Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acusada de assassinato

Julgamento de "ex-brasileira" nos EUA começará no dia 16 de abril

Por 

O juiz Andrew Logan, de um fórum criminal do Condado de Trumbull, em Ohio (EUA), marcou o início do julgamento da "ex-brasileira" Claudia Sobral (Claudia Hoering, nos Estados Unidos) para 16 de abril. A decisão foi tomada em uma audiência preliminar nesta terça-feira (6/2) para se discutir aspectos processuais do julgamento.

O juiz concordou com o pedido da Promotoria de desconsiderar o tempo que Claudia ficou presa no Brasil e contar o prazo de 90 dias para garantir o julgamento rápido (speedy trial) apenas a partir do dia em que ela foi presa nos EUA — ou seja, a partir de 17 de janeiro, quando chegou ao país, após ser extraditada pelo governo brasileiro.

Claudia durante audiência em fórum de Ohio, depois de ser extraditada aos EUA.
Reprodução/WKBN 

No entanto, o juiz marcou uma outra audiência especial para 20 de fevereiro, para dar oportunidade aos defensores públicos de Claudia de pedir uma extensão do prazo para início do julgamento, se precisarem de mais tempo para preparar a defesa, de acordo com o jornal The Vindicator e sites das emissoras de televisão locais.

Os dois promotores do condado, Dennis Watkins e Chris Becker, declararam que estão prontos para o julgamento. Eles informaram ao juiz que já entregaram aos defensores públicos, dentro do processo de discovery, as provas que colheram e uma lista de 49 testemunhas. Entre elas a pessoa que vendeu para Claudia o revólver .357, que teria sido usado no crime, e o marido do primeiro casamento.

Claudia é acusada de homicídio qualificado com arma de fogo, que implica agravamento da pena. Segundo a acusação, ela matou seu então segundo marido, o major da Aeronáutica Karl Hoerig, com dois tiros, em 12 de março de 2007. No mesmo dia, ela fugiu para o Brasil, onde permaneceu impune por 10 anos e 10 meses, até que perdeu a cidadania brasileira e foi extraditada.

A acusação sustenta que Claudia matou seu marido porque ele anunciou que ia se separar. Uma das razões da separação seria a de que os gastos dela eram excessivos. Os jornais contam a história de que, quando fugiu para o Brasil, Claudia deixou para trás 77 pares de sapato, 59 vestidos, 19 ternos executivos, 12 casacos e 69 suéteres. O ex-marido, do primeiro casamento, vai testemunhar que a deixou por causa de seus gastos excessivos.

A pedido dos defensores públicos Matt Pentz e David Rouzzo, o juiz concordou em emitir uma ordem de silêncio (gag order) sobre o caso, que deverá ser cumprida por todos os envolvidos no julgamento. A gag order, literalmente “ordem da mordaça”, impede que o caso seja discutido em público e que declarações sejam feitas à imprensa, para evitar a incitação da opinião pública.

Com essa ordem, que visa garantir um julgamento justo para a ré, as partes só podem se pronunciar no processo e nas audiências. Seu descumprimento pode resultar em transferência do julgamento para outra jurisdição fora do Condado de Trumbull, o que sairia muito caro para a defesa e a acusação.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 7 de fevereiro de 2018, 15h06

Comentários de leitores

2 comentários

Precedente perigoso

DRM Advocacia (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Não resta dúvida que ela está sendo acusada de um crime muito grave, mas, a extradição dela para os EUA abriu um perigoso precedente, para todos aqueles brasileiros que juraram a bandeira americana, e que sequer sabiam que perderam sua nacionalidade tupiniquim ao fazê-lo. Serve de alerta doravante, não somente em razão da possibilidade de ser extraditado, mas, principalmente, a perda de todos os direitos inerentes a sua nacionalidade de origem. A pergunta é? Ele se nacionalizou americana ou se naturalizou americana?, lá nos EUA eles chamam de "teste de naturalização". Pois bem, na segunda hipótese, ela não perderia sua nacionalidade brasileira nem seria extraditada.

Né?

Ian Manau (Outros)

Independente de ela ser ou não culpada, a expulsão foi por motivos políticos, pois um militar AMERICANO foi assassinado. Quem duvida?

Comentários encerrados em 15/02/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.