Consultor Jurídico

Presunção de regularidade

Palavra de policiais é o que mais influencia juízes em casos de tráfico, diz pesquisa

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

Aguardem, senhores !

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Algum dia acontecerá com um dos que confiam plenamente em policiais, especialmente os militares. Tráfico não se presume, prova-se !

Com razão o ...

João Ricardo 1 (Outros)

"Servidor estadual"...quem é que quer ser testemunha de processo de tráfico?...sugiro, então, que a Defensoria designe integrantes seus para participar das diligências policiais....pesquisadores e integrantes de organizações de "direitos humanos" também podem participar...

Simples

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Subam os morros do Rio de Janeiro e consigam lá uma testemunha contra os traficantes, mas nem nos Estados em que não há deflagração de conflito em situação de guerra, com fuzis e granadas se consegue testemunhas contra traficantes, imagina no Rio de Janeiro.

PMs prendiam usuários como traficantes para bater meta

henrique nogueira (Estudante de Direito - Civil)

Acusados de manter um esquema criminoso de recebimento de propinas, policiais militares do 7º batalhão, (São Gonçalo) chegavam a acusar usuários de drogas de serem traficantes, mesmo sabendo que não eram.
O objetivo era atingir a meta de prisões da unidade. A prática foi descoberta pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo durante investigação que resultou na prisão de 83 PMs acusados de receberem dinheiro de traficantes para não coibirem o tráfico de drogas.
De acordo com informações da especializada, os PMs faziam apreensões de drogas após combinação com os traficantes, que deixavam os entorpecentes em endereços já acertados.A investigação que levou ao pedido de prisão de 96 policiais do batalhão de São Gonçalo (7º BPM) evidenciou uma história covarde dos PMs que atuavam como sócios do tráfico de drogas na cidade. Foram interceptadas ligações telefônicas que revelam acordos de recebimento de propina, venda de armas para traficantes de comunidades de São Gonçalo e apreensões pré-combinadas para justificar o “sucesso” das operações policiais.

E para não prender os traficantes que realizavam negócios rotineiros com os criminosos de farda, os agentes prenderam usuários de drogas, que eram apresentados na delegacia como traficantes. O objetivo alegado era bater a meta de prisões do batalhão.

Em discurso no plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco cobrou a imediata reabertura de todos os processos com participação dos policiais denunciados e criticou a farsa da política de guerra às drogas.

“O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro precisa rever todas as condenações por tráfico de drogas oriundas de processos em que esses policiais testemunharam contra os condenados. Melhor a Revisão de todos os processos.

Assim no mundo todo

Professor Edson (Professor)

É assim no mundo todo, mas aqui por ser o país da impunidade e hipocrisia quem sabe a defensoria não entra com um HC coletivo para soltar todos traficantes presos por testemunho policial, quem sabe o STF e seus patrocinadores do crime togados não aceitam!!!

Comentar

Comentários encerrados em 3/03/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.