Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

Desinformação e má fé motivam acusação de omissão contra a OAB

Comentários de leitores

6 comentários

Respeito a todos

frank_rj (Outro)

Com a mesma ênfase defendo as prerrogativas do advogado, do juiz, do acusado. Infelizmente convivemos com aqueles que sentam sobre suas prerrogativas e toleram, senão defendem, a condução coercitiva, os grampos e provas ilegais. Tem gente do direito fechando os olhos para o direito desde que seja contra seu adversário.

O agente de interesses privados

O IDEÓLOGO (Outros)

É evidente que o advogado deve ter liberdade para exercitar o seu mister, porque em caso contrário, o próprio direito do constituinte é prejudicado. Porém, o advogado deve, por força da lei, segui-la cegamente, porque não é mero sujeito de direito privado, mas exerce um "munus público". Esse encargo exige que o advogado não submeta o interesse do cliente e seus interesses à esfera distinta daquela originária da lei.
Por exemplo, quando o advogado serve de "pombo correio" de informações ilícitas, ele não merece a proteção da OAB.
Aqui no Conjur, edição eletrônica de 30 de julho de 2017, o Ministro Raul Jungamann disse: "as penitenciárias brasileiras se transformaram em home-office de facções criminosas que atuam no país. "Nós temos que cortar essa comunicação. E aí, a sociedade tem que encarar isso. Não dá para continuar tendo, infelizmente, defensores desses bandidos, que, muitas vezes, são cooptados e muitas vezes servem como pombo-correio”, afirmou.
No início de junho deste ano, Jungmann já havia defendido a apresentação de um projeto de lei para autorizar o registro de comunicações entre presos, advogados e familiares dentro dos presídios".

Leite derramado

André Pinheiro (Advogado Autônomo - Tributária)

Muito bom o texto, em suma após apoiar o golpe, a OAB chora o leite derramado. Isso não é conquista, isso é retirar o prego depois do furo na parede.
Vergonhoso e tarde demais. A serpente já chocou o ovo.
Bravos advogados criminalistas se viram achincalhados, invadidos, fragilizados lutando sozinhos pelo direito. A OAB que foi omissa não pode querer ganhar o louro destes heróis. Esperavamos mudança, esse ano, mas não veio, isto porque a plebe de advogados, maioria, não despertou para exijir mudanças, por hora são apenas massa de manobra, que sequer exijem voto direto para o conselho federal em separado. Por hora, são meros advo gados.

Nossas Prerrogativas foram, mais que nunca, defendidas!

Jorge H Elias (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Durante o último triênio fui testemunha ocular de todo o trabalho, desprendimento e luta em prol das nossas prerrogativas, sabemos da luta intransigente por elas, da parte do Conselho Federal, tal qual o fazemos em nossa Subseção!
Parabéns, amigos Jarbas e Cássio, que Deus permita a continuidade dessa luta e conceda força a vocês para continuarem essas batalhas! Contem sempre conosco!

Comissão nacional defendeu preerogativas como nunca!

Elias Mattar Assad (Advogado Associado a Escritório)

Muitos tiveram prerrogativas violadas e sequer comunicaram as suas Estaduais das OABs.
Os casos que chegaram oficialmente ao conhecimento da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas do Conselho Federal, tiveram respostas.
A Caravana das Prerrogativas esteve nos mais longínquos torrões de nosso Brasil.
Parabenizo toda a Comissão, nas pessoas dos Presidentes Jarbas e Cássio., pelos excelente trabalhos e ingentes esforços.
Uma coisa é “crer” ou “supor” e outra é conhecer o trabalho.
Esses comentários negativos leigos e encomendados, se prestam a campanha para desmoralizar a advocacia e sua Instituição Maior!

Papo furado; balela; Verdadeira enganação

Manente (Advogado Autônomo)

Já precisei da Comissão de Prerrogativas e não fui atendido.
Resolvi no peito. Na marra.
Somente quem já precisou sabe como funciona o sistema arcaico, omisso e falido.

Comentar

Comentários encerrados em 31/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.