Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atividade externa

Governador do Rio não pode exigir presença de MP em conselho de direitos humanos

Por 

Cabe ao governador do Rio de Janeiro propor leis que disponham sobre a organização do Ministério Público. Mas ele não pode determinar a participação de promotores e procuradores de Justiça em órgãos externos.

Com esse entendimento, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça fluminense, por maioria, declarou, nesta segunda-feira (29/1), a inconstitucionalidade do artigo 4º, II, da Lei Complementar estadual 138/2010.

A norma criou o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos, que tem o objetivo de promover políticas públicas da área e apurar violações a garantias fundamentais. O artigo 4º da lei estabeleceu a composição do órgão. E o inciso II determinou que um integrante do MP, indicado pelo procurador-geral de Justiça, participe do conselho.

Mas o MP-RJ contestou a norma. De acordo com a entidade, a LC 138/2010 possui vício de origem. Isso porque cabe ao procurador-geral de Justiça propor lei complementar sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público, como prevê o artigo 172 da Constituição estadual.

Além disso, a norma possui inconstitucionalidade material, argumentou o MP-RJ. Segundo o órgão, promotores e procuradores não podem exercer atividades estranhas às suas funções, pois isso pode afetar suas independências funcionais.

O relator do caso, desembargador Nildson Araujo da Cruz, entendeu que não houve vício de iniciativa, já que o governador do Rio pode propor lei sobre a organização do MP, conforme o artigo 112 da Constituição fluminense. No entanto, o magistrado avaliou que o chefe do Executivo não pode obrigar integrantes do Ministério Público a participarem de órgãos externos à entidade.

O desembargador Nagib Slaibi Filho divergiu de Cruz. Ele afirmou que a participação de promotores e procuradores em conselhos está prevista na Lei Orgânica do MP. Porém, todos os demais integrantes do Órgão Especial seguiram o entendimento do relator.

Processo 0027744-77.2014.8.19.0000

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2018, 19h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/02/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.