Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Expansão do Judiciário

STF pauta julgamento sobre criação de novos TRFs para próxima quarta-feira (6/6)

Quase cinco anos depois de uma liminar  que proibiu a criação de quatro novos tribunais regionais federais no país, o Supremo Tribunal Federal marcou para a próxima quarta-feira (6/6) o julgamento sobre a validade da Emenda Constitucional 73/2013, que cria os TRFs da 6ª, 7ª, 8ª e 9ª Regiões.

A ação, proposta há cinco anos e parada há quase dois, foi pautada a pedido do ministro Luiz Fux. A emenda foi suspensa em julho de 2013 por decisão do então presidente do STF, Joaquim Barbosa (hoje aposentado). 

SEDES JUDICIÁRIAS

Capitais que receberiam
novos tribunais

TRF-6
Curitiba
TRF-7
Belo Horizonte
TRF-8
Salvador
TRF-9
Manaus

Para a Associação Nacional dos Procuradores Federais, a PEC que originou a emenda viola o princípio da separação dos poderes, da proporcionalidade e da razoabilidade, pois deveria ter sido proposta pelo Judiciário. A ação considera que o Legislativo não poderia ter proposto normas que regulam o funcionamento de outro poder. 

Segundo Joaquim Barbosa, era muito provável na época que a União estivesse às voltas com carências e demandas tão ou mais relevantes do que a criação de quatro novos tribunais.

A despeito de suas obrigações constitucionais e legais, a União não terá recursos indispensáveis para cumprir seu papel para com os administrados. Ademais, a fragmentação da Justiça Federal é deletéria para uma Justiça que se entende nacional, afirmou o ministro em 2013. A Advocacia-Geral da União também se manifestou pela inconstitucionalidade da proposta.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com sede em Brasília e jurisdição em 13 estados mais o Distrito Federal, já defendeu a mudança em 2015, quando foi revelado que a corte, para estocar 62 mil processos da área previdenciária, teve de colocá-los numa garagem do prédio principal.

Se a emenda voltar a valer, o TRF-1 perderá abrangência sobre seis estados: Minas Gerais (que passaria para a 7ª Região); Bahia (8ª Região) e Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima (9ª Região).  Conforme o texto suspenso, as cortes deveriam ser instaladas a partir de seis meses de promulgada a EC 73. O texto, com poucas linhas, não estabelece regras sobre números de juízes nem aborda o que aconteceria com os processos já em andamento.

Apoio
A Ordem dos Advogados do Brasil também apoiou a formação dos novos TRFs, por entender que contribuiriam para acesso à Justiça. No mesmo sentido, a Associação Nacional dos Procuradores da República pediu para entrar como amicus curiae na ação, alegando que a criação de novas cortes tornaria mais efetiva a prestação jurisdicional em alguns estados.  

O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso, vê urgência no debate. “A Ajufe tem lutado desde a concessão da liminar suspendendo a instalação dos novos tribunais pela resolução do mérito da ADI 5017 pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.”

ADI 5.017

Revista Consultor Jurídico, 1 de junho de 2018, 16h06

Comentários de leitores

1 comentário

com o processo eletronico o ideal seria ter apenas um TRF

analucia (Bacharel - Família)

com o processo eletronico o ideal seria ter apenas um único TRF, e não criar mais TRFs para julgarem a mesma matéria de direito. Afinal, com audiências virtuais e com súmulas não faz mais sentido usar a máquina e dinheiro público para se julgar a mesma coisa milhões de vezes repetidamente. Os TRFs não publicam súmulas, pois se não ficariam sem serviço com a uniformização dos julgados, pois é quase tudo igual e resumido em uns 50 tipos de demandas.

Comentários encerrados em 09/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.