Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Causa espanto ainda existir resistência à audiência de custódia

Por 

A Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), ratificada pelo Brasil há quase 25 anos, estabelece que toda pessoa detida ou retida deve ser conduzida, sem demora, à presença de um juiz ou outra autoridade autorizada pela lei a exercer funções judiciais — trata-se da chamada audiência de custódia.

O instituto existe para que o juiz analise pessoalmente a legalidade e a necessidade da decretação da prisão preventiva, assim como para a prevenção de maus tratos e tortura durante a abordagem policial. Muito embora o direito de ser levado à presença de um juiz nas primeiras horas do flagrante já fosse norma vigente no país desde que o Brasil subscreveu o pacto, até pouco tempo esta regra não havia sido incorporada à rotina da justiça criminal brasileira. Um preso chegava a levar meses, às vezes até anos, para se encontrar pela primeira vez com o juiz do caso.

Dá para imaginar a quantidade de problemas que ocorrem quando o juiz não vê nas primeiras horas do flagrante o réu que irá julgar.

Para começar, quanto mais tempo o preso demora para se encontrar com o juiz, mais difícil é perceber vestígios de tortura, maus tratos e outros tratamentos desumanos e degradantes eventualmente praticados no momento da prisão. O Brasil, como nos lembram os altos números da letalidade policial divulgados no mês de junho pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (ao menos nove pessoas morrem diariamente por causa de intervenções policiais no país), deixa a desejar no combate à violência policial. O contato do preso com o juiz pode ajudar a prevenir e identificar práticas como estas.

Por outro lado, o monitoramento da implementação das audiências de custódia mostra que, havendo a apresentação pessoal, o juiz tende a apreciar a prisão de maneira mais criteriosa: a comparação de dados atuais produzidos pelo IDDD na cidade de São Paulo no ano de 2015 aos dados de um estudo realizado pelo Instituto Sou da Paz em 2012 aponta para uma redução da taxa de encarceramento. Sabe aquela história de que condenamos aquilo que não conhecemos? Pois é. Na justiça é mais ou menos igual. Quando o juiz conhece pessoalmente o réu, olho no olho, “face to face”, tende a afastar alguns fantasmas que o preconceito costuma criar. Fica, portanto, menos propenso a abusar de medidas coercitivas como a prisão preventiva, que passa a ser aplicada de forma mais cuidadosa. O sistema prisional, hoje abarrotado de presos, passa a ser usado para casos em que a prisão seja realmente imprescindível.

Espanta, por isso, que ainda se resista à implementação do referido instituto. Enquanto presidente do Conselho Nacional de Justiça, o ministro Ricardo Lewandowski trabalhou arduamente para a implementação da audiência de custódia no Brasil, mas o projeto que a insere na lei federal tramita desde 2011 no Congresso Nacional, sem que tenha logrado aprovação.

Ainda hoje, com o projeto apensado ao PL 8.045/2010, que trata do novo Código de Processo Penal, observa-se no Congresso a tentativa de estabelecer audiências de custódia por videoconferência; de alargar o prazo para a sua realização (que se pretende de 24 horas para apresentação do preso a um juiz); e mesmo inviabilizar por completo a inserção do instituto no novo código, sustentando a sua desnecessidade.

Cabe a pergunta: por que o temor em apresentar o preso a um juiz de Direito? O que se passa no momento da prisão que alguns setores da nossa sociedade ainda querem esconder? Se não há o que esconder, como dizem esses que querem inviabilizar a audiência de custódia, então que se apresente a pessoa presa em Juízo em até 24 horas após a prisão em flagrante. Não é possível que, em pleno século 21, alguns ainda queiram esconder aquele que foi preso dos juízes.

Apelamos aos deputados federais para que implementem a Carta Magna e a Convenção Americana sobre Direitos Humanos sem titubear: toda pessoa presa deve ser apresentada em 24 horas a um juiz para que se decida sobre a legalidade da prisão. É o mínimo que se espera num Estado Democrático de Direito.

 é advogado criminal e diretor do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD).

Revista Consultor Jurídico, 15 de setembro de 2017, 6h10

Comentários de leitores

6 comentários

Implementação necessária.

Dr Fialho (Advogado Assalariado)

Quanto a desnecessidade da apresentação do preso ao juiz em 24 horas, sob o argumento de que a autoridade policial já faz o controle da legalidade da prisão, e verifica se houve ou não abusos do condutor ( normalmente policia militar) é falacioso.
A policia militar é muito maior que a policia civil, e raras vezes um delegado que vê um conduzido "muito no pau" tem coragem de dar voz de prisão ao condutor, que esta em flagrante de tortura, os poucos que fizeram isso, foram ameaçados pela PM e o condutor que estava preso foi resgatado pela PM.
Como o leigo não compreende como se da a justiça penal , mesmo os concursados da segurança pública que passaram no quiz show do concurso- Lênio Streck- não compreendem que o sistema penal é feito de mais do que a dogmática, estando presentes também, a política criminal, e a criminologia.
A dita audiência de custódia é uma mudança de politica criminal, onde o juiz terá que olhar nos olhos do negro, do branco pobre, "moído pela policia", ou já tão debilitado pelo uso de drogas e decidir se o encarceramento em massa é mesmo a solução para o país.

Hipocrisia

Delegado Ari Carlos (Delegado de Polícia Estadual)

A audiência de custódia é desnecessária.
As razões de sua existência defendidas pelo colunista não prosperam. Torturas praticadas por policiais : Toda pessoa presa em flagrante delito deve ser apresentada a autoridade policial. Esta, sob pena de responsabilidade, deve verificar se o preso foi vítima de algum tipo de violência. Se sim, deve tomar providências, inclusive encaminhar o preso ao hospital e adotar providências criminais contra o agressor, prendendo-o em flagrante.
A legislação atual já determina que a autoridade policial que decidir pela prisão em flagrante de alguém, deve encaminhar cópia de toda documentação ao juiz de direito, ao promotor de justiça e ao defensor público, neste último caso, se o preso não tiver condições financeiras de contratar advogado. Estas comunicações são feitas, necessariamente, no mesmo dia ou no máximo, no dia seguinte à prisão. Através destes documentos enviados ao juiz, cabe a ele verificar se o preso tem ou não direito a liberdade provisória, pois toda a informação necessária para tanto constará dos autos.
Atualmente, a lei defere a autoridade policial o poder de conceder liberdade provisória para os casos onde o indivíduo autuado em flagrante delito tenha praticado crime cuja pena máxima não ultrapasse 4 anos. Essa restrição é absurda e indevida. Há que se alterar a legislação, estabelecendo-se a possibilidade do delegado de polícia conceder liberdade provisória, com fiança, para todos os casos em que este benefício for permitido pela Lei. Isso acabaria com o turismo presidiário e os riscos a ele inerentes.
Hoje, a lei determina o acionamento da defensoria pública para benefício do preso, mas não prevê o acionamento desta instituição para a família pobre que teve ente morto por marginais.

Modismo

paulo alberto (Administrador)

Porque não se faz a audiencia de custodia nos presidios diretamente, como o medico faz todos os dias, nos hospitais.
Porque hoje para atender a ideia progressista, houve um aumento de logistica do poder executivo. Em tempos de crise que falta tudo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.