao Ramiro. (Advogado (se diz) Autônomo) e outros pedantes:

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Não fala com pobre, não dá mão a preto, não carrega embrulho
Prá que tanta pose "doutor"?
Prá que esse orgulho?
A bruxa que é cega, esbarra na gente, a vida estanca
O infarto te pega doutor, acaba essa banca

A vaidade é assim, põe o TONTO no alto, retira a escada
Fica por perto esperando sentada
Mais cedo ou mais tarde ele acaba no chão
Mais alto o coqueiro, maior é o tombo do tonto
Afinal, todo mundo é igual, quando o tombo termina
Com terra por cima e na horizontal

Não fala com pobre, não dá mão a preto, não carrega embrulho
Prá que tanta pose "doutor"?
Prá que esse orgulho?
A bruxa que é cega, esbarra na gente, a vida estanca
Trombose te pega "doutor", acaba essa banca

A vaidade é assim, põe o tonto no alto retira a escada
Fica por perto esperando sentada
Cedo ou tarde ele acaba no chão
Mais alto o coqueiro maior é o tombo do coco afinal
Todo mundo é igual quando o tombo termina
Com terra por cima e na horizontal

Só esqueceu do problema

Paulo H. (Advogado Assalariado - Administrativa)

O artigo, com todas as vênias, cai em dois lugares comuns neste assunto. Um deles é a negação, o abandono ou quase abandono do problema, e o centrar da crítica na solução do problema. Sim, o paradoxo é evidente, mas justiça seja feita, não decorre ele de nenhuma incúria dos autores dessas narrativas. O raciocínio, aliás, é singelo e eficiente: a negação do problema é tão difícil quanto encontrar uma solução para ele, daí o oportunismo e até o comodismo intelectual dos artigos que centram as críticas nas soluções, nos projetos de lei, pois a tarefa do legislador nesta seara é muito complexa e "imperfeições para criticar" não é um material escasso.
O segundo lugar comum - este, me perdoem, mais pedestre - está na adjetivação (que no caso chega ao extremo da rotulação e da ridicularização) daqueles que defendem um ponto de vista contrário.
Duas palavras então sobre o problema, aquele que deveria ser o objeto deste tipo de discussão.
E o problema é que sim, a escola virou campo fértil e vastamente explorado para a doutrinação político-ideológico-partidária e - o pior - sob a hegemonia de um determinado espectro dessa ideologia. O problema é de fácil constatação em todos os níveis, da formação de base à universitária, do discurso em sala de aula ao material didático, deste à pós-gradução e à pesquisa. Como diria o Boris Casoy, "tá tudo dominado!". E neste contexto não há dúvida quanto à necessidade do Movimento Escola Sem Partido.

A prova de que a coluna acerta

Holonomia (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

é o comentário de Pontes de Reale (Professor Universitário).
São pessoas desse nível de conhecimento que ensinam os universitários brasileiros, gente que não entende que diálogo significa através do logos, por meio da razão, que exige coerência. Existem razões de vários níveis, e para passar a um nível superior é preciso dominar o inferior.
Meus comentários sustentam uma filosofia de primeiro nível, que exige coerência absoluta no discurso, em contraposição com a realidade existencial (e histórica), incluídas as descobertas mais recentes do conhecimento científico, de todas as áreas do saber.
Os problemas da Filosofia estão nos erros dos grandes filósofos, como Agostinho, Descartes, e atualmente Heidegger, Gadamer e Dworkin, erros que se transmitem pela tradição, os quais tenho apontado, e é nesse nível máximo que sustento meus comentários, que são dirigidos aos mestres dos mestres, no que incluo o Dr. Lenio, que hoje é um dos grandes filósofos do Direito.
Assim, quero convencer o Dr. Lenio de que há uma falha sistêmica na Filosofia por ele seguida, como quero convencer Francisco que essa mesma falha abrange sua Filosofia. Meu trabalho é dirigido ao primeiro time de filósofos da humanidade de todos os tempos.
Se Pontes de Reale não entende meus comentários, ele não deve se preocupar, sua condição intelectual é a da maioria absoluta da população, mas a vantagem do estudo é que ele nunca termina, e sempre podemos nos aprimorar.
www.holonomia.com

Colunista

Advogado, eterno estudante (Advogado Autônomo - Civil)

