Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Liberdade parlamentar

Celso de Mello nega queixa de Jean Wyllys contra Bolsonaro por ofensas

Por 

A liberdade de expressão deve ser ampla aos parlamentares, principalmente quando estão atuando no Congresso. Assim entendeu o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, ao rejeitar queixa-crime apresentada pelo deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) contra o colega Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

O deputado Jean Wyllys foi xingado por Bolsonaro durante reunião de comissão. Reprodução

Wyllys foi ao Supremo após discutir com Bolsonaro em uma reunião da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e ser chamado de “idiota”, “imbecil” e “cu ambulante”. O psolista alegou que sua honra e dignidade foram feridas.

Em parecer, o Ministério Público Federal recomendou que o caso fosse arquivado, sob o entendimento de que Bolsonaro falou sob a proteção da imunidade parlamentar.

Para o ministro Celso de Mello, a garantia de liberdade de expressão dos legisladores deve ser preservada, conforme a jurisprudência do STF.

“Há de ser ampla a liberdade de palavra assegurada aos membros do Congresso Nacional, ainda mais quando essa prerrogativa constitucional for exercida, como sucedeu no caso ora em exame, no âmbito da própria Casa legislativa a que pertence o parlamentar e for praticada em plena sessão de comissão técnica reunida para debates de determinado projeto de lei”, afirmou o decano.

Segundo o ministro, a cláusula de inviolabilidade parlamentar qualifica-se como causa de exclusão constitucional da tipicidade penal da conduta do congressista em tema de delitos contra a honra, afastando, por isso mesmo, a própria natureza delituosa do comportamento em que tenha incidido.

Clique aqui para ler a decisão.
PET 5.626

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2018, 16h58

Comentários de leitores

2 comentários

A Vergonha Mi-Mi-Mi...

Ian Manau (Outros)

A honra e a dignidade dos cidadãos de bem do país foram atingidas quando esse senhor foi eleito deputado.

Depois da dita-dura a tortura

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

Ne pas oublier. Qual a diferença do valhacouto parlamento tupiniquim dos bordels franceses...? A moral que nos legam não pode ser objeto de historicidade por nenhum novel
Esopo ou Heródoto. Pena: 'stamos na "Era dos extremos", Eric Hobsbawm

Comentários encerrados em 03/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.