Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Embargos Culturais

1984 e o problema da ambiguidade das palavras: o amor foi traduzido por ódio

Por 

Sobre o livro 1984, de George Orwell, tenho a impressão de que tudo já foi dito, escrito e explicado1. Esse perturbador texto já foi esquadrinhado, esmerilhado, glosado de todos os ângulos e à luz de todos os problemas que seu autor propôs, ou que nem mesmo pensara em propor. Aviso que não há nada de novo nas observações que seguem. Há apenas uma inquietação minha para com mal-entendidos que derivam de palavras inadequadamente faladas ou escritas. Falamos mais do que devíamos e menos do que pensamos. Onde estaria o meio-termo?

1984 faz parte de um conjunto de obras que predicam cética e negativamente o futuro, ao lado, entre outros, de Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Esses livros descrevem sociedades manipuladas, opiniões públicas forjadas pelos detentores do poder, relações humanas frias, mediadas pelo uso de computadores e da cibernética. Huxley e Orwell anteciparam-se às mensagens de celulares, muitas vezes cheias de malícia e de intenções duvidosas. Essas obras anteciparam-se a todas as formas presentes de controle. Inclusive são pródigas no uso do silêncio, que pode ser mais ensurdecedor do que aquele grito do quadro de Edward Munch (1893). Um silêncio fulmina mais do que mil discursos. Lembremo-nos da personagem cheia de mágoas da Casa dos Espíritos, de Isabel Allende, livro genialmente transportado para o cinema, com as atuações de Meryl Streep, Glenn Close, Jeremy Irons e Winona Ryder.

Na distopia de 1984, palavras e conceitos foram transformados, em contexto no qual hábitos se transformavam em instintos. Winston Smith, o herói solitário, em seus 34 anos opressivamente vividos, funcionário do Ministério da Verdade, simboliza o destinatário dessa transformação conceitual, na qual as palavras deixam de exprimir coisas e conceitos. Smith trabalhava no Departamento de Documentação. O título é sugestivo e pode designar simplesmente todos os lugares da burocracia.

Outras palavras subvertidas havia. Na novilíngua (língua de 1984), “vaporizar” significava “executar”; isto é, quanto aos opositores do regime, “na vasta maioria dos casos não havia julgamento, não havia registro de prisão, (...) as pessoas simplesmente desapareciam, sempre durante a noite”2; o desaparecido era cancelado, aniquilado, dizia-se que fora “vaporizado”3. Pequenas metáforas que insinuavam ações perversas.

Nessa imaginária sociedade (que tinha endereço: Londres, Faixa Aérea Um, província da Oceânia) quatro ministérios dividiam as atividades de controle e de administração. O Ministério da Verdade cuidava das notícias, do entretenimento, da educação e das belas artes. O título é ortodoxo. O Ministério da Verdade era imenso, contava com cerca de 3 mil salas. Ocupava-se com a criação da realidade, da fixação de assuntos e circunstâncias, o que talvez não se distancie muito de alguma imprensa contemporânea, a serviço do interesse de seus controladores. O Ministério da Verdade tinha por incumbência forçar a todos a aceitar como verdadeiras as mentiras contadas pelo partido4. Tinha-se por certo a necessidade do controle da verdade; afinal, “quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente controla o futuro5”. O passado, em 1984, não fora alterado ou transformado: fora simplesmente destruído.

O Ministério da Pujança cuidava da economia planificada. O título é otimista. O Ministério da Paz cuidava da guerra. O título subverte meios e fins ou, no limite, fazia o plano infalível dos estrategistas romanos, que afirmavam que o melhor preparo para a paz é a preparação para a guerra. Paradoxal, mas muito eficiente.

O Ministério do Amor cuidava da lei e da ordem. O título descentra e desconecta a ideia de amor, enquanto força criadora, tornando-o um rótulo para com a obediência ao regime. O Ministério do Amor era, também paradoxalmente, o mais apavorante. Segundo Orwell, “o edifício não tinha nenhuma janela (...) era impossível entrar sem uma justificativa oficial, e mesmo nesses casos, só transpondo um labirinto de arame farpado, portas de aço e ninhos ocultos de metralhadora”6.

