Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Camões de Toga

Juiz escreve poesia para julgar dispensa de empregada de universidade

Por 

O juiz Carlos Augusto de Lima Nobre, da 12ª Vara do Trabalho de Brasília, resolveu inovar ao julgar ação contra uma universidade. Toda a sentença foi escrita em uma longa poesia. 

A empregada saiu para tirar a licença-maternidade e não voltou no período determinado, por ter tido complicações no parto. Acabou dispensada por justa causa. A universidade afirma que tomou a medida porque não havia sido informada do problema. 

O juiz Nobre quis ser nobre e aplicar uma lição de moral na universidade. Determinou rescisão indireta, pagamentos de cinco meses de multa de seguro-desemprego e R$ 10 mil de danos morais. 

Mas o destaque fica na forma como a decisão foi redigida. O juiz fez o relatório e decidiu por meio de 13 páginas de versos, até com título: Uma sentença para Olga, em referência à autora. 

Ah, UNIP,
havia mesmo a necessidade
desta ação?
Onde está a sua educação?
Precisava submeter sua antes empregada
a tamanho constrangimento e humilhação?
Que esta sentença para OLGA
lhe sirva de lição.

Além do sermão, os versos ensinam conceitos:

Para caracterização do abandono,
não é suficiente o elemento objetivo
— um prazo decorrido, e
um telegrama de convocação enviado —;
necessário também
o elemento subjetivo,
na intenção consubstanciado”.

Clique aqui para ler toda a odisseia literária jurídica escrita pelo julgador. 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de junho de 2018, 8h43

Comentários de leitores

1 comentário

Aplausos para o Dr. Carlos Augusto de Lima Nobre !!!!

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Resgatou a dignidade humana. Além dos brilhantes méritos literários, o magistrado sabe que uma sentença "convencional" para o caso, por mais duras que fossem as palavras que usasse para qualificar a atitude da Reclamada, não restabeleceriam o devido respeito à saúde e à dignidade humana da Reclamante e seu bebê.

Comentários encerrados em 28/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.