Consultor Jurídico

Exercício profissional

Advogado não comete crime ao sugerir que cliente evite apreensão de celular

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Pensava que para ser Promotor fosse necessário mínimos

João Bremm (Outros)

conhecimentos jurídicos.
Parece que me equivoquei.

Ingenuidade

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Só posso acreditar que foi ingenuidade tal ação penal, ora, para que serve o advogado? O que ele deveria fazer? orientar para entregar o celular desbloqueado? é tão surreal que se não houvesse nomes eu não acreditaria. Em todas as interceptações são separadas as gravações em que o investigado fala com seu advogado, salvo, se o advogado ordenar a prática de crime, o que se entende: mate, entregue a droga, venda a droga, lave o dinheiro, etc. Orientações do tipo, não se apresente, não diga nada, de fim nisso, não vá a esses lugares, combine bem a versão que orientei, troque de celular, etc. são situações corriqueiras.

Inacreditável!

NDC (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Não posso acreditar que foi instaurada uma ação penal contra o advogado com base em um grampo manifestamente ilegal.
O advogado não cometeu qualquer crime! É evidente!
Não pode mais orientar cliente?

Estado absoluto

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Caminhamos para uma época na qual o mero exercício da advocacia na defesa do cliente será considerado crime, com a complacência da OAB e da própria advocacia.

Comentar

Comentários encerrados em 13/07/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.