Consultor Jurídico

Notícias

Despesa desnecessária

Juiz diz que investigação do MPF sobre prostituição é "vazia" e "inútil"

Comentários de leitores

13 comentários

Discípulo

Silva Cidadão (Outros)

Grande chefe. Com esta humilde decisão, aliada as minhas observações, em relação a postura do MP, são aquelas que assemelharam as suas.

Responder

Investigações sem pé e nem cabeça

Roberto MP (Funcionário público)

Investigar não é tarefa do Ministério Público, mas seus integrantes se arvoram a investigar!
Investigar não é atribuição do Ministério Público, porém, seus membros querem porque querem investigar! Será que é por vaidade? Querem aparecer perante a mídia ou interesses inconfessáveis?
Investigar é tarefa das polícias – civil e federal, mas não é de promotor e procurador da República. Eles não foram preparados para isso. Por quê?
Porque a Constituição Federal de 1988 estabeleceu quais as tarefas, quais as funções institucionais do Ministério Público. Elas estão elencadas nos incisos I a IX, do artigo 129 da Carta Magna! Seriam, teoricamente nove funções e em nenhum desses nove incisos consta a investigação de crimes. Mas eles deixam de realizar suas tarefas institucionais para entrar na seara alheia. E o resultado? São esses arremedos de investigação! São procedimentos pífios, sem pé nem cabeça, verdadeiros monstrengos! Mas eles insistem na investigação. E os resultados serão sempre essas besteiras! E quem paga é o contribuinte.

Responder

... esses promotores ...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

... da 'escola rjanot', ou seja, uns desocupados que não tem algo mais útil que fazer na vida, cometeram o crime de denunciação caluniosa ... uma prática bem mais comum do que se imagina ...

Responder

É para glorificar de pé, Igreja.

Paulo Andra (Advogado Autônomo - Civil)

Parabéns ao juízo pela brilhante sentença. A moral extrapola os limites do direito e não o contrário...A pena pelo descumprimento de regra moral é apenas de consciência, ou seja, só diz respeito ao sujeito. Perda de tempo e dinheiro que beira à má-fé.

Responder

Será que foi tão mau trabalho mesmo?

Leonardo Carmo (Advogado Autônomo - Empresarial)

"Segundo o juiz, as mulheres citadas são maiores de idade, capazes e sem situação de penúria, que escolheram manter relações sexuais em troca de US$ 4.500 por viagem." -- pensei que isto aqui era a própria descrição de favorecimento da prostituição, desde que se olhe pela perspectiva dos "ofertantes". Que tal a filha (maior de idade) do juiz aceitar a ocupação de sugar baby de um velho da idade dele, com presentes condicionados ao sexo? Será que ele vai achar tão trivial?

Responder

Para Olhovivo

Professor Edson (Professor)

É olhovivo vamos acabar com o MPF, talvez é isso que idiotas populistas e seletivos querem, depois vamos acabar com a PF e judiciário, fazer críticas é uma coisa, até mesmo natural no debate sadio e racional, mas pedir o fim do MPF é coisa de gente mal intencionada e populista.

Responder

Efeito mídia...

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Com tanta "moral" dada pela mídia aos paladinos dos MP's, situações desse naipe repetir-se-ão de forma assustadora.

Responder

Sai no fantástico

olhovivo (Outros)

"Pelo menos saiu no Fantástico em 2013", isso é o que vale para o MPF. Já passou da hora de se discutir a redefinição (talvez extinção) desse órgão que, além de caro, é campeão em denúncias ineptas e aventureiras lançadas apenas para satisfazer o vedetismo patológico de alguns acusadores. Parabéns ao Juiz Assad que, ao contrário de muitos (pseudo) juízes, não se limita a chancelar as pirotecnias dessa ineficiente instituição que ainda tem a cara de pau de se arvorar em 4º poder, mas que dá náuseas a quem minimamente a conhece.

Responder

Ministério público

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Os membros do Ministério Público e das Polícias são preparados. Eles conseguem enxergar um criminoso, apenas pela forma como ele anda na rua.
O medo domina as relações sociais e interfere no processo.
Quando morei em uma comunidade do Rio de Janeiro, percebi que, certos assuntos, não eram discutidos publicamente, diante de determinações dos poderosos locais. A Democracia, simplesmente, não era exercida.
Eu pergunto: Como uma testemunha, receosa de retaliações vai revelar a sua versão dos fatos? Simplesmente, não vai querer se envolver. E essa situação atinge milhões de testemunhas em milhões de processos criminais.
É por isso que o CRIME não pode vencer.

Responder

Criticas

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Muitas vezes recebemos criticas pela não instauração ou pela apuração em autos preliminares como forma de não expormos vitimas e suspeitos, muitas vezes alguns enxergam isso como corrupção, em especial alguns mais afoitos, mas a convicção da ocorrência de crime é muito diferente da prova da ocorrência de crimes. No caótico sistema brasileiro nem sempre é possível provar, em especial em casos como este em que muitas vezes as vitimas nem se dão conta que são vitimas.

Responder

Denúncia vazia e arbitrária

Xarpanga (Advogado Autônomo - Civil)

Se estivesse em vigor a nova lei do abuso de autoridade, o autor da denúncia poderia sofrer sanções penais, independente da administrativa e civil.

Responder

Regra geral

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nada de novidade. Denúncias vazias, com viés exclusivamente ideológico, infelizmente é a regra de atuação do Ministério Público brasileiro, enquanto os crimes de elevada ofensividade crescem assombrosamente.

Responder

Cai na real, afaste a utopia.

RODRIGO.ADV. (Advogado Assalariado - Civil)

Cuidando-se de uma investigação utópica, deveria o MPF arcar com as despesas do erário, ops, mas eles também compõem as despesas do erário..., neste caso a responsabilidade tem que ser pessoal de seus subscritores. É o que penso!

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 24/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.