Prezado Colunista,
Enquanto estudante (eterno estudante) de direito tive a satisfação de conhecer o seu trabalho, ou seja, textos e obras de sua autoria me auxiliaram no desenvolvimento estudantil e profissional, inclusive criando e aperfeiçoando o senso crítico. Ainda, seus textos são regados de conhecimento científico do direito ou não, inclusive com indicação de livros/obras de outros autores/doutrinadores.
Por outro lado, estou perdendo o interesse/gosto de acessar a Coluna SENSO INCOMUM do Site Conjur, visto que SEUS TEXTOS NÃO SÃO COMO ANTES, isto é, o Colunista possui ampla carga de conhecimento e está deixando de lado nos textos atuais.
É importante esclarecer que, o comentário não é de cunho político, tampouco interessa (no presente momento) se quem provocou desvios de dinheiro público foi preso em total desrespeito ao ordenamento jurídico, o mesmo é aplicado se A ou B será melhor na Administração do País. DETALHE: corrupção também mata, seja pela falta de segurança, médico, medicamento, falta de educação para elevar o conhecimento, cultura e padrão de vida de alguém, etc.
O conhecimento jurídico garantiu a você uma Coluna no Site Conjur. Agora, até que ponto os seus textos mantém a linha do passado? O SENSO INCOMUM permanece nos textos atuais?
Adoro textos de qualidade, suas obras aguçaram o meu senso crítico, apenas não gostaria de abandonar completamente a Coluna.
Caso o Colunista responda ao comentário, imagine que esteja conversando com alguém que respeita tuas obras.

Pontes de Reale (Professor Universitário)

Eududu (Advogado Autônomo)

Dificilmente concordo com seus comentários, mas confesso que me divirto com eles. Não se vá.

Pense. Se Lênio não desistiu ainda (de afundar a coluna que já foi boa) é porque ele é incentivado por pessoas tão cegas pela adoração ao professor que seguem até roteiro para comentar. Primeiro elogiam a coluna, mesmo que seja uma porcaria; Segundo, elogiam Lênio, como se fosse a maior mente pensante do planeta, e; Terceiro, ofendem quem ousa discordar do seu “amado mestre”.

Com um público assim, que apenas concorda e replica o que Lênio pensa, não há como progredir.

Eu já admirei muito a coluna e a obra do professor, mas os puxa-sacos estão conseguindo manter Lênio numa bolha epistêmica que está acabando com a credibilidade do professor. Lênio perdeu a razão para atender seus admiradores, que agem como um verdadeiro fã-clube. Paixão, 100! Razão, 0!

São tão aduladores que abdicam de pensar para assinar em baixo de tudo o que Lênio diz. E transformaram o professor e sua coluna na lástima que vemos hoje.

Lênio não percebeu que boa parte de seus admiradores e “alunos” são trolls. Não conseguem explanar sobre os temas e assuntos da coluna, falam apenas sobre... Lênio! E, claro, ofendem os outros!

Já aguardo a postagem de outro comentário padrão, do tipo: Magnânimo Professor, excelente o texto como sempre! Só mesmo um jurista como o senhor para nos presentear com tamanha obra prima. Não desista o Brasil precisa do senhor. De preferência, no STF. Pena que há uma multidão de néscios que não merece ter um Ministro como o senhor. É, a internet deu voz aos imbecis. Pelo menos o senhor existe, professor. Até a próxima (e brilhante) coluna. E até lá, se espirrar, saúde!

Enquanto essa bajulação não acabar, Lênio não irá desistir, não irá se mancar...

Advogados de Santa Catarina

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

O canal Mourão Intervencionista, do youtube, recebeu uma notificação do MP Eleitoral de Santa Catarina por suposta disseminação de "fake news" e provocar suspeitas quanto às urnas eletrônicas por divulgar vídeos de pessoas que foram votar no primeiro turno e apontaram diversas irregularidades nas urnas. Os administradores do canal postaram vídeo relatando a situação em detalhes, inclusive o número do processo e os vídeos que o MP quer que sejam removidos, sob pena de multa diária de R$ 10.000,00. Eles pedem a ajuda de Advogados patriotas.

metralhadora

Lógica Cartesiana (Outros)

