Consultor Jurídico

Comentários de leitores

14 comentários

Comentário!

Marcelo-ADV (Outros)

O socialismo!

Uma palavra que não sai de moda (nos comentários virtuais). Vivemos no ápice do capitalismo (chamada de sociedade de consumo, vida a crédito, etc.), e ainda falam em socialismo neste país onde predomina as oligarquias (nada a ver com proletariado), proteção da indústria nacional, os oligopólios nacionais, etc.

Está mais parecido com feudalismo, a meu ver. Uma sociedade com estamentos.

Interpretação conforme e adequada à CF

IsauraLibre (Professor)

O professor tocou num ponto fundamental: a interpretação conforme a Constituição não pode ser utilizada ao arbítrio do intérprete!

Ainda há cidadania aqui?

Marcelo-ADV (Outros)

Atenção brasileiros!

O Direito, aqui, não é o que está nas Leis e na Constituição.

O “Direito”, entre nós, é propriedade privada. Defender decisão ilegais, é defender a propriedade privada de outros (ou melhor, apropriada por outros). É defender a escravidão e a submissão. Não a submissão aos governos das Leis, a um direito de Leis, mas a submissão a apropriação de sentidos, submissão a um governo de homens, submissão à vontade de homens.

Não consigo entender como há pessoas que gostam disso. É como um escravo defender a escravidão.

Comentário!

Marcelo-ADV (Outros)

Grande mestre!

Melhor colunista do mundo. É aqui.

Militância jurássica

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

O fato é que quem foi doutrinado pelos dogmas marxistas tem uma visão distorcida com relação à democracia, república, direitos humanos e, sobretudo em questões abstratas; e essa visão distorcida do mundo foi objeto de décadas doutrinação/envenamento de nosso ensino.
O marxismo não só interrompeu a evolução socioeconômico e política, mas também a evolução do direito forjado ao longo dos séculos.
Assim, é que Karl Marx doutrina e os devotos propalam que o socialismo científico é a verdadeira ciência, o saber perfeito que evita todas as alienações do passado. Além disso, faz a “unificação da ciência”. Há só há “uma ciência”. A ciência natural, a ciência humana, a história que formam “um só é único saber”. Por isso, como saber “totalitário”, “absoluto” – não admite contestação.

E, nessa marcha haveria não só o ‘fim’ da História, mas também do Direito – profetizada pelo guru da barbárie, cuja doutrina econômica, filosófica, histórica, política e social, erigida a ciência [absoluta] preconiza não só a supressão das classes sociais, a abolição da propriedade privada, mas também e necessariamente a extinção do Estado e a eliminação do Direito.
O imperativo moral é apontar o contraste entre a democracia e a pretensa ‘democracia popular’ inspiradas em ideologias totalitárias neorregressivas – marxistas-leninistas-maoístas-castristas, fascistas, nazistas que historicamente promovem a degradação da democracia e das instituições, sobretudo jurídicas.

Ansiedades constitucionais

O IDEÓLOGO (Cartorário)

As ansiedades na aplicação da "dura lex sed lex constitucionalis" origina o pensamento obsessivo em sua aplicação à determinada comunidade.
Pensamentos persistentes constituem um dos sinais mais comuns de um transtorno de ansiedade. A ansiedade faz com que seja quase impossível parar de se concentrar em coisas que você não quer se concentrar. Exemplo: a negação da mutação constitucional.
Esses pensamentos, raramente, são positivos, muitas vezes estão relacionados com o medo de retorno do "Ancien Règime Militaire", e em muitos casos, a existência do pensamento provoca mais ansiedade (escrevendo artigos sobre a aplicação da Constituição), resultando em mais ansiedades constitucionais.

Petrobrás exportando petróleo para comprá-lo mais caro!!!

SMJ (Procurador Federal)

Se a Petrobrás está mesmo mandando petróleo cru para o exterior para comprá-lo refinado deixando as refinarias brasileiras ociosas... por que o Ministério Público não faz nada contra isso? É dever dessa importantíssima instituição acabar com esse escândalo.

Locaute dos direitos dos outros

SMJ (Procurador Federal)

O locaute dos caminhoneiros mostrou o quanto o povo brasileiro está distante dos ideais iluministas que fundamentam o Estado Democrático de Direito. A pobreza intelectual devida ao péssimo sistema educacional perpetua a imaturidade do "homem cordial" brasileiro, cuja tendência política é a busca de um pai para governar com mão de ferro numa ditadura.

Há muito a lutar para que aqui se estabeleça o "rule of law" ao invés do nosso histórico governo dos homens, ou melhor, de cada homem. Aqui cada um faz o que quiser e fica por isso mesmo. E ainda há quem aplauda, mesmo passando por penúria pessoal (falta de gasolina, alimentos etc.).
Mas vamos em frente, prof. Streck, lutando com muita paciência para que possa existir o Direito no Brasil.

