Consultor Jurídico

Notícias

Liberdade de organização

Quatro ministros votam a favor da terceirização no Supremo

Por 

Por quatro votos a três, o Plenário do Supremo Tribunal Federal se mostra, preliminarmente, a favor da possibilidade de terceirização de atividades-fim. O julgamento foi suspenso pela terceira vez, nesta quinta-feira (23/8), e deve ser retomado na próxima quarta-feira (29/8). Faltam votar os ministros Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Num regime capitalista, o Estado não pode interferir na forma que as empresas se organizam se não houver violação de lei, afirma Alexandre de Moraes.
Rosinei Coutinho/SCO/STF

Na sessão de quarta-feira (22/8), os ministros Luís Roberto Barroso e Luiz Fux votaram pela constitucionalidade da terceirização da atividade-fim, proibida pela Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho. Barroso, relator da ADPF que discute o assunto, votou a favor da terceirização e afirmou que não há lei que proíba a prática. Já o ministro Luiz Fux, relator do recurso contra a súmula do TST, afirmou que o verbete é inconstitucional é inconstitucional. A súmula só permite a terceirização do que chama de "atividades-meio".

Na sessão desta quinta, o primeiro a votar foi o ministro Alexandre de Moraes, que seguiu o entendimento dos relatores. Pra o ministro, a Constituição não proíbe a terceirização de serviços e não faz restrições ao que pode ser terceirizado. "A Constituição, além de não estabelecer uma proibição, adotou o regime capitalista. No sistema capitalista, não compete ao Estado determinar um único modo de fluxo de produção, isso compete ao empreendedor”, disse.

O ministro destacou também que há erro nos conceitos de intermediação ilícita de mão de obra e terceirização. “A garantia é de proteção ao trabalhador. Quando dizem que os direitos são apenas destinados ao trabalhador tradicional é um erro. As garantias são destinadas aos autônomos e terceirizados também. Se houver pratica ilícita com desrespeito e abuso ao trabalhador, não se trata de terceirização, se trata de uma fraude de prestação de serviços. Não se pega algo que é fraudulento e se chama de terceirização”,  afirmou.

O ministro Dias Toffoli seguiu os relatores. “Não se trata de uma desautorização da Justiça do Trabalho. A discussão do assunto reflete a realidade de um mundo globalizado, novo”, disse.

Divergência
O ministro Luiz Edson Fachin abriu divergência ao afirmar que, por falta de legislação é justa a limitação de jurisprudência. Para ele, o caso não deveria ter sido levado ao Supremo. “Com esses limites, a atividade interpretativa da Justiça do Trabalho, diante da ausência de lei específica, a Súmula 331 do TST não se coaduna com o controle de constitucionalidade, mas com um controle de legalidade.”

Para o ministro, é inviável o afastamento da Consolidação das Leis Trabalhistas à contratação de mão de obra interposta. “A Súmula 331 manifesta o entendimento majoritário da justiça especializada, no que concerne a terceirização de mão de obra pelo TST”, disse.

Para o ministro, não há violação dos princípios da livre iniciativa e da liberdade.“Está na Constituição federal proteger as relações de emprego. O que se deve buscar é o equilíbrio dos princípios da Constituição, por meio de uma atividade interpretativa. Não vejo incompatibilidade entre a súmula e a Constituição”, destacou.

A ministra Rosa Weber seguiu a divergência e se opôs à terceirização de atividade-fim. “Com essa permissividade, não haverá geração de emprego. Apenas será determinado se o posto de trabalho é direto e protegido ou se é precário e terceirizado. Há consenso da terceirização ser uma estratégia de concentração das organizações em suas atividades principais, com externalização das atividades", disse. O ministro Ricardo Lewandowski também seguiu a divergência.

ADPF 324
RE 958.252

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 23 de agosto de 2018, 19h18

Comentários de leitores

5 comentários

Cheio de especialistas de facebook e uniesquinas por aqui

João Bremm (Outros)

Um comerdarista, digo, comentarista tenta associar "função social da propriedade" como contraponto ao capitalismo (como se fossem excludentes!). Ora, o art. 170 deixa claro a opção pelo capitalismo no "Caput" que fala "...fundada na valorização do trabalho humano e na LIVRE INICIATIVA". Livre iniciativa pode significar liberdade de contratar, observadas as ressalvas dispostas em lei e na constituição, sendo que esta não veda a terceirização, gostemos ou não.

E o golpe contra os trabalhadores continua...

Armando do Prado (Professor)

Lamentável, mas a oligarquia, via seus representantes, continua golpeando os direitos trabalhistas, aqueles mesmos consolidados por Vargas.
Que o ministro indicado por Temer seja a favor de esfolar o trabalhador, não temos novidade, mas o Barroso continua se superando na sua escalada rumo ao absurdo. Que água andou tomando ?

Tem sistema capitalista na Constituição?

MCintra (Outros - Administrativa)

Quer dizer que "a propriedade atenderá a sua função social" (art. 5º, XXIII e art. 170, inc. III) é capitalismo? Tá sabendo bastante o Ministro... Onde raios ele leu que a Constituição adotou o sistema capitalista? Ainda existe essa divisão? Quais as outras opções? Comunismo e socialismo? O Brasil está mais para socialista do que capitalista pois há previsão EXPRESSA na CONSTITUIÇÃO sobre os DIREITOS SOCIAIS (art. 6º) e a ORDEM SOCIAL TENDO POR O B J E T I V O O B E M - E S T A R E A J U S T I Ç A S O C I A I S (art. 193). Pelamordedeus...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.