Consultor Jurídico

Embargos Culturais

​​A primavera de Casablanca, Said e o mundo dominado pelos dogmas e pela intolerância

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Outra opinião

Afonso de Souza (Outros)

Pois também se fala que Orientalismo contém erros, omissões, meias verdades, quando não mentiras deliberadas. O livro seria, nas palavras de Nelson Ascher, "uma diatribe confusa, desinformada e raivosa que se resume na aplicação a um caso particular da batida tese genérica de acordo com a qual intelectuais são, em sua maioria, lacaios da classe dominante" (Folha de São Paulo, 2003). Um reforço à corrente do terceiro-mundismo. Que os (neo)marxistas exploraram muito bem, como de hábito.

A triste visão compartimentada do ocidentalismo

Advogado. Pós-graduando em Filosofia e Teoria do Direito. (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

No campo da Filosofia há quem envide esforços em comprovar não a origem ocidental da filosofia, mas "A IMPOSSIBILIDADE da origem oriental da filosofia" (G. REALE), em um texto e em contexto que mais parece justificativo de prévias e apressadas conclusões do que propriamente investigativo da realidade. Demonstração clara e qualificada do nosso egocentrismo ocidental, que criou uma filosofia oficial e outra menor, subalterna, na medida em que os gregos pensavam por "amor à sabedoria" e os povos do oriente por mera "necessidade prática", como se isso toldasse os vastos e profundos conhecimentos adquiridos até então...

Só mais um capítulo da nossa burrice de todos os dias.

Puxa, até parece uma foto, bela quanto aos efeitos!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Pois é.... parece sim, pela destreza e facilidade descritiva do Professor, uma foto em preto e branco, como sempre. Mas o grande problema das fotos em preto e branco é que flagram o instante, ainda que o instante se perpetue, mas não acrescentam ao instante um caminho, uma cor. Ou será que não o fazem porque o caminho é sempre, para aqueles a quem se o indica, uma negação do "livro arbítrio" individual? __ O fato é que o "livre arbítrio" é, para quem o deveria exercer, uma solução para um processo de "livre artíbrio", isto é, decisões que se fazem sobre opções. A lezeira intelectual tem levado o Ser Humano, pior talvez, o Cidadão a não buscar alcançar o "seu livre arbítrio", exercendo, assim, seu processo de escolhas sobre uma solução que lhe é oferecida, e que lhe parece satisfazer a necessidade presente ao tempo da oferta-escolha. O tema, com alterações de locais, parece que ocorrerá no Brasil, brevemente, no processo de escolha eleitoral. Aceitarão os Eleitores, a quem se explicam os objetivos em lingua russa ou chinesa, ou até inglesa, os meios que serão adotados, simplesmente, para que possam VIVER COM ALEGRIA, SEM TRABALHO ou COM POUCO TRABALHO; SEM DOENÇA ou com TRATAMENTO para a DOENÇA QUE VIER, e assim para cada território do interesse privado. E todos ficarão felizes, e todos votarão naqueles que USAREM, apenas USAREM, os VOCÁBULOS CHAVES que À ALMA de CADA UM satisfizer, ainda que as EXPLICAÇÕES sobre os MEIOS continuem a ser formuladas em RUSSO, CHINÊS, INGLÊS ou qualquer outra lingua, porque não importa a COMPREENSÃO dos MEIOS, só importa a PALAVRA do FIM. E assim caminha a HUMANIDADE, aqui, em Casablanca, na Europa, com relação à África, à Síria, e, de modo geral, em qualquer parte do nosso Mundo.

Boa

Luciano Godoi (Outros)

Muito bom!
Superando a mania de fichamentos.
Senti algo real (por parte do missivista) no texto.

Comentar

Comentários encerrados em 30/07/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.