Consultor Jurídico

Notícias

15% de aproveitamento

Primeira fase do Exame de Ordem tem recorde de candidatos reprovados

Comentários de leitores

13 comentários

Exame de ordem

O IDEÓLOGO (Outros)

O cidadão sai da Faculdade, presta o Exame de Ordem por oito vezes (não existe jubilação), e depois vai lá no balcão do Ofício perguntar ao servidor como deve solucionar determinado incidente processual. Depois que aprende, começa a tratar mal tudo e a todos.

Com a devida vênia ao posicionamento do Vasco Vasconcelos:

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Pois bem. Eis que mal foi divulgado o resultado preliminar e pululou por aí um sem-número de cursinhos que ofereciam "recursos prontos". A maioria era paga. Um ou outro era grátis.
Ora, a celeuma já começa por aí. O acadêmico no 9º período do curso de Direito ou o já bacharel -o que é ainda mais grave- que depende de terceiros para elaborar um recurso ou outra peça processual qualquer não pode ingressar numa carreira jurídica. Nenhuma. E mesmo se passar, que fique longe do mundo jurídico.
Não que inexistam falhas no exame da Ordem. É óbvio que muitas questões são mal formuladas. Abusam de situações que nunca serão vistas na prática, omitem informações sobre os casos hipotéticos ou inserem itens desnecessários, bem como utilizam questões que apenas a banca conhece a resposta.
Portanto, é um exagero extinguir o exame da Ordem. Todavia, outro descomedimento é afirmar que ele não precisa urgentemente de uma reformulação.

estão formando analfabetos em faculdades

daniel (Outros - Administrativa)

estão formando analfabetos em faculdades, não sabem nem pesquisar no google, muito menos ritos e criar uma tese.

Difícil

Eududu (Advogado Autônomo)

Nem sei mais o que dizer quando vejo os comentários do VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador). Eu até torço para que ele passe, mas tem que estudar e parece que ele só quer saber do tal livro do corregedor do TRF da 5º Região que critica o exame da OAB. É seu livro de cabeceira.

Vasco, a OAB lucraria muito mais se permitisse a inscrição indiscriminada de bacharéis em seus quadros, o que lhe renderia maior número de anuidades (cujo valor é 7 vezes a taxa do exame). Caça níqueis é o livro o qual o senhor se refere, pois o autor está faturando em cima do fracasso, da imaturidade, do despreparo e da incompetência de milhões de reprovados no exame.

Não adianta buscar socorro em Marx, Martin Luther King, nem no papa Francisco. Tem que estudar Direito. Não tem outra forma.

Dispõe o artigo 5º da Constituição Federal:
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais QUE A LEI ESTABELECER;

Reza a LEI FEDERAL 8906/94:
Art. 8º Para inscrição como advogado é necessário: ...
II -DIPLOMA ou certidão de graduação em direito, OBTIDO EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO OFICIALMENTE AUTORIZADA E CREDENCIADA;
...
IV - APROVAÇÃO EM EXAME DE ORDEM;
...
E existem outros conselhos profissionais que cobram o exame de suficiência ou de proficiência instituídos por lei, como faz o Conselho Federal de Contabilidade, com fulcro no disposto no artigo 12 do Dec. Lei 9295/46 (redação dada pela Lei 12.249/10). Os corretores de imóveis também fazem exame para inscrição no respectivo conselho. E a tendência é que outros conselhos profissionais instituam tais exames, como já faz o Conselho Regional de Medicina de São Paulo. É razoável. É o que a maioria da sociedade almeja.

É difícil mesmo

Marcelo-Advogado (Advogado Autônomo - Consumidor)

Se os pretensos advogados acham que está difícil passar no exame, se preparem para o pós carteirinha, pois para viver da advocacia, com o judiciário sucateado e sem funcionários, esse plástico rosa que tantos buscam custará caro, o que faz com que a maior parcela dos bacharéis que conseguem passar no exame se dediquem a 3 anos de efetiva atuação e depois, concurso público para garantir o dinheiro perene... Entendo que não passar a primeira fase é culpa do bacharel. Já na segunda fase, melhorias no método de correção deveriam ser implementadas, por conta do subjetivismo e dedicação à instrumentalizaçao das formas em relação ao conteúdo da prova.

Exercer a advocacia não é direito.

