Consultor Jurídico

"Peça fundamental"

Prisão preventiva de advogada acusada de aconselhar Beira-Mar é mantida no STJ

A prisão preventiva de uma advogada suspeita de ser ligada ao traficante Fernandinho Beira-Mar foi mantida pela presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz. Ao indeferir pedido para determinação de medidas cautelares alternativas à reclusão, a magistrada disse que não viu qualquer ilegalidade que justificasse a mudança.

Antes do STJ, a advogada questionou sua prisão preventiva no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (AC, AM, AP, BA, DF, GO, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR e TO). A corte rejeitou o pedido afirmando que a advogada é “peça fundamental na lavagem de dinheiro da organização criminosa” e seria a principal conselheira do traficante.

Por proximidade com traficante, advogada teve a prisão preventiva mantida pela presidente do STJ, Laurita Vaz.
Gustavo Lima

Laurita Vaz viu nesses argumentos motivação suficiente para manter a decisão. Justificou ainda que as medidas alternativas pedidas pela defesa seriam insuficientes para neutralizar as ações criminosas atribuídas ao grupo.

Segundo a ministra, não há ilegalidade patente no caso que autorize a imposição de medidas cautelares diversas da prisão ou a concessão da prisão domiciliar, que também foi pedida pela defesa. Essa segunda opção foi sugerida por causa do estado de saúde da advogada, que estaria prestes a ser operada em razão de um câncer na tireoide.

Segundo a ministra, diante da motivação que indeferiu a liminar no tribunal de origem, “não há como se reconhecer, de plano, ilegalidade patente que autorize a mitigação da Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal, cuja essência vem sendo reiteradamente ratificada por julgados do Pretório Excelso e do Superior Tribunal de Justiça”.

O dispositivo citado define que “não compete ao Supremo Tribunal Federal conhecer de habeas corpus impetrado contra decisão do Relator que, em Habeas Corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar”.

Sobre a prisão domiciliar por conta de problemas de saúde, a ministra Laurita Vaz destacou que a alegação não foi examinada pelo tribunal de origem, o que inviabiliza o debate dessa matéria no STJ, sob pena de supressão de instância. A ministra afirmou que é reservado ao TRF-1 analisar essa questão e também a alegação de excesso de prazo da prisão preventiva (sete meses).

O mérito do pedido feito no STJ será analisado pela 6ª Turma, com a relatoria do ministro Antonio Saldanha Palheiro. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 432.164




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de janeiro de 2018, 17h25

Comentários de leitores

2 comentários

STJ atropela prerrogativas

SÉRGIO LOBO (Advogado Assalariado)

Mesmo no conselho ao vil vilão, não vá o sapateiro além do sapato, a Ministra caberia abster-se de julgar a advogada e sim julgar o fato do vilão em si. Este sim é o réu e não a advogada.

Abismo

O IDEÓLOGO (Cartorário)

“ Se olhares demoradamente para dentro do abismo, o abismo olhará para dentro de ti”. - FRIEDRICH NIETZSCHE, filósofo alemão.
A advogada olhou para o abismo, e o abismo olhou para ela.

Comentários encerrados em 19/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.