Consultor Jurídico

Notícias

Sem provas

TSE rejeita denúncia contra Bolsonaro por abuso de poder econômico

Por 

Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral rejeitou nesta terça-feira (11/12) um pedido da coligação do PT, no período eleitoral, para investigar a campanha do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL),  por suposto abuso de poder econômico.

No voto, o relator, ministro Jorge Mussi afirmou que o processo não reúne “provas robustas” capazes de demonstrar a existência de grave abuso de poder suficiente a ensejar as rigorosas sanções da cassação do registro do diploma, do mandato ou inelegibilidade, previstas em uma condenação em Aije.

Na ação, protocolada em outubro deste ano, a Coligação o Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/PROS) alegou que os então candidatos a presidente e vice-presidente da República, bem como o empresário Denisson Moura de Freitas, dono da Komeko, empresa nacional que atua no ramo de ar-condicionado, teriam cometido abuso de poder econômico porque Freitas teria emitido comunicado pedindo que seus funcionários utilizassem adesivos e camisetas de apoio ao candidato Jair Bolsonaro.

Segundo a acusação, a empresa teria contribuído de forma pecuniária para a compra do material, e todos os funcionários teriam trabalhado durante a “semana Bolsonaro” uniformizados com as camisetas.

Para Jorge Mussi, as razões não são suficientes para condenação. “Não configura prática abusiva o engajamento de empresário na campanha de determinado candidato mediante encaminhamento de vídeo aos seus funcionários no qual se limita a convidá-los a participar de atos de campanha", disse.

O voto foi acompanhado pelos ministros Og Fernandes, Admar Gonzaga, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e pela presidente da Corte, Rosa Weber.

Aije 060157558

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2018, 10h34

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.