Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Por analogia

Com base no STF, juíza do Trabalho antecipa penhora de bens de empresa

Por 

A tese da execução provisória da pena na esfera penal foi aplicada pela juíza Germana de Morelo, da 9ª Vara do Trabalho de Vitória, para determinar a penhora de ativos numa execução, mesmo pendente recurso aos tribunais superiores.

“Tal entendimento deve ser estendido à execução trabalhista com a alienação de bens e pagamento dos valores devidos ao credor quando superadas as instâncias primárias, ante a ausência de efeito suspensivo dos recursos aos tribunais duperiores, sendo evidente que direito à propriedade não se sobrepõe ao da liberdade”, declarou a julgadora em despacho publicado nesta segunda-feira (16/4).

Ela considerou possível conferir à execução “caráter definitivo por analogia à decisão do STF que firmou o entendimento, em Habeas Corpus 126292, da possibilidade de execução de sentença penal condenatória por tribunal de segundo grau”.

Em decisão breve, Germana citou o princípio da razoável duração do processo, estabelecido no artigo 5º da Constituição, e determinou a penhora eletrônica de ativos da empresa devedora “até o limite da dívida atualizada”. Ela deixou aberta, porém, a possibilidade de audiência, para ver ser as partes entram em acordo amigável por meio de conciliação.

Clique aqui para ler a decisão.
0080901-75.2013.5.17.0009

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de abril de 2018, 21h06

Comentários de leitores

4 comentários

Uma justiça parcial.

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Deveria ser extinta ... não se pode denominar de justiça a parcialidade institucional. Quanto ao despacho em comento, quero ver como é que fica se a decisão que arrima a penhora antecipada for reformada.

Curta e grossa, mais grossa do que curta...

Rinaldo Araujo Carneiro - Advogado, São Paulo, Capital (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

A decisão curta e grossa tem lógica e fundamento, sabido é que não raro o Devedor-Reclamado se esquiva e desaparece, isso quando não desaparece com os bens, a fim de não honrar a condenação.
A ligeireza da Juíza substituta capixaba também é elogiável: Decidiu/despachou no dia 12/04 e já intimou pra audiência no dia 19, na semana seguinte.
Pau na máquina cabeludo !

Incongruente

O IDEÓLOGO (Outros)

Mais uma decisão da Especializada, totalmente incongruente.
O recurso é recebido no efeito devolutivo. A devolutividade não alcança as consequências de direito material.

Ver todos comentáriosComentar