Consultor Jurídico

Colunas

Segunda Leitura

As diretivas antecipadas e o sofrimento nas doenças incuráveis

Comentários de leitores

4 comentários

Uma Pergunta... talvez um próximo artigo

André Ávila (Advogado Autônomo - Civil)

Obrigado Professor por essa aula brilhante sobre as diretivas. Porém, eu pergunto: seria o mesmo caso de certos grupos religiosos não aceitarem previamente determinados tratamentos? Caberia também a natureza jurídica de diretiva essa manifestação da vontade dada previamente pelo enfermo solicitando providências médicas que não utilizam o sangue, em caso de eminente risco de vida? Grande Abraço.

Tema pesado, mas...

Voluntária (Administrador)

O tema é pesado, nenhum de nós gostar de pensar em doença e morte. Mas, de qualquer maneira muito útil. Sempre é bom se precaver.

Plano de previdência

O IDEÓLOGO (Outros)

Aqui no Brasil você faz um plano de previdência privada. Repentinamente, a administradora sofre falência ou termina os seus dias em liquidação extrajudicial.
O passado no Brasil é incerto. Igualmente o futuro.

O direito de morrer ?

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Congratulações, Dr. Vladimir, pelo excelente artigo. Outro dia, li uma reportagem sobre um casal de médicos de idade avançada, residentes nos EUA, ambos acometidos por doenças incuráveis. Cientes de todos os aspectos de seus respectivos estados de saúde, dada a condição de médicos, optaram pela morte assistida. Cuidaram de todos os documentos necessários, gravaram um vídeo, despedindo-se dos familiares e amigos foram juntos para além dessa existência. FELIZ PÁSCOA !

Comentar

Comentários encerrados em 9/04/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.