Consultor Jurídico

Competência da União

Toffoli suspende lei do RJ que limitava prisão preventiva a 180 dias

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu a lei do Rio de Janeiro que limitava em 180 dias o prazo para prisão preventiva. A decisão liminar, que ainda será submetida a referendo do Plenário, foi tomada em ação da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Para o ministro Toffoli, assembleia invadiu competência da União. 
Nelson Jr./SCO/STF

A Lei 7.917/2018 do estado do Rio de Janeiro, ao dispor sobre a permanência de preso provisório em qualquer das unidades do sistema penitenciário estadual, limitou em 180 dias o prazo de vigência de prisões provisórias.

De acordo com a entidade, a norma questionada impõe um limite máximo de 180 dias para a vigência da prisão de natureza provisória, invadindo com isso matéria de competência do legislador federal, conforme prevê o artigo 22 (inciso I) da Constituição Federal de 1988. Além disso, a associação afirma que o artigo 316 do Código de Processo Penal indica que a previsão preventiva não pode ter prazo limite, dada a possibilidade de vigorar durante todo o curso do processo.

Para a AMB, tudo leva a crer que a Assembleia Legislativa do RJ legislou em proveito próprio, tendo em vista que alguns membros da Alerj já estão cumprindo ordem de prisão de natureza provisória e outros poderão, em breve, estar submetidos a ordem dessa natureza.

Em sua decisão, Toffoli concordou com o argumento de que, ao legislar sobre Direto Processual Penal, a norma invadiu competência da União. Além disso, salientou o relator, uma vez que se trata de matéria de competência da União, deve ser observada a legislação nacional, em especial o CPP, que não promove delimitação taxativa ao período de aplicação da medida de prisão preventiva.

As disposições do código sobre a matéria são no sentido de que a prisão preventiva se vincula — para sua decretação e continuidade — a critérios que não são temporais, mas, sim, materiais: a garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

O que se extrai da lei federal, segundo o ministro, é que não há qualquer forma de autorização para que se defina o prazo de duração da prisão preventiva, “de modo que a incursão da lei estadual nesse tema faz exsurgir sua inconstitucionalidade seja por invasão da esfera de competência da União, seja por afronta às normas federais sobre o tema versado”.

Por considerar haver risco de adoção de sistemática distinta da nacionalmente estabelecida exclusivamente no sistema penitenciário do Rio de Janeiro, caracterizador do periculum in mora, e a plausibilidade jurídica do pedido (fumus boni iuris), o ministro Dias Toffoli concedeu liminar para suspender a eficácia da Lei 7.917/2018 do estado do Rio de Janeiro. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 5.949

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de maio de 2018, 16h40

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.