Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Compra de votos"

Dilma usa delação de Funaro para reforçar pedido de anulação do impeachment no STF

Um ano após ser cassada, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) voltou a solicitar ao Supremo Tribunal Federal que anule o processo de impeachment e lhe devolva ao cargo. O pedido foi apresentado nesta terça-feira (17/10) em uma petição no mandado de segurança impetrado no STF pela petista em 1 de setembro de 2016.

Dilma citou delação de Funaro e reforçou pedido para anular impeachment.

Ela reforçou a solicitação após os depoimentos de Lúcio Funaro, operador financeiro que acusou o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de comprar votos a favor do impeachment.

Apesar de serem sigilosos, os vídeos da delação premiada de Funaro foram disponibilizados neste mês no site da Câmara, em meio aos documentos que fundamentam a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, também delatado pelo operador financeiro.

Nos depoimentos, Funaro afirma ter repassado R$ 1 milhão a Cunha, então presidente da Câmara, para ele "comprar” votos favoráveis à destituição da petista, de modo a afastar “de qualquer jeito” Dilma da Presidência da República.

“Resta, assim, explicado agora, como Eduardo Cunha conseguiu ‘convencer’ parlamentares a votar pela cassação do mandato presidencial de Dilma Rousseff”, escreveram os advogados da ex-presidente José Eduardo Cardozo e Renato Ferreira Franco, na nova petição. Na peça, afirmam ter ficado “evidente”, a partir da fala de Funaro, a compra de votos contra Dilma. Com informações da Agência Brasil.

MS 34.371

Revista Consultor Jurídico, 18 de outubro de 2017, 20h16

Comentários de leitores

3 comentários

Falta coerência

Victor Carvalho Pinto (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

A ex-Presidente sempre disse que não confia em delator. Seu partido e o ex-Presidente Lula afirmam que delação não vale como prova. Joesley Batista delatou ter pago a deputados, a pedido de Lula, para negar autorização ao processamento do impeachment. Ou seja, se as delações são prova, Lula tem que ser condenado e ambas as partes tentaram corromper deputados para influenciar o impeachment. Se não são, o pedido de anulação do impeachment deve ser indeferido.

Alzheimer tratado com cha do Santo Daime

hammer eduardo (Consultor)

Nosso sistema publico de saude infelizmente ainda nao consegue identificar pessoas como essa patetica figura , verdadeira alma penada do PT Cujo corpo insepulto ainda circula livremente.
Deem logo o chazinho de ayuasca pra ver se a demencia compulsiva dela melhora.

PresidenTA

Professor Edson (Professor)

A delação do José vale, a delação do Mané não vale!!!!!, vai procurar emprego na feira minha querida.

Comentários encerrados em 26/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.