Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Insegurança jurídica

Tabelamento do frete é inconstitucional, afirma especialista em Direito Econômico

O tabelamento do frete rodoviário é inconstitucional e causa insegurança jurídica, afirma o advogado José Del Chiaro, especialista em Defesa da Concorrência e ex-secretário de Defesa Econômica do Ministério da Justiça. A conversão em lei da medida provisória que tabelou o frete terrestre no Brasil foi publicada nesta quinta-feira (9/8).

Tabelamento do frete prejudicará todos os setores da economia e "retroage a um Brasil do passado", diz advogado.
Reprodução

Segundo Del Chiaro, trata-se de “uma lei feita no afogadilho, sob chantagem de uma categoria, em afronta ao Estado de Direito. Não apenas gera total insegurança jurídica, como retroage a um Brasil do passado”.

O advogado explica que a Constituição Federal proíbe a regulamentação do transporte terrestre por medida provisória. Como a lei teve origem na Medida Provisória 832, editada para atender às transportadoras que conduziram a greve, em maio, ela também é inconstitucional. Em artigo publicado na ConJur, Del Chiaro disse que a MP era “um retrocesso”.

“O Supremo Tribunal Federal dará a palavra final sobre o tema. Espera-se que o guardião da Constituição tenha todo o cuidado na preservação e respeito a suas expressas determinações, especialmente quanto à utilização indevida de MP para regulamentar o transporte terrestre”, diz Del Chiaro.

Segundo ele, enquanto o Supremo não julga as ações de inconstitucionalidade sobre o tema, as empresas do agronegócio e suas entidades representativas devem trabalhar para amenizar “os impactos negativos dos excessos hoje vigentes”.

Para Del Chiaro, "é certo que o governo ficou acuado. Também é certo que os valores de frete e custos de logística mereciam há muito tempo a atenção do Executivo e Legislativo. Contudo, revogar de supetão a lei da oferta e procura por Medida Provisória como no caso presente, além de ignorar expressa vedação constitucional, viola o fundamento da liberdade de iniciativa, os princípios da livre concorrência e a proteção ao consumidor".

O advogado aponta que o efeito do tabelamento será o aumento do preço. E a consequência será o encarecimento de praticamente todos os produtos consumidos pelos brasileiros.

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a greve causou perdas de R$ 5,2 bilhões ao varejo em cinco estados em junho: os supermercados perderam R$ 2,8 bilhões e o setor de combustíveis, R$ 2,4 bilhões.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirma que o faturamento do setor caiu 16,7% entre abril e maio deste ano, como decorrência da greve. Já a ociosidade da indústria cresceu 76%, por causa da queda na distribuição dos bens produzidos.

"O próprio governo parece ter ignorado várias consequências”, reclama Del Chiaro. “Na hora que sobe todos esses preços, com uma tabela mal elaborada, não adequada à realidade, o governo federal prejudica os municípios, os estados e a própria União, porque vai vender menos e ter menos tributos para arrecadar, além de aumentar a inflação”, calcula.

Revista Consultor Jurídico, 9 de agosto de 2018, 17h53

Comentários de leitores

1 comentário

Iludido advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Vamos levar isso pra prática. Foi dito que a lei mesmo sofrendo deformações de aplicação pelo Estado de Direito, ela contem fortíssimas doses de politica, jurídica e subjetividade o aplicador. REVEJA os julgamentos atuais, seus métodos. Também, que a lei tem suas oportunidades seja no tempo ou no momento social, dai sua interpretação pela toga para o ajuste ao fato. É um cabresto disforme. Seu brasil só descobre erros depois que o caldo entorna. Não tratou de colocar trilhos nos transportes terrestres dos bens móveis. Agora, diante de uma greve desse tamanho, não se vai falar em lei em afronta à Constituição. E, sem muitas explicações, como ficaria se essa lei não tivesse acordado a greve em guerra. Ai sim, poderia haver um desastre social. Na hora da guerra não há espaço para consertar armas. E, tem mais, nem agora se poderá fazer nada neste sentido, pois, ainda tem muitas cargas nas estradas. É próprio de pais latrino, pobre. Nos EE.UU isto seria resolvido devagar. Porém, no Japão e só aqui, não teria chance de prosperar. O salário morte (M) daqui é a metade de Portugal apesar que também é pobre. PENSE NISSO!

Comentários encerrados em 17/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.