Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luto na magistratura

Criminalista José Gerardo Grossi morre aos 85 anos, em Brasília

Por 

O criminalista José Gerardo Grossi morreu na manhã desta quarta-feira (9/5), em Brasília, aos 85 anos. Ele foi ministro do Tribunal Superior Eleitoral, conselheiro da seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e professor na Universidade de Brasília, tendo sido um dos primeiros advogados a atuar na capital federal.

José Gerardo Grossi era um dos criminalistas mais importantes e influentes do Distrito Federal.

O corpo será velado em dois locais: nesta quarta-feira, das 18h às 21h, na sede da OAB-DF; e nesta quinta-feira (10/5), a partir das 9h, no cemitério Campo da Boa Esperança, em Brasília. O enterro está marcado para as 11h. 

Grossi tratava um câncer no pulmão. Diagnosticado com um tumor há dois anos, tinha se recuperado. Há cerca de dois meses, no entanto, a doença voltou. 

Natural de Abre Campo, interior de Minas Gerais, nasceu em 22 de agosto de 1932. Tornou-se advogado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Um dos criminalistas mais importantes e influentes do Distrito Federal, onde viveu desde os primeiros anos da carreira, era conhecido pelo humor refinado e o amplo conhecimento dos estudos jurídicos.

Grossi advogou para políticos de todas as matizes e campos ideológicos, sendo respeitado entre integrantes da esquerda e da direita. Em abril, esteve no Supremo Tribunal Federal ao lado de Sepúlveda Pertence e José Roberto Batochio na defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em julgamento de Habeas Corpus, quando tratou da importância do instrumento. Ele também assessorou Lula em questões eleitorais, como nas operações zelotes e “lava jato”.

Entre os clientes, Grossi defendeu o ex-governador e ex-senador pela Bahia Antonio Carlos Magalhães e os ex-governadores do DF José Arruda e Joaquim Roriz. Em 2014, abriu as portas de seu escritório para que o ex-ministro José Dirceu, atualmente preso em Curitiba, trabalhasse.

Pesar
Em nota, o Colégio Permanente de Juristas da Justiça Eleitoral manifestou pesar pela morte do ex-ministro do TSE. “A comunidade jurídica brasileira perde um extraordinário advogado, um brilhante jurista e um ser humano que só somou amizade e admiradores por onde passou”, afirma o texto, assinado pelo presidente da entidade, Telson Luís Cavalcante Ferreira.

O criminalista Marcelo Leal também lamentou a morte. "Perdemos hoje um grande mestre, cuja generosidade me ensinou a repartir. Ele nunca quis só para ele, por isso dividia com todos que com ele conviviam os conhecimentos de décadas de advocacia", disse.

O Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral (Ibrade) lembrou a atuação de Grossi, principalmente na época da ditadura, e afirmou que ele preencheu, em todos os sentidos, o significado maior da advocacia. "A sua ausência será apenas física, pois suas ideias, reputação e jovialidade são eternas", afirmou a entidade em nota de pesar.

Leia mais homenagens:

Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República

José Gerardo Grossi foi um grande amigo e um ser humano excepcional. Inteligente, culto e generoso, exerceu seu ofício com brilho e destemor, tornando-se referência para mais de uma geração no mundo do Direito.

Doutor Grossi elevou a advocacia ao seu patamar mais nobre: a defesa permanente dos direitos e garantias do cidadão. A defesa do estado de direito, da democracia plena.

Ao longo da vida e da carreira, enfrentou muitas pressões e nunca mudou de lado, lutando em muitas trincheiras por um país mais justo, em todos os sentidos.

É com muito pesar que recebo a notícia de seu falecimento, depois de lutar com todas as forças e nos dar o exemplo de sua imensa alegria de viver. De onde estou, envio meu abraço solidário a toda a família.

Vai com Deus, Doutro Grossi. Foi um privilégio ter sido seu amigo. 

Sepúlveda Pertence, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal:

A morte hoje de José Gerardo Grossi aumenta a solidão de minha senectude. Nossas vidas correram em paralelo na maior parte do tempo.

Contemporâneos de Faculdade e, depois, já em Brasília, no Ministério Público e na UnB: no Supremo servimos ambos como secretários jurídicos (eu, de Evandro Lins e Silva; ele de Hermes Lima), fomos cassados, no mesmo dia, da UnB e do MP; integramos, os dois, os escritórios de Victor Nunes Leal, também cassado pela ditadura.

Advogado, desde as cassações, Grossi se tornou um dos expoentes da profissão, dedicadíssimo às causas que assumia, de estilo primoroso e tribuno admirável. A saudade, a lembrança e  a eterna admiração serão definitivas por toda minha vida.

Beto Vasconcelos, advogado:

O Brasil perdeu hoje um de seus maiores juristas e democratas. Além de correto e competente advogado, José Gerardo Grossi era, acima de tudo, um humanista. Fará muita falta ao país. Sentimentos de solidariedade à família nesse momento.

Pierpaolo Bottini, advogado:

Além de jurista, professor, e grande advogado, Grossi era um bom amigo. Acolhia advogados em sua casa, onde as discussões de estratégia de casos complicados eram permeadas de histórias gostosas de ouvir. Eram sempre reuniões agradáveis, boas de lembrar. A passagem de Grossi é uma perda para os amigos, para a advocacia e para o Direito.

*Texto alterado às 13h29, às 15h e às 15h36 do dia 9/5/2018 para acréscimo de informações.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de maio de 2018, 12h09

Comentários de leitores

3 comentários

Grossi, saudade.

Luís Guilherme Vieira (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Perco um amigo.
A advocacia um mestre.
O Brasil um cidadão ímpar.
Grossi já faz falta; saudade.

Dr. Grossi, Mineiro da boa cêpa, uai!

Leônidas Scholz - Advogado Criminal (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Grande pessoa. Notável advogado. Intimorato defensor do estado democrático e republicano de direito.
Agradeço o privilégio de ter vivenciado com ele passagens que me proporcionaram valioso aprendizado para a vida e para a advocacia!
Saudades ...

Um grande advogado

JOSÉ ANTONIO ALMEIDA (Advogado Sócio de Escritório - Eleitoral)

Tive a elevada honra de conhecer e trabalhar em parceria, em várias causas, com o advogado José Gerardo Grossi, um grande mestre e uma excepcional pessoa humana, cujo exemplo de vida e de amor à profissão marcará indelevelmente aqueles que com ele privaram.
Em Brasília há muito tempo, trabalhando no gabinete do então Ministro Hermes Lima, do STF, e depois da inominável cassação deste, juntamente com Evandro Lins e Silva e Victor Nunes Leal, passou a integrar o escritório liderado por este notável jurista e escritor, sobre quem discorria com entusiasmo e inequívoca saudade. Foi com enorme prazer que tive a oportunidade de ouvi-lo, em seu escritório, sobre sua experiência com Victor Nunes Leal, a quem conheci brevemente, quando assumi uma cadeira do Conselho Federal da OAB, que ele integrava, no distante ano de 1985.
A partida do Dr. Grossi, neste maio de 2018, prestes a serem completados 33 anos da morte, em 18 de maio de 1985, de Victor Nunes Leal, como que reaproxima os dois mestres, no "andar de cima", ficando aqui as minhas sinceras homenagens e minha solidariedade à dileta família.

Comentários encerrados em 17/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.