Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Os estudos de Ferrajoli sobre Filosofia do Direito e o garantismo penal

Por 

O autor italiano Luigi Ferrajoli é conhecido sobretudo por suas formulações no âmbito do Direito e do processo penal. Aí defende posições muito coerentes. Afasta-se do abolicionismo penal porque considera o direito penal e as penas criminais importantes para a garantia dos direitos fundamentais em geral. Mas ao mesmo tempo repudia tendências como o direito penal do inimigo ou do autor, porque desmerecem as garantias e direitos fundamentais dos réus.

Para ele, o Direito e o processo penal constituem-se na “lei do mais débil”[1]: quando o crime ocorre, o mais débil a exigir proteção é a vítima; no processo é o réu e na execução o condenado. Sua posição é a de um “direito penal mínimo”, uma vez que tanto os crimes como as penas devem ser os estritamente necessários para os fins de prevenção[2].

Menos conhecidos são os escritos de Ferrajoli no âmbito da Filosofia do Direito e do Direito Constitucional. O estudioso repudia o chamado pós-positivismo e o neoconstitucionalismo. Para ele, o advento do Estado constitucional de direito no século XX, em oposição ao Estado legal de direito do século XIX, não significa uma superação do positivismo, mas o seu completamento[3].

Se no Estado legislativo o administrador está submetido à lei, o Estado constitucional consegue submeter o próprio legislador aos termos da constituição. Mas a constituição para Ferrajoli continua sendo direito positivo e ele não admite que o juiz constitucional maneje os princípios para decidir com base na moral. Segundo ele, o constitucionalismo juspositivista ou garantista que sustenta “rejeita a tentação de voltar a confundir direito e moral, inclusive na forma do constitucionalismo ético”[4].

Essa perspectiva assumida pelo ilustre autor na Filosofia do Direito guarda profunda relação com sua posição na esfera penal. Com efeito, sabemos que o Direito Penal é aquele mais aferrado ao positivismo jurídico: mesmo em tempos de neoconstitucionalismo, não se permite a ponderação ou relativização de princípios como o da legalidade ou tipicidade penal, e nem das garantias processuais penais.

Ferrajoli insiste, no âmbito penal, numa noção própria da Filosofia do Direito e especialmente cara ao positivismo jurídico, que é a tese da separação entre direito e moral. Na esfera penal, não há possibilidade ou não deve haver espaço para que o juiz decida com base em perspectivas morais, nem na hora de tipificar a conduta, nem no momento da apenação. Repudia, portanto, o “direito penal do autor”, em que a reprovação moral e política do réu é o ponto de partida do processo penal. A acusação, por outro lado, deve conter elementos específicos e factuais, capazes de serem refutados pela defesa no plano empírico e não no plano das valorações[5].

A prova assume portanto importância capital no pensamento de Ferrajoli: é preciso que ela seja feita de modo cabal e racional. E aí mais uma vez se encontram suas formulações filosóficas e penais. Não é preciso que a lei seja “verdadeira”, aliás, não se cogita disso, e pode-se em relação a ela aceitar a assertiva atribuída a Hobbes: “auctoritas, non veritas facit legem”, isto é, é a autoridade e não a verdade o que faz a lei.

Mas a atividade judicial, ao contrário, está submetida à exigência da verdade: “veritas, non auctoritas facit iudicium”, ou seja, é a verdade e não a autoridade o que faz a jurisdição.

A decisão judicial não se justifica pela simples autoridade, como defenderia um realismo jurídico vulgar. Ela só se justifica se puder comprovar a verdade, a correspondência do raciocínio judicial com os termos da lei e da constituição, da forma mais objetiva possível e limitando-se ao máximo a subjetividade do juiz[6].


[1] FERRAJOLI, Luigi. El paradigma garantista: filosofía crítica del derecho penal. Madrid: Editorial Trotta, 2018, p. 57.
[2] Ibid., p. 50.
[3] FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo principialista e constitucionalismo garantista. In: FERRAJOLI, Luigi; STRECK, Lenio Luiz; TRINDADE, André Karam (orgs). Garantismo, hermenêutica e (neo)constitucionalismo: um debate com Luigi Ferrajoli. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p. 13.
[4] Ibid., p. 32.
[5] Idem. El paradigma garantista: filosofía crítica del derecho penal. Madrid: Editorial Trotta, 2018, p. 72.
[6Ibid., p. 73.

 é desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, professor de Direito Constitucional do IDP-SP, doutor em Direito do Estado pela USP e mestre em Direito Público pela Universidade de Toulouse.

Revista Consultor Jurídico, 16 de junho de 2018, 9h06

Comentários de leitores

1 comentário

Contraponto - professora italiana anna pintore

O IDEÓLOGO (Outros)

"Em tempos em que se defende cada vez mais a amplitude dos direitos individuais, a professora italiana Anna Pintore nada contra a corrente. Com uma visão diferente da vida em uma sociedade democrática, Anna acredita que as regras e o respeito aos direitos de cada um devem ser flexibilizados em prol do interesse coletivo. É o caso, por exemplo, do combate ao terrorismo. Afinal, questiona a professora, sem a certeza de segurança, como cada um vai exercitar seus direitos?
Anna Pintore é conhecida na Itália por se opôr a um dos maiores nomes do Direito hoje no mundo: Luigi Ferrajoli e sua teoria do Garantismo. “Ferrajoli subestima a imprecisão dos princípios constitucionais e a enorme magnitude do poder de decisão para moldar os direitos”, diz Anna. A professora se refere ao poder discricionário dos juízes de analisar inevitáveis colisões entre os direitos e decidir qual deve prevalecer ("https://www.conjur.com.br/2016-jul-10/entrevista-anna-pintore-professora-universidade-cagliari).

Comentários encerrados em 24/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.