Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mudança cultural

Ministros do STF precisam reduzir votos para julgar mais processos, diz Velloso

Por 

Os ministros do Supremo Tribunal Federal precisam sintetizar os seus votos durante as sessões de julgamento para apreciar mais processos e desafogar a pauta da corte, na opinião do ministro aposentado Carlos Velloso. Em evento nesta quinta-feira (8/3), ele defendeu também que os membros do STF devem “ignorar” a televisão, pois o que interessa ao jurisdicionado é a solução do caso discutido em juízo.

Ministro aposentado, Carlos Velloso criticou grande quantidade de litígios judiciais.
Reprodução

Velloso participou de cerimônia em Brasília que comemora os 25 anos da Advocacia-Geral da União. O ministro criticou a cultura da litigiosidade e defendeu meios alternativos de resolução de conflitos para desafogar o Judiciário.

Para ele, o Brasil deve passar por uma mudança cultural e adotar cada vez mais a mediação e a conciliação.

“O brasileiro é judicialista, quer esgotar todas as instâncias. Isso é bom porque se confia na Justiça, mas ruim porque os processos nunca terminam”, disse. Ele chamou de “mazela” a lentidão processual que engarrafa tribunais do país inteiro.

O ministro apontou como exemplo dessa mudança de postura diante dos litígios o acordo homologado recentemente pelo STF assinado entre poupadores, bancos e governo para encerrar os processos relacionados aos planos econômicos dos anos 1980 e 1990. A AGU participou como mediadora das negociações. “O advogado público deve ser um mediador”, defendeu.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 8 de março de 2018, 21h21

Comentários de leitores

4 comentários

Sem tenda dos milagres

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Parece-me que os ministros precisam apenas julgar, com isenção e independência. Fórmulas mágicas só funcionam no mundo da imaginação.

Chega a ser cinematográfico...

Marco 65 (Industrial)

Como bem ventilado no texto acima, o mundo moderno e o povo em geral (que paga os salários de suas excelências do STF), urgem para modelos atuais de julgamento.
O que se vê hoje são Ministros fazendo verdadeiras exposições televisivas, procurando ser super inteligentes e doutos na matéria, e com isso tomando um tempo enorme para ao final, dizer como vota...
Tempo que, até para os demais Ministros da Corte torna-se massante de ouvir... ninguém presta atenção no voto de seu colega!!!!
Estamos no século XXI e nossos tribunais insistem em manter o tom suntuoso do imperialismo. Falam tanto em direito alemão, direito americano e insistem nesse modelo falido.
Na amerca do norte e na europa, audiências são realizadas cronológicamente e com total liberdade para se falar suscintamente... após as exposições, que são bem objetivas, o Juiz decide e quem não concordar, apela...
Aqui no Brasil, cronologia não existe... processos que ficam meses e até anos parados propositalmente, quando entram em pauta via de regra são alvo dos famosos "pedidos de vista".
Ora, o mínimo que um julgador tem que ter de bom senso, exige do mesmo, consultar as futuras pautas de julgamentos e se preparar para o debate e não, simplesmente, no dia do julgamento, pedir vistas e esquecer de devolver... a sociedade não consegue mais conviver com isso!

Iludido advogado autõnomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Em verdade, parece mesmo que só DEUS sabe de tudo e pode ajudar. Mas, entendo que também os dias de feriados e emendados de dias úteis dão prejuízo à jurisdição. Os excessos de férias também dão. A falta MEEEESMO do controle de ponto e produção não é nada de mais, ainda mais se observarmos o que diz JEREMIAS, 6. (profético) Fazem-se mutirões e depois tiram descansos de tantos dias. Quer dizer: chove no molhado. A fiscalização meeeesmo do trabalhador informa a produção. Existem processos que poderiam já ser eliminados por elementos processuais inconfundíveis no primeiro contato com o juiz e arrastam milhões de anos nas serventias e se mercantilizam. Se reclamar, aí piora ainda mais, então............ Um tipo de assistência corregente permanente, vai ajudar muito o processo correr para fora da serventia ao arquivo. Saída da serventia não é muito bom. Quem está fora vê muito mais. Não podemos exigir de DEUS que bata ponto e trabalhe MEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEESMO.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/03/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.