Consultor Jurídico

Entrevistas

Tempos sombrios

"Advogadas conquistaram direitos, mas estão longe da igualdade com homens"

Comentários de leitores

11 comentários

Direito aos absurdos

Luiz Teotony do Wally (Advogado Autônomo - Consumidor)

A entrevista parece um discurso populista da mesma estirpe dos praticados pelos políticos em geral a partir 1985. Com o governo Sarney o Brasil entrou na trilha do vermelhismo e andou a passos largos no de FHC, entrou no auge nos governos petistas. O País saiu de pouco mais de 100 milhões de habitantes em 485 anos, para quase 250 milhões em 30 anos. Nesse período a miséria aumentou em torno de 200%, sendo consolada por esmolas da política, aplaudidas pela mídia vendida. Enquanto isso assaltaram o país escondidos em ideologias nefastas à dignidade humana. Assim, a maioria dos comentários postados, chegam a ser risíveis, como se exemplifica: "O TCU X “JUS ISPERNIANDI” DA OAB", "Todos sabem que mulheres, negros, muçulmanos, homossexuais, idosos, crianças, mendigos, pobres, miseráveis, índios, judeus, ciganos e outras minorias não são respeitadas.". De modo que, muitos estão querendo bolsas, cotas, vales , auxílios etc. Estão querendo individualmente uma sinecura.

Lucidez, ainda que em parte.

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

A entrevistada demonstra lucidez ímpar em alguns assuntos abordados. Por exemplo:
1) "Com relação às instituições privadas, eu sou a pior pessoa para falar disso, porque eu sou assessora jurídica do sindicato dos professores do município do Rio de Janeiro que atuam no setor privado. Mas a educação no setor privado tem virado mercadoria. Há grandes conglomerados econômicos, investidores estrangeiros, instituições financeiras investindo no setor.".
Este cenário tornou-se possível com a oferta populista de crédito "educativo". Na realidade, abriram-se dois mercados: de crédito, aos bancos públicos; financiamento de serviços para as faculdades, e aí o capital enxergou oportunidade gigantesca. O mercado do "canudo sem valor" só foi possível a partir do populismo governamental.
2) Quando trata das prerrogativas e da valorização, a entrevistada se destaca. Ao contrário dela, em uma certa Subseção de São Paulo, a Presidenta limita-se a fazer parcerias com salões de beleza, cafés da tarde, parques de diversão, inaugurar Salas de Advogado sem internet adequada... Enfim, Presidenta à semelhança da ex-Presidenta Dilma.

Opressão.

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Chega-se ao ponto de nem mais poder ter o direito de discordar e/ou expressar livremente o pensamento.
O temor é tanto, e mesmo que se discorde, silencia-se.
O interessante nisso tudo é ver o dilema (problema?!) no mundo do vôlei... feminino.
E agora?...

Qual o medo da OAB prestar contas ao TCU ?

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

O TCU X “JUS ISPERNIANDI” DA OAB
Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista .
Se Karl Marx fosse nosso contemporâneo, a sua célebre frase seria:” Sem sombra de dúvida, a vontade da OAB, consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites. Ufa! Com alegria tomei conhecimento do ACÓRDÃO Nº 1114/2018 que o Egrégio TCU, irá exigir da – OAB, a prestação de contas . Tudo isso a exemplo dos demais Conselhos de Fiscalização da Profissão. Qual a razão do “jus isperniandi” (esperneio ) da OAB? Qual o medo da OAB prestar contas ao TCU? Como jurista, estou convencido que OAB a exemplo dos demais conselhos de fiscalização de profissões tem a obrigação sob o pálio da Constituição, prestar contas ao TCU, os quais também arrecadam anuidades e taxas de seus filiados. Tudo isso em sintonia ao parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal, “ in-verbis” “Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária".
Estima que nos últimos vinte e dois nos só OAB, abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovação em massa, cerca de quase R$ 1,0 bilhão de reais, sem nenhuma transparência, sem nenhum retorno social e sem prestar contas ao TCU. Não existe no nosso ordenamento jurídico nenhuma lei aprovada pelo Congresso Nacional dispondo que OAB é entidade sui-generis? “Data-Vênia “ o Egrégio STF não tem poder de legislar. É notório que OAB gosta de meter o bedelho em tudo. Respeite o art. 37 CF

Mulheres

O IDEÓLOGO (Outros)

Todos sabem que mulheres, negros, muçulmanos, homossexuais, idosos, crianças, mendigos, pobres, miseráveis, índios, judeus, ciganos e outras minorias não são respeitadas.
Notícia recente: "Uma mulher pobre e em situação de rua, chamada Janaína Aparecida Aquino, foi obrigada por um promotor a se submeter a uma cirurgia de esterilização sem direito de defesa, inclusive, sendo vítima de condução coercitiva para que o procedimento fosse realizado. O caso aconteceu na cidade de Mococa, em São Paulo. O juiz, por sua vez, não realizou audiência, não nomeou um defensor e não pediu documentos que mostrassem que ocorreu consentimento por parte da mulher, que tem filhos. Apenas determinou a condução coercitiva para a operação. A denúncia foi feita por Oscar Vilhena Vieira, na Folha de S.Paulo" (https://www.revistaforum.com.br/juiz-e-procurador-ordenam-esterilizacao-de-mulher-em-mococa/).

Os comentários são sempre a cereja do bolo...

Felipe Soares de Campos Lopes (Advogado Assalariado - Criminal)

Você nem precisa ler a entrevista pra saber do chororô.
Não estou sendo irônico.

Demonstre

Observador.. (Economista)

Que no Direito - a área de atuação da entrevistada - existe discriminação às mulheres, por serem mulher.
Gostaria muito de saber.
Devemos estimular o mérito em nosso país.
Isto sim nos trará prosperidade e desenvolvimento.

Rita Cortez já previu esses comentários

Maluh Bastos (Estagiário)

Resposta aos comentários lamentáveis acima pela própria Cortez na entrevista:
"Educação é algo falta neste país. E exatamente pelo fato de a maioria da população brasileira não ter acesso a educação de qualidade, as pessoas não têm a exata compreensão dos seus direitos. Podem saber um ou outro, mas não têm compreensão da extensão do que significa você realmente lutar para preservar esses direitos, para que esses direitos não sejam distorcidos, para que esses direitos não sejam eliminados. Foi uma luta muito grande para restabelecer a democracia, para restabelecer o Estado Democrático de Direito. Talvez a nossa geração talvez compreenda isso melhor, do ponto de vista político. Sem dúvida nenhuma, a Constituição de 1988 melhorou a questão da cidadania. Mas se não se estimula, se não se incentiva realmente que a população seja educada no sentido de entender a extensão de suas garantias, sejam direitos individuais, sejam direitos coletivos, fica muito difícil. O povo fica muito à mercê do que é, muitas vezes, distorcido pela mídia — seja pelas redes sociais, seja pela monopolização da imprensa."

muda sexo

Manoel Carolos (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

Só falta agora essa senhora querer que elas ou nós mudemos de sexo...
a idiotice tá fogo, viu....

Invés de igualdade, privilégios...

eletroguard (Consultor)

Invés de meritocracia, o feminismo quer uma ginocracia que coloque as mulheres no poder por cotas...

O feminismo é uma aberração cognitiva a criar aberrações jurídicas, como o feminicídio...

choradeira de feminismo...

daniel (Outros - Administrativa)

advogadas têm até licença maternidade, já são maioria, mas continuam reclamando.

Comentar

Comentários encerrados em 18/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.