Consultor Jurídico

Notícias

Braços cruzados

Paralisação de juízes federais é inconstitucional, declara OAB-DF

Comentários de leitores

6 comentários

Desde que os servidores trabalhem

Ed Gonçalves (Bacharel)

Calma, nem tudo está perdido. Os servidores continuarão sentenciando, proferindo decisões interlocutórias e despachos de mero expediente.

Podridão

Helio Rangel Machado (Advogado Autônomo - Criminal)

A constituição não poderá salvar os brasileiros do Câncer Político que se instalou nos Três Poderes da República.
Nenhuma “solução” política ou jurídica, mesmo que partida com o aval do Supremo Tribunal Federal, poderá salvar o Brasil do abismo político, social e econômico para onde caminha e cada dia se agrava mais.
Vivemos uma metáfora enquanto a Justiça julga e condena corruptos envolvidos na Operação Lava Jato, e outras similares, quase sempre adicionando na condenação agravantes de “formação de quadrilha” e “organização criminosa”,
Essa mesma Justiça está virando as costas para esses mesmos “agravantes” que ocorrem dentro de si mesma, na própria atividade jurisdicional. E ocorrem mais intensamente nos Tribunais Superiores, quando atribuem esses fatos agravantes somente aos réus que está julgando, paradoxalmente condenando-os como integrantes de “organizações criminosas” e “formação de quadrilha”, no exato momento em que ela própria está fazendo o mesmo, agindo em conluio, e criminosamente, com os outros Poderes. Esses “puxões-de-orelha” que de quando em vez um Poder dá no outro não passam de uma armadilha para enganar a sociedade, uma vez que eles funcionam em perfeita sintonia e harmonia criminosa, cada qual “trocando” proteção com o outro, com isso todos se protegendo mutuamente.

Rui Barbosa profetizou
"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."

Dúvida

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

Os "juizécos", como já dizia "nosso" idôneo Renan, adoram apontar o dedo na cara do VERDADEIRO trabalhador para dizer que a sua grave é inconstitucional... e agora, como ficam com essa greve inconstitucional? Ou melhor, quem vai apontar o dedo em suas caras para lhes dizer que a greve é inconstitucional? Infelizmente, ninguém... mesmo havendo um órgão correcional... que não serve para nada, diga-se de passagem! Ou melhor, serve: premiar com aposentadoria compul$$$ória!

Esforce-se, Vasco! Não desdenhe da vitória alheia!

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

"Melissa Campello teve paralisia cerebral ao nascer, mas isso nunca a limitou. Formou-se em direito em 2015 e agora integra a Ordem dos Advogados" disponível em http://curiosamente.diariodepernambuco.com.br/project/bacharel-com-paralisia-cerebral-e-aprovada-na-oab-pe/

"Rapaz com paralisia cerebral aprovado na OAB fez a prova pela primeira vez" disponível em https://ciberia.com.br/rapaz-com-paralisia-cerebral-aprovado-na-oab-fez-prova-pela-primeira-vez-33893

"Locomovendo-se com dificuldade, mas esbanjando uma alegria digna de criança, Juraci Pedroso, do alto de seus 84 anos, fez questão de receber a tão sonhada carteira da Ordem. Como ele foi cartorário a vida toda, função incompatível com a advocacia, mas tendo estudado Direito e sido aprovado no Exame de Ordem em 1975, não tinha o documento oficial da classe.", disponível em http://www.oabsp.org.br/noticias/2018/02/com-plenario-lotado-oab-sp-recebe-novos-advogados-e-estagiarios.12221

Afronta maior é o jabuti de ouro da OAB. Fim trab.análogo

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por: Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. “A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo”. (STF). Quero um país sem trabalho análogo a de escravos, o fim da escravidão contemporânea da OAB . Quero o louvar a Rede Globo pela feliz iniciativa de questionar milhares dos seus telespectadores, sobre o destino deste país em fase de putrefação, país dos desempregados e dos aproveitadores que lucram com o desemprego dos seus cativos, com a seguinte chamada: Que Brasil você quer para o futuro? Na qualidade de escritor, jurista e abolicionista contemporâneo, conterrâneo do advogado Luís Gonzaga Pinto da Gama, Luiz Gama, (que não submeteu ao caça-níqueis exame da OAB), patrono da abolição da escravidão no Brasil , gravei e enviei tempestivamente minha resposta denunciando o trabalho análogo a de escravos, a escravidão contemporânea da OAB. Como o espaço de 15’ segundos da gravação é muito pouco para denunciar o trabalho análogo a de escravos, a escravidão contemporânea da OAB, e como tenho quase certeza que minha fala será censurada, resolvi ocupar este espaço democrático para falar do trabalho análogo a de escravos ou seja a escravidão contemporânea da OAB o pernicioso famigerado caça-níqueis exame da OAB, uma chaga social que envergonha o país dos desempregos. Lembrando que o saudoso conterrâneo Luiz Gama, foi durante mais de um século rejeitado pela OAB, que não aceitava como advogado; ele teve seu altruístico trabalho reconhecido por ter defendido 800 escravos. Este jurista está lutando pela libertação de 200 mil cativos daOAB http://www.gentedeopiniao.com.br/imprimir.php?news=177139

Sinceramente...

Gustavo P (Outros)

Creio que os juízes demoraram muito para se mobilizar e marcar essa paralisação.

Do meu ponto de vista, deveriam fazer greve de uma vez, contra tanto cinismo, demagogia e falta de seriedade, mormente quando se diz que a remuneração dos juízes deve ser estabelecida pelo congresso, de preferência por todos aqueles investigados pela lava-jato e/ou com outras investigações na justiça.
Não é à toa o arrocho salarial de mais de 40%, sem considerar a eventual perda do auxílio-moradia, direito garantido em Lei (mas ai é imoral. Quando é moral, ai não está garantido em lei...e segue o cinismo e hipocrisia).

Comentar

Comentários encerrados em 10/03/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.