Guilherme de Oliveira de Barros (Advogado Associado a Escritório - Internacional)

Eu não entendo o Sr. Vasco, "jurista" que não compreende a relevância do Exame da Ordem, como se advogar fosse um "direito" de todo bacharel e não, como de fato é, um munus público de relevância imensurável.

"Pobres bacharéis", choram alguns, "iludidos acreditaram que ao concluir o curso de Direito" (diga-se, não de advocacia) "teriam um trabalho honesto ao qual estão habilitados pelo curso superior".

Com todo o respeito, esta visão populista e limitada não observa o risco ao qual estaria (e já está) sujeita a sociedade quando passar a confiar em qualquer "açougueiro do direito", até que o mesmo seja afastado do mercado por ausência de clientes.

Não pondera, o nobre colega (administrador?), acerca dos efeitos da coisa julgada em ações mal elaboradas e mal conduzidas por advogados mal preparados por faculdades de fundo de quintal?

Quem devolverá aos clientes ludibriados pelo título de "doutor" o direito precluso pela má atuação profissional? Quantas vezes nos valemos da inferioridade de colegas para encerrar prematuramente litígios em razão de erros crassos na condução da demanda?

Exercer a advocacia não é ter um trabalho de prestígio. É servir à sociedade, pois "o advogado é indispensável à adminsitração da justiça". Logo mais começarão a se revoltar contra concursos para a magistratura.

É dose.

Sêo Vasco e o seu TEXTÃO!

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Sêo Vasco,
Se os atuais "universitários" rotulam, pejorativamente, manifestações como as suas de "TEXTÃO", imagina o senhor que elas terão ânimo de prestar atenção a um Código, aos capítulos de uma Doutrina? Difícil!
Enquanto isso, o "messiânico" dos bacharéis vai tentando criar seu séquito.

Alô OIT,a privação do emprego é um ataque frontal aos DHs

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Durante o lançamento do livro ‘Ilegalidade e inconstitucionalidade’ do Exame de Ordem do corregedor do TRF da 5º Região, desembargador Vladimir Souza Carvalho, afirmou que exame da OAB é um monstro criado pela OAB. Disse que nem mesmo a OAB sabe do que ele se trata e que as provas, hoje, têm nível semelhante às realizadas em concursos públicos para procuradores e juízes. “É uma mentira que a aprovação de 10% dos estudantes mensure que o ensino jurídico do país está ruim. Não é possível falar em didática com decoreba”.
Senhores membros da Associação para a Prevenção da Tortura (APT), Organização Internacional do Trabalho – OIT, Organização dos Estados Americanos – OEA, Tribunal Penal Internacional – TPI e Organização das Nações Unidas – ONU, foge da razoabilidade o cidadão acreditar nos governos omissos, covardes e corruptos, numa faculdade autorizada e reconhecida pelo Estado (MEC), com aval da OAB e depois de passar cinco longos anos, fazendo malabarismo, pagando altas mensalidades investindo tempo e dinheiro e depois de formado, atolado com dívidas do Fies, cheques especiais, negativado no Serasa/SPC, com o diplomas nas mãos, outorgado e chancelado pelo Estado (MEC), com o Brasão da República, ser jogado ao banimento, impedido do livre exercício da advocacia cujo título universitário habilita por um sindicato que só tem olhos para os bolsos dos seus cativos e/ou escravos contemporâneos. Onde está (ir) responsabilidade social desse governo e da própria OAB?
A Carta Magna Brasileira foi bastante clara ao declinar sobre a Ordem Social, (art. 193) a Constituição estabeleceu que a ordem social tem como base o primado do trabalho e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais. "Até quando ó Catilina abusarás da nossa paciência"?

Onde está a responsabilidade social da OAB?

