Consultor Jurídico

Notas Curtas

Da Redação

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dedos cruzados

OAB divulga lista preliminar de aprovados na 2ª fase do XXIV Exame de Ordem

Foi divulgado nesta segunda-feira (19/2) o resultado preliminar da segunda fase do XXIV Exame de Ordem Unificado (prova prático-profissional), aplicada no dia 21 de janeiro. Para quem quiser recorrer, o prazo começa a correr a partir das 12h da próxima terça-feira (20/2) e vai até as 12h de sexta (23/2), conforme o horário de Brasília, no site da Fundação Getulio Vargas.

O resultado final deve ser anunciado no dia 6 de março. Quem não for aprovado pode usar a nota da primeira fase no XXV Exame — o edital de repescagem deve ser publicado na quinta (22/2). A aprovação no Exame de Ordem é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado.

Clique aqui para ver a lista de aprovados.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de fevereiro de 2018, 13h58

Comentários de leitores

4 comentários

É livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

(...) A Constituição garante o direito ao livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão.” - Vasco Vasconcelos,escritor e jurista
(...)
FIM URGENTE DO TRABALHO ANÁLOGO A DE ESCRAVOS, OAB.
"A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo”. Segundo o ex-Ministro do STF, Joaquim Barbosa: “Reduzir alguém a condição análoga à de escravo fere, acima de tudo, o princípio da dignidade humana, despojando-o de todos os valores ético-sociais, transformando-o em res, no sentido concebido pelos romanos”.
(...)
A propósito se os nossos governantes não fossem submissos aos mercenários da OAB, respeitassem realmente a Constituição Federal, notadamente o Princípio Constitucional da Igualdade, o primado do trabalho, a dignidade da pessoa humana, enfim o livre exercício profissional cujo título universitário habilita, já teriam abolido o trabalho análogo a de escravos, a escravidão contemporânea da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, enfim já teriam banido do nosso ordenamento jurídico, a excrescência do pernicioso, fraudulento, concupiscente, famigerado caça níquei$ exame da OAB, o jabuti de ouro da OAB, uma chaga social que envergonha o país dos desempregados. Liberdade, liberdade abre as asas sobre os 130 mil cativos da OAB, que exigem tratamento igualitário, aos médicos, engenherios, psicólogos, administradores (...).
LEIA NA ÍNTEGRA ESTA AULA MAGNA.
http://impresso.dm.com.br/edicao/20180115/pagina/28
http://impresso.dm.com.br/edicao/20180115/pagina/29

O Exame da Ordem instituiu o Princípio da isonomia na advoc

Luiz Teotony do Wally (Advogado Autônomo - Consumidor)

O direito de reclamar assiste a todos, daí a razão dos ataques ao Exame da Ordem. Ora, há profissões intelectuais várias, bastando o pretendente concluir o curso superior na IES específica e pronto, passa a exercer o mister escolhido. No caso da advocacia, essa requer um diferencial para que o direito do cidadão seja defendido por quem tenha tal capacidade devidamente mensurada minimamente; esse é o fundamento do exame de proficiência profissional exigido pela OAB, é a segurança jurídica para o jurisdicionado, o cidadão cliente.
Antes da implantação do Exame referido, existia um verdadeiro desrespeito aos bacharéis diplomados por faculdades privadas; como exemplo, em certa unidade federativa brasileira havia quatro faculdades de direito, duas na capital, sendo uma pública, federal, outra privada; uma em certa cidade vizinha e outra em cidade do interior, essas duas últimas, também privadas.
O descredito se dava assim: quem se formava na faculdade pública era Advogado; quem se bacharelava na faculdade privada da capital era advogado; quem era oriundo da faculdade da cidade vizinha da capital, era vítima; o diplomado na do interior, era réu.
Então, de forma simples, o exame referenciado aplica o Princípio da Isonomia. Isto é, todos os advogados são iguais por força do Exame da Ordem.

Estamos cansados !!

LunaLuchetta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Senhor Vasconcelos,
Já estamos cansados de sua ladainha, sem "pé nem cabeça" e muito menos argumentos. Se quer nos convence da inutilidade do Exame de Ordem, destile pelo menos argumentos. Por favor.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/02/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.