Consultor Jurídico

Patrocinados

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Evento reúne ministros do STF e do STJ para discutir mudanças para o país

No próximo dia 11 de maio acontece no hotel Palácio Tangará em São Paulo o I Encontro de Lideranças Nacionais - Eleições 2018: os desafios econômicos, políticos e jurídicos do Brasil. Organizado pelo escritório de direito Bonini Guedes, o evento contará com as participações do apresentador Luciano Huck, do ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, do ex-ministro da Defesa Nelson Jobim e do estrategista político Arick Wierson, que comandou campanhas e toda a comunicação da gestão do ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg (serviço e programação abaixo).

Na pauta estão temas como necessidade de renovação da política, debate que terá a participação de Huck; desafios políticos e estruturais do país nas próximas décadas, assunto a ser abordado pela mesa de que participa Dias Toffoli, o próximo presidente na sucessão do STF; fake news e a importância da comunicação digital nas eleições brasileiras de 2018, com a visão do estrategista de Bloomberg, entre outros.

“A ideia do evento é promover um debate de alto nível sobre o país, pensar o futuro e propor ideias inovadoras e factíveis para que a política possa se renovar e influenciar na construção de um Brasil mais próspero nos próximos anos”, considera o advogado especialista em direito eleitoral, Gustavo Guedes, sócio-fundador do Bonini Guedes Advocacia, escritório que representou o presidente Michel Temer no processo de cassação da chapa Dilma/Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

PROGRAMAÇÃO - I ENCONTRO DE LIDERANÇAS NACIONAIS

Eleições 2018: os desafios econômicos, políticos e jurídicos do Brasil

11 de maio (sexta-feira)

8:00h - Credenciamento

9:30h – Primeira Conferência

  • Nelson Jobim (Ex-Presidente STF)

Sistema Eleitoral brasileiro e suas implicações práticas

  • Pres. Mesa: Leda Bandeira (Advogada/Ex-Diretora Geral STF)

10:30h – Segunda Conferência

  • William Waack (Jornalista)
  • Análise conjuntural da política e as perspectivas da eleição presidencial
  • Pres. Mesa: Karina Kufa (Advogada)

12:00h – Almoço

14:00h – 1º Debate: Diálogos sobre o Brasil: novidades e desafios das campanhas em 2018

  • Arick Wierson (Estrategista Político/EUA)

Importância da comunicação digital eleitoral

  • Min. Admar Gonzaga (TSE)

Principais preparativos e desafios para o pleito de 2018

  • Juliano Breda (Advogado)

Compliance e a participação de empresas nas eleições

  • Moderador: Luiz Fernando Pereira (Advogado)
  • Condutora: Angela Cignachi (Advogada)

16:00h – 2º Debate: Diálogos sobre o Brasil: desafios políticos e estruturais do país nos próximos 20 anos

  • Murillo de Aragão (Cientista Político/Arko Advice)
  • Eleição presidencial e os grandes temas nacionais
  • Cesar Silvestri Filho (Prefeito de Guarapuava/PR e Vice-Pres. da Frente Nacional dos Prefeitos)

As PPP's na agenda econômica e política do país

  • Paulo Câmara (Governador de Pernambuco)
  • A necessária conciliação entre projetos econômicos e sociais
  • Moderador: Min. Dias Toffoli (STF)
  • Condutor: Moisés Pessuti (Advogado)

18:00h – Coffee Break

18:30h – 3º Debate: Diálogos sobre o Brasil: necessidade de renovação e o reflexo econômico da política

  • Eduardo Mufarej (Empresário/Mov. RenovaBR)
  • Enfrentamentos necessários aos movimentos de renovação política
  • Luiza Trajano (Empresária/Magazine Luiza)

Posicionamento das empresas frente às incertezas políticas

  • Luciano Huck (Apresentador de TV e Empresário)
  • As aspirações do Brasil por um novo modo de se fazer política
  • Moderadora: Mônica Bergamo (Jornalista)
  • Condutor: Gustavo Bonini Guedes (Advogado)

Serviço
Evento: I Encontro de Lideranças Nacionais
Data: Sexta-feira, 11 de maio de 2018
Horário: 8h30 às 19h30
Local: Hotel Palácio Tangará. Rua Deputado Laércio Corte, 1501 – Panamby, São Paulo

Revista Consultor Jurídico, 7 de maio de 2018, 12h40

Comentários de leitores

1 comentário

Bom para debater o fim do trab. análogo a de escravos

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista . REF: MATÉRIA DA VEJA EDIÇÃO 2581 DE 09.05.2018 ESCRAVOS NO SECULO XXI
Quero congratular-me com a Revista Veja, pela excelente reportagem denunciando o trabalho análogo a de escravos no Brasil, em pleno Século XXI. Porém o número estampado de que o Brasil possui cerca de 160.000 pessoas em regime de escravidão é muito inferior à realidade nacional. Se olvidou essa colenda Revista de incluir cerca de quase 300 mil cativos da OAB, ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente qualificados pelo o Estado (MEC),aptos para o exercício o da advocacia, jogados ao banimento sem direito ao primado do trabalho.
A propósito, o Egrégio STF ao julgar o INQUÉRITO 3.412 AL, dispondo sobre REDUÇÃO A CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO. ESCRAVIDÃO MODERNA, explicitou: (…) “Para configuração do crime do art. 149 do Código Penal, não é necessário que se prove a coação física da liberdade de ir e vir ou mesmo o cerceamento da liberdade de locomoção, bastando a submissão da vítima “a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva” ou “a condições degradantes de trabalho”, (...) A “escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos. Priva-se alguém de sua liberdade e de sua dignidade tratando-o como coisa e não como pessoa humana, o que pode ser feito não só mediante coação, mas também pela violação intensa e persistente de seus direitos básicos, inclusive do direito ao trabalho digno. A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravos. "Já não escravos. Mas irmãos"

Comentários encerrados em 15/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.