Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Embargos Culturais

Macbeth e o livre-arbítrio: por que não devemos ouvir as profecias das bruxas

Por 

Arnaldo Godoy [Spacca]Macbeth é tragédia de William Shakespeare que data provavelmente de 1606. É uma peça maldita, lembrada por muitas superstições, e recorrentemente adaptada para o cinema. No teatro, algumas representações de Macbeth foram marcadas por acidentes e apreensões. Há notícias de assassinatos ocorridos em palcos, cenários que despencaram, incêndios mal explicados. Macbeth é um problema real no contexto das tragédias de Shakespeare, especialmente para aqueles que as representaram no palco.

Os temas centrais desta tragédia são a ambição, a luta entre o bem e o mal, a degeneração do caráter, a punição do pecado. Macbeth nos mostra o preço devastador que se paga quando a ambição pelo poder é seguida com obsessão. A tragédia também trata da certeza da punição, percepção que se encontra na estrutura moral do teatro elisabetano. É a estória de um ousado usurpador que cometeu uma série de assassinatos com vistas a tomar o poder. Trata-se de um “serial killer” do era renascentista.

Essa perturbadora peça sugere muitas reflexões. Suscita inclusive uma abordagem psicanalítica. Sigmund Freud valeu-se da trama de Macbeth para tentar explicar o que denominava de ruína do êxito. Trata-se de patologia relativamente comum. Acomete àqueles que se angustiam e se deprimem justamente no momento em que conquistam o que tanto sonharam e pelo que muito lutaram. É o que ocorreu com a esposa de Macbeth assim que soube que seu marido assassinou o rei, e que se tornou rei.

Macbeth, é também, e talvez principalmente, um estudo sobre a natureza do mal. O personagem central, Macbeth, é corajoso e interesseiro, tem consciência das consequências de seus crimes; não passa de um usurpador sanguinário. Inicialmente era leal ao rei, seu primo; porém, transforma-se. Sua esposa parece ser má e inescrupulosa. Exerce grande poder sobre o marido. Ela não consegue prever as consequências de seus atos e ao longo da peça vai tomando consciência de suas atitudes. Enlouqueceu e se suicidou. Duncan é o idoso rei da Escócia. Bom, feliz, entusiasmado com Macbeth, jamais suspeitou da traição que o esperava.

A cupidez de Macbeth foi despertada e aumentou na medida em que percebia que uma profecia feita pelas bruxas, de que seria rei, poderia ser realizada. Hesitando, porém sucumbindo à tentação, Macbeth permite-nos reflexão sobre as ambiguidades do bem e do mal e sobre uma questão que nos atormenta: vivemos de acordo com nossas escolhas ou somos dirigidos pelo destino? A peça se encerra com o triunfo do bem sobre o mal, do titular da coroa sobre o usurpador, do honesto sobre o ambicioso. E nos revela um assassino cruel, um homicida compulsivo. Culpado? Porém, ele escolheu seus caminhos?

A tipologia que marca Macbeth é comum nas constatações criminológicas. Basicamente, tem-se um indivíduo cuja propensão para delinquir é latente. A chance acelera o processo, ainda que num primeiro momento o futuro delinquente resista. Vale para todos os tipos de crimes. O indivíduo hesita, pretende mudar de ideia, porém se deixa convencer. Mas não se aceita. Arrepende-se. Deixa-se tomar pelo remorso. Assusta-se. Tem alucinações. Porém, como condição de sobrevivência, deve agir novamente. E o faz. O instinto de Eros sublima a tendência de Tânatos, a paixão pela vida suplanta a curiosidade para com a morte, nos termos de uma formulação aparentemente freudiana.

E a cada novo erro, com o qual procura encobrir um erro anterior, o criminoso se perpétua como tal. Perde a razão. Torna-se refém de um passado do qual não se livra. Seu fim é a vingança alheia, a quem tanto sofrimento causou. É este o roteiro existencial de Macbeth. Metaforicamente vencido por Nêmesis, a deusa da vingança, Macbeth jamais conheceu a face de Têmis, a personificação da justiça, da qual era a deusa, e que jamais conheceu.

