Consultor Jurídico

Limites ao Estado

Desconsiderar tempo de prisão por outra condenação é excesso de execução

É excesso de execução desconsiderar o cumprimento de pena desde a última prisão ou infração disciplinar em crimes cometidos antes do início da execução penal ou depois de faltas disciplinares graves.

A ministra Laurita Vaz concedeu três liminares em pedidos de Habeas Corpus para alterar data no cálculo de novos benefícios em execução de penas.
Gustavo Lima

Com esse entendimento, a ministra Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça, concedeu três liminares em Habeas Corpus contra decisões que consideraram a data do trânsito em julgado, e não da última prisão, como marco inicial para o cálculo de novos benefícios da execução.

Em análises de agravos no Tribunal de Justiça de Santa Catarina, os magistrados concluíram que nova condenação no curso da execução, a contagem do prazo para a concessão de benefícios é interrompida e passa a ter como novo parâmetro a pena unificada ou somada, considerando-se como termo inicial para a contagem do período aquisitivo a data do trânsito em julgado da última condenação.

A ministra do STJ utilizou o entendimento fixado pela 3ª Seção do STJ, de fevereiro de 2018, no sentido de que a alteração da data-base para concessão de novos benefícios executórios, por ocasião da unificação das penas, não tem respaldo legal. Na ocasião, o relator do caso, ministro Rogerio Schietti Cruz, afirmou que a alteração do marco afronta o princípio da legalidade e viola a individualização da pena (REsp 1.557.461).

Com a decisão de fixar a data da última prisão dos réus como termo inicial para a concessão de benefícios da execução, o mérito dos pedidos de HCs será analisado pela 6ª Turma do tribunal. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 456.819
HC 456.818
HC 456.820




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de julho de 2018, 13h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/07/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.