Também metaforicamente, essa definição topográfica de amor parece ser desconcertantemente fiel: o arame, o aço e a bala semelham barrar qualquer forma de entrega na vida real, ainda que signifiquem reciprocidade, o que qualifica qualquer relação humana civilizada. Sem reciprocidade, só há doação, que um dia esgota-se em si mesma, quando se percebe sua total perda de sentido. Denomino de doações unilaterais: tudo se dá, nada se pede em troca. Bonito nos livros de autoajuda, constrangedor quanto tenta se ajudar verdadeiramente; ou pelo menos quando se tenta sobreviver.

Em 1984, o Partido tinha como slogan as afirmações de que a guerra era a paz, a liberdade era a escravidão e a ignorância era a força. Curiosamente, em 1984 nada era ilegal, justamente porque não existiam leis7. Ainda assim, algumas ocorrências eram punidas com a pena de morte, o que sugere um mundo contraditório: não havia leis, porém havia sanções.

Havia um inimigo do povo, Emanuel Goldstein, contra quem se devotavam os sagrados “dois minutos de ódio” diários. Fora um traidor original, “o primeiro conspurcador da pureza do partido”8. Nas cerimônias dos “dois minutos de ódio”, “um barulho mexia com os nervos das pessoa e arrepiava os cabelos da nuca”9; algo como um bater interminável de panelas. Em contraposição, o “Grande Irmão”, que a todos vigiava, e cujo o retrato em todos os lugares estava. Goldstein e o Grande Irmão foram inimigos viscerais. Goldstein fora banido porque defendia a liberdade de expressão, de imprensa e de reunião; além do que, gritava histericamente que a revolução fora traída”10. Venceu o “Grande Irmão”.

O sistema também funcionava na premissa de que o inimigo do momento era o fiel representante do mal absoluto11. Era preciso, assim, singularizar e identificar o inimigo a todo o tempo. Sua eliminação era condição mesma de sobrevivência do regime. O Direito Penal do Inimigo, moda da criminologia contemporânea, assustadoramente verdadeiro, já fora ensaiado na distopia de Orwell.

1984 é um livro belíssimo, sempre atual, que sugere que as palavras dizem menos do que queremos, significam mais do que desejamos, não reflitam nunca exatamente o que queremos e que escondem sempre o que realmente pensamos.


1 George Orwell, 1984, São Paulo: Companhia das Letras, 2009. Tradução de Alexandre Hubner e de Heloísa Jahn.
2 George Orwell, cit., p. 30.
3 Cf. George Orwell, cit., loc. cit.
4 Cf. George Orwell, cit., p. 47.
5 Cf. George Orwell, cit., loc. Cit.
6 George Orwell, cit., p. 15.
7 Cf. George Orwell, cit., p. 17.
8 George Orwell, cit., p. 22.
9 George Orwell, cit., loc. cit.
10 Cf. George Orwell, cit., p. 23.
11 Cf. George Orwell, cit., p. 47.

 é livre-docente em Teoria Geral do Estado pela USP e doutor e mestre em Filosofia do Direito e do Estado pela PUC-SP. Tem MBA pela FGV-ESAF e pós-doutorados pela Universidade de Boston (Direito Comparado), pela UnB (Teoria Literária) e pela PUC-RS (Direito Constitucional). Professor e pesquisador visitante na Universidade da Califórnia (Berkeley) e no Instituto Max-Planck de História do Direito Europeu (Frankfurt).

Revista Consultor Jurídico, 22 de abril de 2018, 8h05

Comentários de leitores

4 comentários

O que se há de fazer?

Luiz Teotony do Wally (Advogado Autônomo - Consumidor)

A partir do século VIII, surgiu a inquisição, inicialmente contra alguns povos, depois contra o judaísmo. A partir do século XVI, o cristianismo já como sistema religioso e com suas entidades hierarquizadas ( compostos por seitas católicas e evangélicas) e aberto às novas avançou ideias de seitas; chegou-se a união dos dois sistemas contra o sistema islâmico.
Nesse caminhar nasceu a forma socialista de Marx e seus asseclas, em contraposição ao socialismo bíblico, foi preciso cunhar a expressão ateu e atribui-la aos novos estados socialista, Revolução Russa. Com os postulados de Antônio Gramsci, desviou-se os olhares e os entendimentos para o novo comunismo; de onde adveio a intentona comunista de 1935 no Brasil, que barrada reapareceu com a revolução do proletariado em 1964. Nesse momento, por vaidade ou ignorância, fizeram a contrarrevolução e nominaram de Revolução de 1964, com período efêmero, até 1985. Durante esse espaço temporal o General Golbery do Couto e Silva, o mentor estratégico e cultural desse período político, usou a inteligência da raposa, junto a Dom Paulo Evaristo Arns, para criar um partido politico para o sindicalista Lula, para evitar que Brizola assumisse o PTB. Vide o general e o PT, em www.google.com.br. O resultado foi o governo do General Figueiredo, boi de piranha na transição governo militar para civil. Daí adveio a mostrenga CF/1988, pondo o País nessa insegurança geral. Portanto, o que se há de fazer?

