Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cana bloqueada

Matéria-prima de empresa em recuperação judicial pode ser penhorada, diz TJ-SP

Por 

É possível penhorar ou alienar matéria-prima de uma empresa em recuperação judicial durante o período de blindagem — prazo de até 180 dias no qual a empresa em crise consegue suspender ações de execução. Assim entendeu a 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo ao manter decisão que permitiu a penhora de cana-de-açúcar de uma empresa de bioenergia.

O caso julgado envolve o parágrafo terceiro do artigo 49 da Lei de Recuperação Judicial. O dispositivo diz que os créditos garantidos por alienação fiduciária não se submetem a recuperação judicial. No entanto, a mesma norma impede a retirada desses bens alienados durante o período de blindagem, desde que sejam essenciais à atividade empresarial.

No caso analisado, a empresa de bioenergia havia firmado contrato de alienação fiduciária com um fundo de investimento dando como garantia a cana-de-açúcar. Durante o período de blindagem, houve a execução e foi determinada a penhora de todo o material. Inconformada, a empresa recorreu ao TJ-SP alegando que a medida não seria possível, independentemente da qualidade do credor, pois a cana seria bem essencial para sua atividade.

Segundo o jornal Valor Econômico, a discussão envolve a safra atual, que começa a ser colhida em junho. A empresa de bioenergia deu cerca de 520 mil toneladas de cana e de açúcar em garantia ao empréstimo com o fundo americano, o que representa 13% do total da sua produção. Uma dívida de cerca de R$ 15 milhões.

Para a 2ª Câmara de Direito Empresarial do TJ-SP, no entanto, a penhora é possível pois a cana-de-açúcar não pode ser considerada bem de capital. Assim, não estaria alcançada pelo artigo 49 da Lei de Recuperação Judicial. "Considerando, em suma, que não há, na hipótese, bens de capital a autorizar a suspensão da execução proponho o desprovimento do recurso", afirmou o relator, desembargador José Araldo da Costa Telles.

O relator afirmou ainda que a falta de matéria-prima pode causar maior dificuldade na atividade desenvolvida pela empresa em recuperação judicial, mas "o mercado pode oferecer produto similar, ainda que mais distante e por preço diferenciado, que permitirá a continuidade da empresa".

Clique aqui para ler a decisão.
2012974-11.2018.8.26.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 14 de maio de 2018, 20h15

Comentários de leitores

1 comentário

Que atitude é essa ???

serok (Prestador de Serviço)

Lamentável, simplesmente inaceitável tal atitude da 2ª Câmara de Direito Empresarial do TJ / SP.
Desse jeito não há mesmo como se diz: “Sair do enrosco “; havendo tantos bens materiais a serem penhorados, tanto por parte da empresa, quanto por parte de seus administradores, além de tantos outros meios; onde está agora o famoso “ jeitinho brasileiro [ a criatividade ] “ a de se resolver as coisas; cá entre nós “ Matéria Prima “, jamais; façam-me o favor !
Desse jeito, parece-me que os próprios da referida Câmara estejam vislumbrando a oportunidade de tornar a serem futuros empresários [ porque não tornam-se sócios? ] e vierem a arrematar a referida Usina daqui à algum tempo; pois conforme o que o Relator tenha afirmado “ ainda que a falta de matéria-prima pode causar maior dificuldade [ como que a que já tem, não chega a ser o suficiente ] “, na atividade desenvolvida pela empresa [ reconhece plenamente a dificuldade da situação ] em recuperação judicial, mas " o mercado pode oferecer produto similar [ produto similar não é o próprio, e para tal deve com toda certeza haver modificações, adequações nos processos produtivos ], ainda que mais distante [ haverá alterações de logística e consequentemente custos operacionais ] e por preço diferenciado [ com certeza que uma empresa em “ recuperação judicial “ sempre irá encontrar dificuldades, principalmente quanto ao pagamento dos insumos e matéria prima necessários, além já, o dos próprios funcionários ], que permitirá a continuidade da empresa “.
Aparentemente o que exposto pelo Sr. Relator, o mesmo é ou tornou-se um exímio “ Expertise “ no assunto; apenas, então, somente, não ter pensado nos vários empregados que com toda a certeza irão perder seus postos de trabalho, enfim o sustento de si e dos seus.

Comentários encerrados em 22/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.