A metralhadora giratória movida a pólvora ressecada pela ressaca da derrota eleitoral do partido do missivista está mesmo fadada ao enterro. Adotando uma prolixidade incoerente que denota uma eugenia jus-antropológica o texto transparece a frustração de quem mais uma vez não vai pro Supremo - pois a defendida esquerda perdeu. Atirou em vários conceitos de forma cansativa e extensa, pretendendo exalar uma pseudo-autoridade intelectual, e até desdenhou "janjões" (que só os esotéricos da maçonaria conhecem) a fim de calar os que pensam diversamente. Puro preconceito, pois só os "iniciados" merecem crédito nesta selva ideológica (na qual o professor julga ter a autoridade de um Zeus)... Ademais, é salutar lembrar que embora a Teoria da Relatividade caiba numa fração de um catálogo telefônico, seu significado físico-matemático transformou o mundo; mas os "catálogos" de prolixidade jus-antropológicas sequer são apreciados por mentes brilhantes. Resumindo: o pensamento lógico repele a prolixidade. Ao contrário do que o missivista pensa, é necessário restabelecer o sentido da educação oficial no Brasil, pois não pode a escola governamental ser caldo de cultura de puxa-sacos do governo, sejam estes de direita ou esquerda. É triste ver um escritor tão engajado (no pós-derrota eleitoral) continuar a endossar enviesadamente a doutrinação acadêmica que, dentre outros erros, afundaram o país nos últimos 15 anos. Nem é preciso justificar os vínculos entre a esquerda empoderada e o retrocesso ético-econômico-cultural havido. Os conscientes dispensam a prova desta alegação e os inconscientes (devido à deficiência cognitiva-neural) deviam correr atrás. Enfim é do jogo tencionar ser indicado para o Supremo e ver este sonho desabar pela segunda vez. Compreensível...

Quantas bestas soltas!

Oiracis10 (Professor Universitário)

O Conjur deveria ter um filtro para impedir imbecilidades. Gente como Eu dudu ou Holonomia deveriam pagar imposto por bullshits que escrevem. Parabens ao Ramiro e ao Marcolino. Perfeitas as análises. O odio e o reacionarismo de parte dos comentaristas transcende qualquer possibilidade de diálogo. As Erineas da Oresteia se mudaram para o espaço dos comentários da Coluna do Professor Lenio Streck. O impressionante é que ele não desiste. A tarefa do professor parece ser matar dois leões por dia. Mas, o pior e mais dificil para ele e para comentaristas lucidos como Ramiro, Armando, Marcolino, é desviar das antas. Elas vem em bandos. Pronto. Agora se irritem e voltem. Insultem os comentaristas que se insurgem contra os reacionários. A contagem começou: 1, 2, 3. Aliás, a tal comentarista Rejane (tem cada um comentando) afirmou dia desses que nunca mais comentaria matéria do professor. Ao que se vê, ela não se segurou e voltou a carga. Não aguentou ficar sem o gozo de odiar. Deve estar sem ter o que fazer. Vou fazer como a Rejane: fui.

Grande Lênio!

Armando do Prado (Professor)

E pensar que perdemos várias oportunidade de tê-lo no STF. Ao contrário, preferiram as carminhas, os toffolis,os fuxs, et caterva.

Linguagem 1 de 2

ABSipos (Advogado Autônomo)

Caro Professor, respeito o conhecimento que demonstra e sua contribuição ao Direito. Entretanto, no que pertine a sua coluna, tenho notado que a parte técnica (tão rica!) vem sendo preterida em face de uma inclinação contra certo modo de pensar e agir, em favor de outro. O problema surgiu (e que causou meu afastamento e menor interesse por esta coluna) quando tal inclinação foi se tornando cada vez mais sólida e se desnudou em algo que me lembra um pouco as decisões judiciais que tanto prejudicam a nós atuantes da área do Direito; aquelas decisões onde o juiz já decidiu antes de analisar o caso concreto.

Vejo isso com certa clareza hoje em suas colunas, Caro Professor, um viés ideológico que vai além da realidade que se apresenta, o que, acredito, apenas se voltará contra a credibilidade que o D. Professor angariou ao longo das décadas de atuação em prol do Direito. A coluna é uma salada difícil de ser esmiuçada, o que impede a desconstrução dos vários argumentos no curto espaço de palavras disponibilizado. Assim, resumirei: - um ponto que me chamou a atenção é a alegação que: “E que não existem descrições que não sejam, em si, prescrições. Até a frase “fulano é gordo” pode ser uma perfeita descrição — e absolutamente verdadeira —, só que nela está contido um telos”

Pois bem, a comunicação é uma arte de difícil maestria. Entendo que seja sim possível se comunicar sem a existência de conceitos demasiadamente pessoais, vieses, julgamentos e tendências pessoais. O exemplo “fulano é gordo”, a meu ver, é uma frase que não cumpre com a função verdadeira da comunicação, que é aproximar as pessoas, encurtar distâncias e remover obstáculos entre o que está na mente das partes envolvidas.