E porque Macbeth agiu influenciado pela profecia das bruxas, resta saber se o livre arbítrio poderia ser razão suficiente para enfrentarmos as facilidades vãs com as quais as bruxas nos acenam, ainda que saibamos que a vida é luta, e não profecia. Ou se Macbeth resta imune a todo o mal que fez, justamente porque as bruxas ouviu...

 é livre-docente em Teoria Geral do Estado pela USP e doutor e mestre em Filosofia do Direito e do Estado pela PUC-SP. Tem MBA pela FGV-ESAF e pós-doutorados pela Universidade de Boston (Direito Comparado), pela UnB (Teoria Literária) e pela PUC-RS (Direito Constitucional). Professor e pesquisador visitante na Universidade da Califórnia (Berkeley) e no Instituto Max-Planck de História do Direito Europeu (Frankfurt).

Revista Consultor Jurídico, 6 de maio de 2018, 8h00

Comentários de leitores

4 comentários

Livre-arbítrio é escolha de ciência

Holonomia (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Livre-arbítrio é escolha de ciência e seus princípios, escolha entre boa e má profecia, sendo o resto consequência.
A consciência dá a liberdade de escolher determinado conhecimento, do bem e do mal, e atuar segundo esse conhecimento, isso é livre-arbítrio.
www.holonomia.com

Ciência e profecia

Holonomia (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Como existem boa ciência e má ciência, existem boas e más profecias.
O Direito é profético, dizendo "quando alguém matar outrem sofrerá pena x".
A Física é profética, prevendo "se lançar um objeto em tal direção com determinada força, sofrendo gravidade x, fará a trajetória y".
A profecia pode ser cumprida por força própria, da boa ciência, por conhecimento da causa e do efeito, ou por acidente, outra força age sobre o fenômeno causando o mesmo resultado, quando a ciência é equivocada.
A profecia ou ciência pode ser também parcial, prevendo apenas parte do ocorrido, o “seria rei”, sem narrar as consequências nefastas dessa realização.
Como o Direito é ciência social, jurídica e política, seu cumprimento com bons efeitos depende de serem seguidas suas normas por todos os atores sociais, especialmente os líderes, os governantes da comunidade ou ekklesia, o que não ocorre atualmente, porque o Estado de Direito não respeita o Direito, a comunidade internacional viola o Direito internacional.
Por isso a profecia de Cristo é boa ciência, porque previu os tempos atuais, o que incluiu os efeitos de não ser seguida nos planos jurídico e político mundial, porque o Cristianismo é a ciência da liderança política e religiosa nas nações e entre as nações, o Messias é Rei e Sacerdote.
Portanto, é só esperar seu cumprimento, reconhecer sua natureza científica de boa ciência, boa profecia, narrativa da realidade, ou Logos, e seguir seus mandamentos.
www.holonomia.com

Rei macbeth

O IDEÓLOGO (Outros)

Senhor Macbeth , o Thane de Glamis , é o personagem-título e titular principal protagonista virou principal antagonista de William Shakespeare 's Macbeth (c. 1603-1607). O personagem é baseado no rei histórico Macbeth da Escócia , e é derivado em grande parte da conta em Chronicles de Holinshed (1587), uma história da Grã-Bretanha.
Macbeth é um nobre escocês e um valente militar. Depois de uma profecia sobrenatural, e a pedido de sua esposa, Lady Macbeth , ele comete regicídio e se torna o rei da Escócia. Ele depois disso vive em ansiedade e medo, incapaz de descansar ou confiar em seus nobres. Ele lidera um reinado de terror até ser derrotado por seu antigo aliado Macduff . O trono é então devolvido ao herdeiro legítimo, o filho do rei Duncan, Malcolm (https://en.wikipedia.org/wiki/Macbeth_(character).
Infelizmente, no meio jurídico, abundam vários com comportamento do Senhor Macbeth.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.