Streck e suas (sempre) pertinentes reflexões...

Dartiz (Bacharel)

O professor Streck, com o seu refinamento filosófico costumeiro, nos mostra a impossibilidade de um relativismo niilista. Afinal existe algo, e não o nada. Lembro-me que Dworkin certa feita fez (temabém) uma analogia com os fósseis. Diante deles temos a responsabilidade de remontá-los da forma mais adequada possível, e em consonância a alguma teoria de base. Podemos, a partir de critérios, discordar em certos momentos sobre os melhores encaixes, mas nunca negar a realidade de sua existência ou tratá-la como se ela fosse algo que ela absolutamente não é. Que tenhamos cautela e discernimento neste Jurassic Park brasileiro!

A opção ao relativismo

Holonomia (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

indica a necessidade de um parâmetro mais objetivo, em direção à negada verdade real, à própria Verdade, ao absoluto.
O que é o 'x' que não pode ser 'j'?
Esse 'x', na Constituição, é a dignidade humana, que não pode ser não dignidade, e a dignidade humana de Jesus Cristo e Kant não pode ser a dignidade LGBT ou do aborto, porque LGBT é falar que 'j' é igual a 'x', porque 'x' é absoluto e 'j' é relativo.
Depois que li que Wittgenstein, como Kant, fez uma reserva ao inominável, após se converter durante a guerra, e ainda que eu não concorde com essa reserva, pois sigo Hegel nesse ponto, comecei a ler Investigações Filosóficas. O curioso é não ver uma ligação de Wittgenstein e sua filosofia com a Divindade.
Romper com relativismo exige romper com as duas cidades de Agostinho, com a bifurcação cartesiana, com o politicamente correto que é cientificamente equivocado, porque 'j' não é igual a 'x'; e o Rei não tem dois corpos, porque há um só Corpo e um só Espírito, até no nível físico.
A velha mensagem continua atual, arrependa-se (metanoia) e creia no Evangelho, de Verdade.
www.holonomia.com

Interpretação conforme e adequada à Constituição

IsauraLibre (Professor)

Lenio Streck toca num ponto importantíssimo: a interpretação conforme a Constituição deve resultar em uma resposta constitucionalmente adequada, caso contrário será a nova ponderação "à brasileira": um instrumento para o arbítrio do intérprete.

Que bom

afixa (Administrador)

O articulista reconhece que é um dinossauro.
Ainda bem que os juristas raiz (expressão cafonerrima) estão ficando velhos.
Se o ex promotor sabe algo de direito, certamente não sabe nada de economia, pois, atribui o a caos a ESTE governo e se esquece do que foi feito antes.
Em breve, veremos uma coluna elogiando a Venezuela. Podemos esperar!
#Paz

Caro Professor

Observador.. (Economista)

Admiro muito o senhor; o senhor mantém a rota dos seus pensamentos sem transigir em momento algum para agradar quem quer que seja.
Isso é admirável.
Nos dias de hoje, em nosso país, chega a ser merecedor de medalha.

Disto isto, em minha opinião e baseado em minha experiência de vida, estamos há muito a nos enganar.
Nossa Carta, para muitos, tem culpa pela situação em que o país está.
Desgovernado, com Instituições atropelando umas às outras, com uma parcela expressiva da população pregando a volta dos militares (entre nos Twitters do Exército e da Força Aérea e verá os xingamentos de centenas de pessoas que - durante a grave - acharam que os militares falharam por não ter derrubado o governo) , com um Judiciário substituindo o governo e o legislativo em muitos momentos e tomando gosto ...e por aí vai.

O Ministro Barroso, goste-se dele ou não, em seu voto durante o último julgamento de repercussão nacional (que tratava do Pres. Lula) lembrou que não se pode esticar a corda porque a sociedade respeita o que é emanado das Instituições porque entende que é o correto a ser feito.
Mas e se isso mudar?

Quando o movimento dos caminhoneiros ficou difuso e atropelou direitos, e nada aconteceu (todos ficaram perplexos sem saber o que fazer durante vários "primeiros momentos") me lembrei da fala do eminente Ministro.

Enfim.
O Brasil precisa discutir sua Constituição.
Cheia de Direitos.Poucos deveres.

Somos um país de leis e pensamentos socialistas que finge ser uma democracia.
Esta esquizofrenia tem cobrado um preço absurdo da população.
É como se nossos intelectuais achassem - há muitos anos - que o povo serve apenas para votar e pagar impostos.
Alijam-no de qualquer debate. Desde sempre.
Menoscabam seu papel.
E está ficando cada vez pior.

Genial!

John Paul Stevens (Advogado Autônomo)

Coluna digna de um autêntico dinossauro do direito brasileiro.

Hermeneuticus rex. Constitucionalosaurus. Tiranossauro Streck — mas contra a tirania no Direito!

Comentar

Comentários encerrados em 8/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.