Consultor Jurídico

Parcialidade de Moro

Gilmar pede vista e 2ª Turma adia julgamento de pedido de liberdade de Lula

Retornar ao texto

Comentários de leitores

10 comentários

Sobre o "correr atrás do vento", já falei por aqui!

Bacharel em Direito e pós graduado (Assessor Técnico)

Queridos, Graça e Paz a todos. Não ponho minha "mão no fogo" por LULA, porém, ele terá certa comodidade legal ao completar seus 80 anos de idade (caso alcance), já que o art. 318, I, do CPP, prevê que ele poderá [não deverá] ir para a prisão domiciliar, no mais, terá "muita sorte" se alcançar tal benesse antes. Tenham certeza que, em razão da(s) ação(ões) penal(ais) dele ser(em) muito volumosa(s), sequer é(são) lida(s) na íntegra; com isso, digo que, qualquer recurso, embargo etc., é mesmo que correr atrás do vento. Portanto, já que, a nenhum de nós foi dado o direito de ter conhecimento do subjetivo de quem quer que seja, o subjetivo da parcialidade funciona no subjetivo dos julgadores (embora, haja poucas exceções) das mais variadas instâncias a quo e ad quem, nada nos garante que o subjetivo "pré subjetivado" não funcionou contra LULA, com isso, ele continua correndo atrás do vento. E, olhem lá! Ainda quando completar os 80 anos, caso consiga, já que somos mortais, não carecerá, nessa situação, de subjetivo e im(parcialidade) para extinção da pena (art. 107, I, do CP), ademais, para a concessão desse atual e legal benefício, o subjetivo do Juízo da Execução Penal irá ser utilizado sobre a expressão "poderá", prevista no caput do art. 318/CPP. Então, continuará o LULA correndo atrás do vento, já que, enquanto existir subjetivo como terreno que ninguém pode entrar, a parcialidade não deixará de funcionar. E, quem pode provar que o(s) Magistrado(s) não se utilizou(aram) do subjetivo para condenar? Enfim, pela Lei da "Ficha Limpa" (inconstitucional, embora haja enfrentado o crivo do STF) LULA é um sujo, mas, à luz do art. 15, III, CRFB, também o é?
A Graça e a Paz de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo sejam com todos.
João Marcos
(81)9.9984-6900

Pedido de vista

CGSanromã (Advogado Autônomo - Civil)

MATREIRO. O STF vai entrar em recesso. O que virá durante o recesso? A Turma só regressará em fevereiro de 2019. O que estará arquitetando o Ministro Gilmar com esse pedido suspeito de vista? Sabe-se que ele e Lewandowsky são cartas marcadas, melhores defensores de Lula do que os seus próprios advogados. O Presidente Tófoli surpreende ensejando vista no Plenário para só decidir do indulto em fevereiro/2019 após o pedido de vista do Ministro Fux e dele próprio.
Jogadas em todos os sentidos e nós olhando de longe sem podermos dizer nada.
Mas que é muito feio o que estão dando de exemplo para o povo, sem dúvida é. Estão interpretando a Constituição pela LETRA e não pelo seu ESPÍRITO. A redação de 1988 está sendo LIDA em 2018 sem respeitar o que se fazia na época e o que se deveria fazer agora. MAS, INTERPRETAR, PARA DEFENDER VIOLADORES DAS LEIS escritas e dos princípios da MORALIDADE, Deus meu!, incongruência.
Desculpe-me o decano, mas é proteção a quem praticou o crime, SIM.

Ao Bernardelli

Pyther (Advogado Autônomo - Administrativa)

De todo o seu texto a única coisa que tem coerência é a declaração de não entender de direito.
As decisões de Moro foram revistas por um colégio de Desembargadores (3 para ser exato). Revistas em STJ por ministros e no STF. E nenhuma foi entendido haver o que o você acha que tem.
Mas para vcs, só entende de direito quem vota a favor de Lula. Lamentável. Quando vão sair desse estado psicótico e cair na realidade?
Ah e não não são só os 50 e poucos por cento a favor da condenação do Lula. São muitos mais, como a todos os outros políticos. O povo esta se cansando.

