Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pesquisa Global

Brasil é 1º na percepção da corrupção no mundo corporativo, aponta pesquisa

Por 

Embora 96% dos executivos brasileiros digam achar que existe corrupção nas empresas em que trabalham, apenas 10% admitem ter sido corruptos em troca de algum benefício. No índice da "percepção da corrupção", o Brasil é líder, mas o país fica abaixo da média da América Latina, de 14%, no cometido de atos de corrupção.

É o que se conclui da pesquisa Global Fraud Survey, publicada pela empresa Ernst & Young a cada dois anos. Foram ouvidos 2.550 executivos de 55 países. Do Brasil, foram ouvidas 50 pessoas.

De acordo com a pesquisa, em 2014, ano que entrou em vigor a Lei Anticorrupção, 70% dos empresários diziam haver corrupção nas empresas. O crescimento para 2018 foi significativo. Mas só o de quem ouviu dizer. Quando o recorte acontece dentro do próprio setor de trabalho dos entrevistados, a percepção também aumentou, mas em uma escalada menor, de 18% em 2014 para 20% em 2018.

No papel
Para Guilherme Meistre, sócio de investigação e fraudes da Ernst & Young, o estudo demonstra que “a intolerância à corrupção está no campo das intenções”. “Ainda existe um caminho a percorrer para efetivamente impedir que ela aconteça”, concluiu.

A aparência de integridade, no entanto, não tem muito a ver com a vontade de ser correto. É mais uma estratégia de negócio, afirma José Francisco Compagno, sócio da mesma Ernst & Young.

“Tem uma razão mais intrínseca de querer fazer a coisa certa porque é a coisa certa, mas tem o objetivo de negócio, extremamente relevante, que é manter o valor das organizações. A grande maioria investe no combate à corrupção e de fraude para preservar valor para os seus acionistas. O que não deixa de ser um motivo legítimo também”, comentou Compagno.

Para ambos os sócios, a distância entre as intenções e o comportamento real das corporações no Brasil pode estar na falta dos mecanismos de fiscalização das políticas e leis internas, além da aplicação de punições quando estas regras são quebradas. Ou seja, para combater a corrupção não é suficiente escrever suas "missões e valores" ou seu "código de conduta", mas efetivamente monitorar estas normas.

Clique aqui para ler a pesquisa (em inglês).

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de abril de 2018, 7h11

Comentários de leitores

1 comentário

O Brasil que eu quero

Ricardo Cubas (Advogado Autônomo - Administrativa)

O Brasil que eu quero é um país que eleja políticos com o sério comprometimento de implodir o nefasto capitalismo de compadrio que sufoca a livre concorrência/empreendedorismo e encarece, artificialmente, todos os produtos e serviços ofertados aos consumidores.

O capitalista brasileiro ama o capitalismo de compadrio e odeia o capitalismo real. Até quando essa aberração irá continuar?

Comentários encerrados em 07/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.