Rosa de Hiroxima na Década de 30

Vinícius Oliveira (Assessor Técnico)

Também a estultice de dizer que "Rosa de Hiroxima" foi escrita na década de 30 merece ser albergada pelo direito do Professor de professar a besteira que quiser: terra plana, desconsideração do fundamento ontológico da distinção de gênero, mais valia, ou que Jorge Amado escreveu aqueles livros pelos pretos e pobres e não para agradar o Partido Comunista (obedecendo ordens, muitos dizem).

Rosa de Hiroxima na Década de 1.930

Vinícius Oliveira (Assessor Técnico)

Eu concordo com tudo o que Sr. disse sobre essa aberração do Escola Sem Partido.

Concordo inclusive que um Super-Doutor em Direito, ao falar de Direito e Literatura, tem o direito de dizer a asneira de que "Rosa de Hiroxima" foi escrito na década de 1.930.

Crusoé

Observador.. (Economista)

Tem uma ótima matéria, para quem gosta de reflexão e não de ler temas que solidifiquem suas "certezas".
Refletir sobre o que ocorreu no Brasil.

https://crusoe.com.br/edicoes/28/ensine-o-seu-filho-a-mentir-na-escola/

Questão de escolha? - Vote sim eu Voto não!

Zeno (Bancário)

Ainda bem que com duas "Puxadas" a Drª. Rejane soube retirar o pretendido tapete da fama de canhestra opinião. Por certo algo na nova Lei mereça julgamento e avaliações, porém o proponente em sua tese e seus exemplos não cita um único professor, esteja em exercício ou no passado em sala de aula. E nem mesmo este demonstra sê-lo, ou dos seus, igualmente aparenta não ter quase nada aproveitado. Então, deixe de deitar cátedra que não possui, por favor. Salas de aula são um templo sem sensores onde antes havia apenas um ser que se dispunha a ensinar. Agora vemos a imposição doutrinária, ignorante, tendenciosa e de rumo discutível. Ou melhor, sem rumo e em rota de colisão com a boa educação formal. E isso nada significa estar ao lado ou ser partidário da velha UDN ou da TFP criada pelo adv. Paulistano Plínio Corrêa de Oliveira. Cabem então as perguntas: - Há outro(s) Dr. Plínio entre nós? Suas bandeiras estariam ou não esquecidas? Querem o leão dourado ressuscitado? O desejo parece apenas um só: - Tirar a doutrina esquerdopata das escolas e voltar ao verdadeiro ensino clássico. Assim cresceram os tigres asiáticos, outras escolas e nações. Seja nos países nórdicos, nas Américas, na França ou Ásia, e até mesmo na África. E não fale mais em escravidão. Para não subverter outras liberdades em sua própria escuridão. O Largo de São Francisco pode deixar melhor contribuição. O livre pensar não trará de volta qualquer censura, apenas a liberdade crítica e autocrítica devem ser o maior exercício, e que seja igualmente plebiscitária para ver de que lado anda a razão.

Eududu (Advogado Autônomo)

Observador.. (Economista)

Não ligue.
Esse tal Ramiro é fascinante.
Adora bancar o intelectual achando que ofendendo os outros encontrará escada para mostrar toda sua pretensa bagagem cultural.

Fascinante.
Os "democratas" brasileiros são os que mais ofendem e agridem, em nome do "bem comum".
Pode notar até nos escritos.
Sempre apelam e agridem. Como fazem nas faculdades doutrinadas que frequentam(frequentaram).
Acham que ganharão alguma coisa no grito, nem que seja o grito da ofensa nos escritos daqui.
São os valentes de teclado.
Os resistentes de coisa alguma.
Não impressionam ninguém.
Não enganam ninguém.

E continuamos sem Nobel.

Um pesadelo tornado realidade!

SMJ (Procurador Federal)

Eleição de Trump, eleição do Trump tropical, irmãos evangélicos enganados por um discurso de anticristo, fuzilamento de petistas, o soldado e o cabo fechando o STF, escola sem partido, possibilidade de guerra do Brasil contra a Venezuela em prol dos interesses dos EUA, base americana em Alcântara, América do Sul transformada num novo Oriente Médio, "reforma"/destruição da previdência às pressas...
Que fizemos de tão ruim para merecer esse castigo?

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

Comentar

Comentários encerrados em 16/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.