O mito da imparcialidade

Dr. Marco Seixas (Advogado Autônomo - Civil)

Por mais que se queira imaginar que Sergio Moro tenha agido somente com o ideal da "justiça e moral", é ingenuidade acreditar que se possa separar o julgamento pessoal do profissional.

É óbvio que Sergio Moro nutre um sentimento negativo contra Lula, assim como milhões de outros brasileiros. E é óbvio também, que nesse caso a caneta acaba pesando mais...

Então, por mais que se queiram endeusar Moro, não forcem a barra para que todos acreditem em sua "imparcialidade"...

STF e Lula

Daniel (Outros)

vamos ficar de olho. Gilmar, Lewandowski...cheira mal

"Eu não entendo de direito"

Schneider L. (Servidor)

Há pessoas que já se declaram leigas e ignorantes do próprio assunto que constantemente comentam, de maneira tão confiante.

Para aqueles que começam suas sentenças nesse sentido, cabe uma ilustre citação: “É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do quer falar e acabar com a dúvida.”

Nota da Redação - comentário ofensivo Comentário editado

Schneider L. (Servidor)

Comentário ofensivo removido por violar a política do site.

O que é ser parcial e imparcial

S.Bernardelli (Funcionário público)

Eu não entendo de direito, mas sei O QUE É SER PARCIAL E IMPARCIAL como todo mundo sabe. O que o Moro fez quando juiz somente cego é que não via, ou melhor, dizendo até cego via. Moro durante esses anos foi perseguidor do LULA SIM, agiu POLITICAMENTE SIM, foi PARCIAL SIM. Assim como vem agindo a PGR, Fachin Cármen Lucia, Fux, Barroso, até o Toffoli COM OPORTUNISMO E NÃO COM JUSTIÇA. Hoje Gilmar salvou o STF de passar vergonha. Se eles tivessem consciência já teriam julgado o caso do MORO CNJ, mas também não fizeram. Quase todo mundo condena a atitude de SERGIO MORO. Eles (OS MINISTROS) pensam que aqueles cinquenta e poucos por cento que votaram em Bolsonaro são a favor dessa condenação AO LULA estão redondamente enganados. Quanto ao ao comentário de comparar GILMAR COM SERGIO MORO acho fim da picada. GILMAR tem suas FALHAS SIM, já agiu sim como POLITIQUEIRO, mas nunca foi um juiz DISSIMULADO E TÃO DESQUALIFICADO COMO O FANFARRÃO MORO.

Vergonha é pouco.

Osvaldir Kassburg (Oficial da Polícia Militar)

Só no Brasil, ou melhor, só um STF de composição exclusivamente marxista, para uma situação dessas ser motivo de debates e/ou divergências.
Ora, a decisão de Sérgio Moro é técnica, estribada em fatos e muito bem embasada juridicamente. Já foi motivo de todo tipo de recurso possível, sendo mantida à unanimidade por todos os ministros que examinaram a causa. Agora, por que o juiz Sérgio Moro aceitou servir a Nação como ministro da justiça (fato posterior), a decisão ficou passível de suspeição. Nos poupem.
Suspeito mesmo é advogados que alçaram a condição de ministros da Corte Suprema por indicação política, julgarem quem lhes presenteou com essa "humilde" indicação.
Enquanto isso, ministro que se declara "atipunitivista", que solta todo tipo de criminoso, manda prender advogado por dizer que tem vergonha do STF. Se os senhores não sabem, todos os brasileiros honrados têm vergonha do STF.
O Brasil não merece essa composição. A Nação não confia e não dormirá tranquila, enquanto não apear essa "herança PTista" da cúpula do Poder Judiciário.

Coisa perigosa

Professor Edson (Professor)

Declarar Moro suspeito por ser o futuro ministro, seria como declarar Gilmar Mendes suspeito por ter sido advogado-geral da União antes de se tornar ministro, é uma coisa muito perigosa, se existem provas cabais da parcialidade do Moro jogue na mesa, mas loucuras como esse pedido não é bom para uma democracia, não é bom ser aceito.

Comentar

Comentários encerrados em 12/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.