Consultor Jurídico

Notícias

Reestruturação de carreiras

Servidores técnicos não podem exercer funções de procuradores em autarquia

O Plenário do Supremo Tribunal Federal julgou parcialmente procedente a ação direita de inconstitucionalidade que questionava lei do Espírito Santo que cria cargos e reestrutura carreiras de forma a permitir que servidores comissionados ou de áreas técnicas, ainda que jurídicas, elaborem peças jurídicas de assessoramento e consultoria, além de fazer a representação judicial dos estados e de órgãos públicos. 

A ADI foi ajuizada pela Associação Nacional dos Procuradores de Estado (Anape), que sustenta que partes do Anexo Único da Lei Complementar 734/2013 e do Anexo IV da Lei Complementar 890/2018, ambas do ES, contrariam a Constituição Federal, porque ao criarem atribuições complementares e específicas para uma categoria de servidores técnicos, com formação em Direito, do Departamento de Trânsito (Detran-ES), estariam usurpando prerrogativas e funções exclusivas da carreira de procurador de estado.

Entre essas atribuições estão as de elaborar pareceres, editais, contratos, convênios, acordos e ajustes celebrados pela autarquia, além de exercer sua representação em juízo ou fora dele nas ações em que haja interesse do órgão público.

De início, o Plenário registrou que a legislação impugnada, apesar de não ter criado uma Procuradoria paralela, atribuiu ao cargo de técnico superior do Detran-ES com formação em Direito diversas funções privativas de advogado. Assim, conferiu algumas atribuições de representação jurídica do departamento de trânsito a pessoas estranhas aos quadros da Procuradoria-Geral do Estado, com violação do artigo 132, caput, da Constituição.

Por outro lado, entendeu que não se pode deslocar qualquer atuação técnico-jurídica da autarquia para a Procuradoria, porque esta não poderá fazer frente à gama de trabalho, sob pena de ter suas atividades inviabilizadas. Nesse contexto, é válida a atuação jurídica dos servidores técnicos no âmbito interno, sobretudo em atividades de compliance, como conceber e formular medidas e soluções de otimização, fiscalização e auditoria.

Por fim, os ministros ressaltaram que, sob o princípio da confiança e do postulado da segurança jurídica, é razoável a modulação dos efeitos da declaração de inconstitucionalidade. Pretende-se, com isso, resguardar tanto a manutenção dos cargos em questão, excluídas as atribuições judiciais inerentes às Procuradorias, quanto a validade dos atos praticados até a presente data, com base na teoria do funcionário de fato. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 5.109

Revista Consultor Jurídico, 23 de dezembro de 2018, 8h37

Comentários de leitores

1 comentário

Reprovados

O IDEÓLOGO (Outros)

Os reprovados em curso, às vezes inúmeras vezes, procuram através da lei direitos próprios de outros profissionais.

Comentários encerrados em 31/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.