O que há de se fazer ?

Luiz Teotony do Wally (Advogado Autônomo - Consumidor)

Filio-me ao articulista e aos dois comentaristas, isso em parte, vez que a questão é bem mais profunda por não haverem analisado todas as ideologias sustentadoras das ideias fundamentadoras da obra 1984. A bíblia, primeiro volume ou velho testamento cuida das duas maiores das ideologias: política e religião como duas faces de uma mesma moeda, nele, do inicia ao fim alas são dogmatizadas, de tal forma que criaram a expressão: "política e religião não se discute”. Então, o livro sagrado dos dois maiores sistemas religiosos, judaísmo e cristianismo não podem ser questionados por ofensa as entidades ali hierarquizadas. Ainda nos primórdios dessa religiosidade nasceram as cizânias entre os poderosos religiosos e políticos a ponto de ameaçarem o poder romano. Em Roma os cidadãos adoravam seus deuses, desvinculados do estado. Enquanto os pobres, os escravos e outros desvalidos não podiam adorar divindades razão deles se reunirem em catacumbas para imaginarem uma vida melhor, reafirmou-se a ficção céu. Com o avanço dessas vontades populares em Roma, advieram as mesmas contradições que padeciam o judaísmo; por isso oficializaram o cristianismo no Império. Esse ainda como religião demonstrou quão difícil é concertar as mentes humanas para o bem-estar da própria espécie; houve o primeiro cisma, e mais à frente o próprio cristianismo fez ruir o Império Romano. Todavia, os romanos sobreviventes passaram a responsabilizar os povos bárbaros pelo fim romano. Depois, lá pelo século V, os membros do judaísmo avançaram pela Europa praticando o escambo comercial até criarem os embriões de bancos (nas feiras, sentados em banquinhos com uma gavetinha, emprestavam dinheiro a contra recibo), chegaram até os nossos dias como donos do capital. A partir do século VIII,

Decadência

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

A decadência dos valores morais e políticos de uma comunidade de modo geral se reflete no desvirtuamento da linguagem, mostrando a correlação/interdependência entre linguagem, moral e política.
A novilíngua – newspeak orwelliano, cujo ‘código genético’ foi decifrado por GEORGE ORWELL, em 1984 como uma patologia linguística [perversão da linguagem pelo socialismo], é uma forma de corrupção da linguagem e do significado das palavras e, obviamente das instituições [a mente e o corpo, claro, já estão corrompidos]; instrumentalizada com objetivos sociopolíticos criminosos, explica certos ataques impiedosos contra as instituições.
Juiz que cumpre a lei, passa a agir sem ‘provas’, ou imputado de autoritário; a Polícia, é sempre apedrejada, mesmo quando age no estrito cumprimento do dever legal; os movimentos auto denominados ‘sociais’ quando invadem propriedades públicas/privadas “ocupam” e as invasões se justificam como se fora dentro da lei e o governo não toma nenhuma medida porque é um governo que ‘cumpre a lei’; violência física e danos ao patrimônio por parte desses movimentos – mera reivindicação de cunho social; policiais cumprindo mandado judicial, “invadem”; informar fatos e acontecimentos noticiando as mazelas, sobretudo a corrupção do [des] governo, é sinônimo de “deslealdade”; "autoridade" - "autoritarismo"; "sanção” se converteu em "repressão”, senão em estado de exceção; "disciplina" - "rigidez"; confisco, expropriação pelos “bolivarianos” - nacionalização ...Assim, o que não confere com certa 'linguagem progressista’ ou ‘politicamente correta’ é logo atacado, sobretudo, os atos judiciais.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/04/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.