Consultor Jurídico

Leque de opções

Pesquisa aponta que maioria quer sistema eletrônico único na Justiça Federal

Uma pesquisa da Corregedoria-Geral da Justiça Federal aponta que 90% dos participantes, até o momento, deseja um sistema judicial eletrônico único. Entre as cerca de 1.800 pessoas que já votaram estão membros da magistratura, servidores, integrantes do Ministério Público, advogados e partes ou pessoas interessadas em ações judiciais.

Hoje, não há nenhum sistema padrão, apesar das tentativas passadas do Conselho Nacional de Justiça, que queria tornar oficial o Processo Judicial Eletrônico (PJe).

Quem já votou respondeu quais plataformas mais utiliza atualmente: cerca de 80% acessam com mais frequência o PJe; 59% o e-Proc (desenvolvido pela Justiça Federal da 4ª Região), e 9% o Apolo (Justiça Federal da 2ª Região). A soma ultrapassa 100% porque é possível escolher mais de uma opção.

A pesquisa também questiona se é a aplicação da certificação digital ou a utilização de usuário e senha que garante a prática segura dos atos processuais. Optaram pela primeira opção 60% dos respondentes, enquanto 40% acreditam que a segunda forma é suficiente.

Até o dia 8 de junho, é possível opinar sobre os problemas das ferramentas utilizadas hoje. A ideia da Corregedoria é ter uma base para formular políticas judiciais que aprimorem os sistemas eletrônicos da Justiça Federal.

Rejeição ao PJe
O Processo Judicial Eletrônico vem ficando cada vez mais no escanteio. Em maio de 2017, a própria presidente do CNJ, ministra Cármen Lúcia, autorizou a flexibilização do uso da plataforma pelos tribunais do país. E, em 2016, interrompeu a implantação do PJe no Supremo Tribunal Federal, sem tocar mais no assunto.

Se em 2009, quando o sistema foi desenvolvido no CNJ sob o comando de Joaquim Barbosa, uma resolução chegou a obrigar que o processo eletrônico fosse utilizado em todo o país, hoje as cortes têm liberdade para utilizar ferramentas próprias.

A única exigência é que a plataforma adotada consiga “conversar” com o PJe, integrando-se ao chamado Modelo Nacional de Interoperabilidade (MNI). Com informações da Assessoria de Imprensa do Conselho da Justiça Federal.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de maio de 2018, 20h10

Comentários de leitores

6 comentários

e-Proc, o melhor

Chevalier (Advogado Autônomo)

Sem sobra de dúvida, o e-Proc é o melhor. E só complementando o que o colega L.F.Vargas comentou acima, sobre a "obrigatoriedade de extintores automotivos e de caixas de primeiros-socorros", não se pode esquecer a estranha e desnecessária adoção do "novo padrão de tomadas de 3 pinos" imposta aos brasileiros sem a mínima necessidade lógica que a justificasse, criando-se forçadamente uma nova mina de ouro para alguns espertos com "influência" no govêrno, mesmo as custas de prejuízos e grandes dissabores (perduram até hoje!) do povo que precisou se virar para se adaptar.

E-saj

Resec (Advogado Autônomo)

o sistema do TJSP é o melhor, o segundo lugar está muito long. Basta perguntar aos advogados do Estado de São Paulo a eficiência desse sistema, que já foi aperfeiçoado. Pode utilizá-lo como padrão.

Uma opinião unânime: PJe é horrível

Iorio D'Alessandri (Juiz Federal de 1ª. Instância)

Uma opinião unânime: o PJe é horrível, o pior de todos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.