Consultor Jurídico

Notícias

Sem reajuste

OAB do Rio Grande do Sul mantém valor da anuidade em 2019

O valor a ser pago em 2019 pelos advogados inscritos na OAB do Rio Grande do Sul até 2014 permanecerá o mesmo deste ano: R$ 1.117,80.

Em reunião, a seccional gaúcha decidiu que os advogados com inscrição a partir de 2014 pagarão R$ 809,55; os profissionais inscritos em 2017 ou 2018, R$ 639,55. Já a anuidade dos estagiários será de R$ 308,40.

Todos esses valores poderão ser parcelados em até 12 vezes e os descontos para os pagamentos adiantados também foram mantidos. Desta forma, o advogado que quitar a anuidade, à vista, até o dia 15 de janeiro de 2019 pagará R$ 978.

Segundo o tesoureiro, André Luís Sonntag, a OAB-RS analisou os números e os índices inflacionários e os custos da instituição e concluiu que as anuidades podem ser mantidas. “A previsão orçamentária apresentada ao conselho reflete as previsões de receitas, custos e investimentos da entidade em 2019”, disse Sonntag.

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2018, 20h49

Comentários de leitores

2 comentários

Deveria antecipar o fim do trab. análogo a de escravos,OAB

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Os mercenários gostam de meter o bedelho em tudo.
OAB não tem interesse em melhorar o ensino jurídico. Só tem olhos p/ os bolsos dos seus cativos. Tx concurso p/ adv. da OAB/ DF apenas R$ 75, taxa do pernicioso jabuti de ouro, o caça-níqueis exame da OAB, pasme R$ 260,(um assalto ao bolso). Estima-se que nos últimos 24 anos OAB abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovações em massa cerca de mais de 1.0 BILHÃO DE REAIS. Todo mundo sabe como funciona o enlameado Congresso Nacional. Assim fica difícil extirpar esse câncer a máquina de triturar sonhos e diplomas. Trabalho análogo à condição de escravo. O Egrégio STF ao julgar o INQUÉRITO 3.412 AL, dispondo sobre REDUÇÃO A CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO. ESCRAVIDÃO MODERNA, explicitou com muita sapiência (…) “Para configuração do crime do art. 149 do Código Penal, não é necessário que se prove a coação física da liberdade de ir e vir ou mesmo o cerceamento da liberdade de locomoção, bastando a submissão da vítima “a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva” ou “a condições degradantes de trabalho”, (...) A “escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos. Priva-se alguém de sua liberdade e de sua dignidade tratando-o como coisa e não como pessoa humana, o que pode ser feito não só mediante coação, mas também pela violação intensa e persistente de seus direitos básicos, inclusive do direito ao trabalho digno. A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo" .

É para levar a sério?

Zelmir Faraon (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Não é nada demais a OAB/RS não ter aumentado o valor da anuidade nesse.
O valor é absurdamente elevado, R$ 1.117,00, que seja para oferecer aos advogados gaúchos zero de retorno.
Não há qualquer benefício que a OAB ofereça aos advogados, ou seja, o custo benefício é só custo, pois sequer uma agenda é fornecida sem que haja desembolso financeiro.
Em verdade a OAB e suas finanças são uma caixa preta.
As atitudes da OAB federal, apoiada pela OAB/RS atentam diretamente à dignidade do direito, pois sempre que puderam se posicionaram a favor de um processo de impeachment de uma Presidenta, sem que houvesse crime.
Defender uma posição ideológica é uma coisa, mas usar a entidade representativa dos gaúchos para defender todas as ilegalidades processuais praticadas pelo juiz de Curitiba é um absurdo.
Talvez seja nisso que a OAB/RS tem gasto tanto dinheiro, porque com apoio aos advogados certamente não o foi.

Comentários encerrados em 19/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.