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Assim como Martin Luther King , ganhador do Prêmio Nobel, "- I HAVE A DREAM"( EU TENHO UM SONHO), Em respeito ao primado o trabalho, à Constituição Federal e à Declaração Universal dos Direitos Humanos, abolir de vez a última ditadura a escravidão contemporânea da OAB, o jabuti de ouro , o pernicioso, famigerado, concupiscente caça-níqueis exame da OAB, bullying social uma chaga social que envergonha o país dos desempregados. Se Karl Marx fosse nosso contemporâneo, a sua célebre frase seria: Sem sombra de dúvida, a vontade da OAB, consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites. Destarte chegou o limite de tolerar o intolerável e suportar o insuportável. Está na hora de impor limites à OAB. Onde está a responsabilidade da OAB? Se para ser Ministro do Egrégio Supremo Tribunal Federal - STF não precisa ser advogado, basta o cidadão ter mais de trinta e cinco anos e menos de sessenta cinco anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada (art. 101 CF). Se para ocupar vagas nos Tribunais Superiores OAB se utiliza de listas de apadrinhados da elite (Quinto dos apadrinhados)? Por quê para ser advogado o bacharel tem que passar por essa cruel humilhação e terrorismo de ser obrigado a decorar cerca de 181 mil leis haja vista inexistência de conteúdo programático.

Isso é Brasil.Criam-se dificuldades para colher facilidades

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor jurista. A sociedade precisa saber e os jornais censuram meus Artigos, que não é da alçada da OAB e de nenhum sindicato avaliar ninguém. A Lei maior deste país ainda é a Constituição que diz em seu art. 209 que compete ao poder público avaliar o ensino. Isso é papel do omisso MEC. OAB não tem interesse em melhorar o ensino jurídico, não tem poder de avaliar ninguém. Além de usurpar papel do Estado MEC, OAB para calar nossas autoridades, depois do desabafo do ex-Presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios – TJDFT, Desembargador Lécio Resende: “Exame da OAB é uma exigência descabida. Restringe o direito do livre exercício profissional cujo título universitário habilita”, pasme, OAB usurpando papel do omisso Congresso Nacional, isentou do seu exame caça níqueis os bacharéis em direitos oriundos da Magistratura, do Ministério Público e os bacharéis em direitos oriundos de Portugal. E com essas tenebrosas transações, aberrações e discriminações essa excrescência é Constitucional? Onde fica o Princípio Constitucional da Igualdade? A Declaração Universal dos Direitos Humanos repudia qualquer tipo de discriminação por ferir de morte os direitos humanos. Por que os quase R$ 1,0 bilhão de reais extorquidos nos últimos vinte e um anos dos bolsos dos cativos e ou/ escravos contemporâneos da OAB jogados ao banimento não são revertidos no reforço das suas qualificações? Desse montante qual foi o percentual revertido no reforço das qualificações dos seus cativos? Taxa concurso OAB-DF apenas R$ 75. taxa o famigerado caça-níqueis exame a OAB R$ 260, 00 um abuso (assalto ao bolso). Ensina-nos Luther King na nossa sociedade privar o homem do emprego e renda equivale psicologicamente, a assassiná-lo.

Exame da Ordem

Silvanio D.de Abreu (Advogado Assalariado - Comercial)

Somente depois que se passa no exame é que se tem noção de sua seriedade, apesar das falhas já apontadas acima. Vou mais além. É conversando com alguns colegas que percebemos os gravíssimos erros de português. Petições cujos textos não apresentam concordância alguma e que dificulta o entendimento para uma boa tese na contestação. Poucos se dão ao trabalho de rever o que foi escrito, formatação inadequada, enfim, uma série de erros que deveriam (pelo menos) ter aprendido nos tempos de acadêmicos. Enfim, não podemos desistir. Vamos em frente.

Concordo com a Prof. Naila

Curiosíssimo (Outros)

Concordo que o exame seja necessário. Todavia, não há como discordar da Prof. Naila Tucci, pois realmente os critérios de correção da Segunda Fase são, no mínimo, obscuros, possibilitando que um candidato que, pelo gabarito, tiraria praticamente a nota máxima, acabe ficando perto, até mesmo, de ser reprovado. O candidato, para ser aprovado no modelo atual, precisa dar a exata resposta que os examinadores querem, com a exata fundamentação legal que os examinadores querem e, demais disso, que isso seja transcrito EXATAMENTE no local em que os examinadores querem (quem passou pelo exame, entenderá o que digo)...

Vamos voltar às origens

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Só espero que, na época atual, toda aquela doutrinação ideológica do autointitulado "Partido dos Trabalhadores" no sentido de alterar institutos visando moldá-los aos menos esforçados, pregação que destruiu o País em larga medida, não mais prevaleça. Que os reprovados entendam que precisam COMEÇAR a estudar ao invés de arrumar pretextos para a falta de conhecimento na área que pretendem ingressar.

Comentar

Comentários encerrados em 9/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.