Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prestígio em evidência

Com ministros do STF, lançamento de livro sobre cautelares lota livraria em São Paulo

Gabriel Chalita, Pereira Calças, Alexandre de Moraes e Rodrigo Capez.
ConJur

O lançamento da obra Prisão e Medidas Cautelares Diversas, do juiz Rodrigo Capez, reuniu cerca de 600 pessoas, entre ministros, desembargadores, advogados e políticos em São Paulo, nesta segunda-feira (25/9). Nas palavras do juiz Márcio Boscaro, “nem Paulo Coelho levou tanta gente à livraria Saraiva”.

José Luís Oliveira Lima, Nelson Jobim e Dias Toffoli.
ConJur

O tema, focado nas alternativas à prisão — como o afastamento do exercício da função pública — foi bem escolhido. Não por acaso, a obra foi citada nesta terça-feira (26/9) no julgamento que determinou o afastamento do cargo do senador Aécio Neves. O livro disseca a tese de que é absoluta a vedação à prisão preventiva de parlamentar, sendo possível o afastamento do mandato. Antes da decisão da Primeira Turma, o relator Edson Fachin já havia fundamentado sua decisão no livro, quando ordenou monocraticamente o afastamento do senador.

Capez, Oliveira Lima, Jobim, Cauduro Padim, Paulo Dimas Mascaretti e Toffoli.
ConJur

Na livraria do Shopping Higienópolis estavam figuras como o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, os ministros Alexandre de Moraes e Nelson Jobim (aposentado); o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, e seu alto comando: os desembargadores Ademir Benedito, Manoel Pereira Calças, Renato Salles de Abreu Filho, Luiz Antonio de Godoy, Fernando Antonio Maia da Cunha e o decano Xavier de Aquino.

Evento lotou a livraria em Higienópolis.
ConJur

Juízes e desembargadores, como Carlos Eduardo Cauduro Padim, vice-presidente e corregedor do Tribunal Regional Eleitoral do estado; os ex-presidentes do TJ-SP Celso Limongi e Ivan Sartori; Marcos Cesar Muller Valente; Marrey Uint; William Campos; Pedro Franco de Campos; o juiz Fernando Bartoletti; o presidente do Tribunal de Justiça Militar de SP, Sílvio Hiroshi Oyama, e os ex-presidentes Paulo Casseb e Orlando Geraldi.

Fernando Capez, Padim, Moraes, Toffoli, Dimas Ramalho e Márcio França.
ConJur

Estavam ainda políticos como o vice-governador de São Paulo, Márcio França; o deputado estadual Fernando Capez, irmão do autor; e Gabriel Chalita; o presidente da Apamagis, Oscild de Lima Júnior; o secretário da segurança pública, de São Paulo, Mágino Barbosa; a presidente da Associação dos Delegados da Polícia Civil, Marilda Aparecida Pansonato Pinheiro; a subdefensora pública-geral, Fabiana Botelho Zapata; e o conselheiro do TCE, Dimas Ramalho.

Rodrigo Capez e sua mulher, Luciana.
ConJur

A advocacia compareceu com o presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo, José Horácio Halfeld; os criminalistas José Luís de Oliveira Lima e Pierpaolo Bottini; e a academia marcou presença com os professores Jose Roberto Bedaque e Mauricio Zanoide de Moraes.

Clique aqui para comprar o livro Prisão e medidas cautelares diversas: a individualização da medida cautelar no processo penal na Livraria ConJur.

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2017, 21h32

Comentários de leitores

2 comentários

Hermenêutica

O IDEÓLOGO (Outros)

Cada um interpreta a lei a sua maneira, desde o faxineiro até o Presidente da República. É a Hermenêutica.

STF admitiu o poder geral de cautela no processo penal no ju

daniel (Outros - Administrativa)

STF admitiu o poder geral de cautela no processo penal no julgamento do Senador Aécio, ou seja, que o rol de medidas cautelares no CPP não é taxativo, mas exemplificativo, pois evita a prisão, logo é benéfico ao réu e pode ser ampliado por analogia e proporcionalidade. Em tese, o STF pensa o contrário do nobre Juiz e Autor da obra garantista.

Comentários encerrados em 04/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.