Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Os juízes, "privilegiados", apenas desejam ter seus direitos e garantias restaurados

Por 

Não é verdade que os juízes são “privilegiados” e que recebem ganhos exorbitantes, sendo o debate sobre legalidade e moralidade de benefícios infrutífero quando não se quer ver e ouvir.

Assevero que os benefícios concedidos aos juízes são previstos em lei e, por enquanto, ainda motiva advogados a se submeterem a concursos rigorosíssimos.

Os candidatos cursaram nove anos de ensino fundamental, três de ensino médio, cinco de faculdade e ao menos três de curso preparatório, totalizando 20 anos em salas de aula, por cinco horas, e outras tantas em casa, inclusive aos sábados, domingos e feriados, varando madrugadas, esquecendo família, amigos, festas, namoros e viagens.

E mais. Os juízes, “privilegiados”, são os aprovados em concurso público, que adota como critério, única e exclusivamente, a meritocracia, quando são apurados seus conhecimentos jurídicos e gerais, deles exigindo conduta impecável.

Milhares se inscrevem, e menos de 1% são aprovados para as poucas dezenas de vagas. Daí o déficit de juízes.

Se inicia, então, para o juiz, “privilegiado”, nova etapa de agruras. Exercerá o cargo residindo em lugares longínquos e em acomodações precárias, solitariamente, para, após dez anos, se tornar titular em vara de entrância especial, que não será na sua cidade natal. Também não terá sábados, domingos e feriados.

Após 20 anos, alguns são promovidos a desembargador, com carga de trabalho e de responsabilidade não menos extenuantes.

Convém lembrar da malfadada Emenda Constitucional 41, que criou o teto dos subsídios e extinguiu o adicional por tempo de serviço, que se incorporava ao salário, mantido na aposentadoria, sem compensar, minimamente, a perda, sequer com o FGTS.

Atente-se, ainda, ao fato de que o juiz, “privilegiado”, não pode exercer qualquer outra atividade remunerada, exceto no magistério (?!), onde é impossível repor as perdas e menos ainda obter ganhos extravagantes.

Já o aposentado permanece recolhendo o mesmo percentual da previdência que recolhia na ativa, além de ter seus ganhos reduzidos e por três anos não poder advogar, para suprir os prejuízos.

Nos juízos estaduais e federais, 100% dos magistrados são concursados, e nos tribunais estaduais, federais e superiores, somente 10% dos desembargadores e respectivos ministros não são concursados, pois ocupam vagas destinadas aos advogados.

Fui alçado a uma dessas vagas, há 12 anos, e meus subsídios foram majorados uma única vez. Já o desconto da previdência, no estado do Rio de Janeiro, aumentou, inconstitucionalmente, de 11% para 14%.

Como é difícil e sacrificante a vida na magistratura, pois no Judiciário são, aproximadamente, 17 mil magistrados decidindo conflitos entre mais de 200 milhões de pessoas naturais, além das pessoas jurídicas.

Os juízes, “privilegiados”, apenas desejam ter seus direitos e garantias restaurados e preservados, na ativa e na aposentadoria.

Portanto, se apressem e se inscrevam no próximo concurso para juiz os que desejam ser “privilegiados”.

Já os “obtusos” detratores reflitam, isentamente, e parem de apedrejar a magistratura e outras carreiras jurídicas do serviço público, que de privilegiadas nada têm, antes de serem todas extintas por falta de candidatos, pois não haverá atrativos que os animem a enfrentar a dura e espinhosa trajetória a que se submetem.

E aí, que Deus, o destino e a sorte protejam a sociedade e preservem a democracia, o devido processo legal e o direito ao contraditório.

Benedicto Abicair é desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 15 de março de 2018, 10h40

Comentários de leitores

11 comentários

A prova do maledicto obtuso pobrezinho

Macaco & Papagaio (Outros)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Art. 39.
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

Art. 39.
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Art. 39.
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

COLOU OU QUER MAIS, SANTUOSO DEUS DOS PRIVILÉGIOS?

Reprovado

JUNIOR - CONSULTOR NEGÓCIOS (Professor)

O articulista, longe de ser isento no tema, merece ser reprovado pelos argumentos jurídicos, além tratar o assunto como um sindicalista; se defendidos daquela forma numa prova de concurso nem de office boy do tjrj seria aprovado. Muito cara de pau é pouco...

Comprometimento

Observador.. (Economista)

Nos tempos de Força Aérea era normal prontidoes , voos noturnos em finais de semana e datas festivas, pousos em pistas improvisadas nos mais distantes rincões do nosso país, ter contatos com dificuldades e levar assistência à pessoas que tão distante vivem de certas realidades, e muito mais responsabilidades derivadas da profissão escolhida.
O amor pelo voo, o desejo de servir à Pátria e a honra de bem cumprir as missões era o norte de todos com quem convivi.
Os concursos para as Academias também são muito difíceis. Basta alguém procurar as provas na web.
Muitos colegas fazem o ITA depois, no intuito de aprofundar seus conhecimentos em mecânica aeronáutica, projetos e concepções.
Nunca, sinceramente, vi alguém achando que o país nos devia algo.
Pelo contrário.
Servir com honra e dignidade já emoldura a carreira de Estado.
Acredito que todos os agentes públicos devem pensar assim, em um país com tantas mazelas.
Salários dignos sempre.
Sobrecarregar o cidadão-contribuinte e abdicar do senso das proporções jamais.
Assim construiremos um país melhor para outras gerações.
Precisamos repensar o Brasil.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/03/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.